Correlação entre a intenção dos designers e a interpretação das cores de uma coleção de vestuário por pessoas da Geração Z

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x15362022008%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20%20

Palavras-chave:

Design de Moda, Semiótica, Comunicação Visual

Resumo

Designers de moda necessitam fazer escolhas temática-conceituais, entregando de maneira efetiva uma mensagem. Dentre os elementos da linguagem visual empregados nessa codificação, a cor, por seu aspecto simbólico, desempenha papel importante no processo de comunicação visual. Portanto, este artigo busca explorar as possibilidades interpretativas da dimensão semântica de uma cartela de cores ao comparar a efetividade na intenção dos designers sobre a mensagem visual das cores em uma coleção de vestuário com a interpretação dos potenciais consumidores da Geração Z. Aplicou-se como método o diferencial semântico (DS) e a associação livre de palavras (ALP), entrevistando 4 designers, que criaram a coleção investigada no âmbito deste trabalho, e questionando 52 potenciais consumidores da Geração Z. Os resultados para o DS e para a ALP sugeriram um nível moderado de entendimento entre intenção e interpretação das mensagens das cores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ítalo José de Medeiros Dantas, Universidade Federal de Campina Grande

Mestrando em Design pela Universidade Federal de Campina Grande, Especialista em Comunicação, Semiótica e Linguagens Visuais pela Universidade Braz Cubas e Designer de Moda pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - Campus Caicó. Membro dos grupos de pesquisa nacionais Núcleo de Pesquisa em Informação, Linguagens e Usabilidade (UFCG), Grupo de Estudo da Cor (UFCG) e Núcleo de Pesquisas em Têxtil e Vestuário (IFRN). Ainda, é afiliado da Associação Pró-Cor do Brasil e participante dos grupos de estudos internacionais Language of Color e Environmental Colour Design, ambos vinculados a International Colour Association (AIC).

Camila Assis Peres Silva, Universidade Federal de Campina Grande

Professora Adjunta e membro do Programa de Pós-Graduação do Curso de Design da UFCG. Doutora em Ciências na área de concentração de Design e Arquitetura, possui mestrado em Design pela ESDI/UERJ e graduação em Desenho Industrial (Programação Visual) pela EBA/UFRJ. Líder do Núcleo de Pesquisa em Informação, Linguagens e Usabilidade (UFCG). Afiliada à Associação Pro-Cor do Brasil e participante de grupos de estudo ligados à International Colour Association (AIC).

Referências

ABALLI, I. Sobre a cor: tratado em preto e branco para seu uso e aplicação. São Paulo: Projeto Octógono Arte Contemporânea. Pinacoteca do Estado de São Paulo. Catálogo de exposição, 2010.

ALVES, L. C et al. Consumers’ perception of edible flowers using free word association. Research, Society and Development, [S. l.], v. 10, n. 4, p. e18810414011, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.33448/rsd-v10i4.14011. Acesso em: 2 maio 2021.

BARNARD, M. Fashion as communication. Londres: Routledge, 2003.

BARROS, L. R. M. A Cor no Processo Criativo: um estudo sobre a Bauhaus e a teoria de Goethe. 4. ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2011.

CARDOSO, R. Design para um mundo complexo. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

CELHAY, F.; REMAUD, H. What does your wine label mean to consumers? A semiotic investigation of Bordeaux wine visual codes. Food Quality and Preference, v. 65, p. 129-145, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.foodqual.2017.10.020. Acesso em 02 mai. 2021.

CERETTA, S. B.; FROEMMING, L. M. Geração Z: compreendendo os hábitos de consumo da geração emergente. RaUNP, v. 3, n. 2, p. 15-24, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.21714/raunp.v3i2.70. Acesso em: 11 abr. 2021.

CRILLY, N. et al. Design as communication: exploring the validity and utility of relating intention to interpretation. Design Studies, v. 29, p. 425-457, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1016/j.destud.2008.05.002. Acesso em: 11 abr. 2021.

CRUZ, F. S.; LIMA, A. P. P. Mídias Sociais. Revista Inova Ciência & Tecnologia, v. 6, n. 1, p. 69-79, 2020. Disponível em: periodicos.iftm.edu.br/index.php/inova/article/view/886, Acesso em 11 abr. 2021.

DANTAS, Í. J. M.; SILVA, C. A. P. A methodology for semiotic analysis of fashion collections chromatic project. In: Color Conference of the Italian Colors Association, 16., 2020, Bergamo. Proceedings... Bergamo: Gruppo del Colore: Associazione Italiana Colore, 2020. v. XVI B. p. 183-190.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FARINA, M. PEREZ, C.; BASTOS, D. Psicodinâmica das cores em comunicação. São Paulo: Edgar Blucher, 2006.

FIELD, A. Discovering Statistics Using IBM SPSS Statistics. 5. ed. Londres: SAGE, 2018.

FOWLER, F. J. Survey research methods. Los Angeles: SAGE Publications, 2014.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6. ed. São Paulo: Editora Atlas, 2008.

GOETHE, J. W. Doutrina das cores. São Paulo: Nova Alexandria, 2011.

GUIMARÃES, L. A cor como informação: a construção biofísica, linguística e cultural da simbologia das cores. São Paulo: Annablume, 2000.

HELLER, E. A Psicologia das Cores: como as cores afetam a emoção e a razão. São Paulo: Gustavo Gilli, 2013.

HOLDSCHIP, R. Design & Semântica: investigação de técnicas estatísticas para auxílio no projeto de produto. Tese (Doutorado em Design) - Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação, Universidade Estadual Paulista. Bauru, 2015.

JONES, S. J. Fashion design: manual do estilista: São Paulo, BR: Cosac Naify, 2005.

KRIPPENDORFF, K. On the Essential Contexts of Artifacts or on the Proposition That "Design Is Making Sense (Of Things)". Design Issues, v. 5, n. 2, p. 9-39, 1989. Disponível em: http://www.jstor.org/stable/1511512. Acesso em 10 mar. 2021.

MOREIRA, A. A. A. A Cor no Processo de Design de Moda. 2016. 159 f. Dissertação (Mestrado em Design e Marketing) - Universidade do Minho, Escola de Engenharia. Guimarães, 2016.

NIEMEYER, L. Elementos da Semiótica Aplicados ao Design. Rio de Janeiro, BR: 2AB, 2003.

OSGOOD, C. E.; SUCI, G. I.; TANNENBAUM, P. H. The measurement of meaning. Urbana: University of Illinois Press, 1957.

PASTOUREAU, M. Dicionário das cores do nosso tempo: simbólica e sociedade. Tradução Maria José Figueiredo. Lisboa: Editorial Estampa, 1997.

PASTOUREAU, M. Preto: história de uma cor. Tradução Lea P. Zylberlitch. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2011.

PEDROSA, I. O Universo da Cor. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2008 [2004].

PINA, L. M. G. A cor e a moda: a função da cor como suporte para o design de moda e personalidade dentro de um público jovem. Dissertação (Mestrado em Design de Moda) – UBI. Covilhã, 2009.

REIS, E.A.; REIS I. A. Análise Descritiva de Dados. Relatório Técnico do Departamento de Estatística da UFMG. Minas Gerais: UFMG, 2002. Disponível em: www.est.ufmg.br/portal/arquivos/rts/rte0202.pdf. Acesso em 07 set. 2021.

ROGER, R.; UDALE, J. Fundamentos de design de moda. Porto Alegre: Bookman, 2009.

ROSA JÚNIOR, J. D. Cartelas de cores: uma proposta metodológica. ModaPalavra, Florianópolis, v. 13, n. 28, p. 74-98, abr./jun. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.5965/1982615x13272020074. Acesso em 16 mar. 2021.

SCHLOSSBERG, M. Teen Generation Z is being called 'millennials on steroids,' and that could be terrifying for retailers. Insider, [S. l.], 11 fev. 2016. Disponível em: www.businessinsider.com/millennials-vs-gen-z-2016-2. Acesso em: 27 abr. 2021.

SILVA, C. A. P. As cores e as formas dos cheiros: as correspondências entre os sentidos do olfato e da visão em frascos de perfumes. 2017. 294 f. Tese (Doutorado) – Universidade de São Paulo. São Paulo, 2017.

TREPTOW, D. E. Inventando Moda: planejamento de coleção. 5. ed. São Paulo: Edição da Autora, 2013.

Downloads

Publicado

2022-04-18

Como Citar

DANTAS, Ítalo J. de M.; SILVA, C. A. P. Correlação entre a intenção dos designers e a interpretação das cores de uma coleção de vestuário por pessoas da Geração Z. Modapalavra e-periódico, Florianópolis, v. 15, n. 36, p. 8-34, 2022. DOI: 10.5965/1982615x15362022008 . Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/21307. Acesso em: 29 jun. 2022.

Edição

Seção

Variata