Sinestesia, Arte e Deficiência visual: aplicação de um método didático-pedagógico para apreciação de pinturas por alunos não visuais na educação básica

Autores

  • Luís Müller Posca Universidade Federal de Roraima
  • João Henrique Lodi Agreli Universidade Federal de Uberlândia

Palavras-chave:

Artes, Educação, Inclusão

Resumo

Este estudo propõe demonstrar como o ensino das Artes Visuais pode ser adaptado ao aluno deficiente visual da Educação Básica. Considerando-se o princípio de que a Arte está ligada aos sentimentos humanos, muitos acreditam que, por não enxergar, esse aluno está excluído daquilo que se refere à poética visual. Diante das dificuldades encontradas no processo de inclusão de alunos deficientes visuais no ensino de Artes Visuais e da ausência de materiais de apoio ao docente adaptados a esse público, defendemos que, por intermédio do uso de pranchas táteis, trabalhadas levando-se em consideração a sinestesia (fenômeno que provoca reações multissensoriais, misturando mais de um sentido diante de um objeto de análise), é possível que o aluno não visual possa apreciar pinturas nas aulas de arte. Aqui, apresentamos um relato de experiência sobre a criação e a aplicação de um método didático-pedagógico de ensino-aprendizagem de Artes Visuais unindo essas pranchas táteis a uma atmosfera sinestésica para alunos não visuais da Educação Básica, com a finalidade de pensar uma aula de Arte significativa e inclusiva aos alunos deficientes visuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luís Müller Posca, Universidade Federal de Roraima

Doutorando em Artes Visuais pela Universidade de Brasília - UNB (2019), mestre em Artes pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) - MG (2017), especialista em Arte-Educação (2012) e licenciado em Artes (2009). É Professor de Magistério Superior Efetivo (dedicação exclusiva) do Curso de Licenciatura em Artes Visuais da Universidade Federal de Roraima (UFRR), em Boa Vista - RR, Pesquisador do CRUVIANA - Grupo de estudo e pesquisa sobre educação, arte e intercultura e do grupo LinCID - Línguas, Culturas, Inclusão e Diversidade. Tem experiência na área de Artes, com ênfase em Artes Visuais e Arte-Educação. Atualmente, desenvolve pesquisas sobre o Ensino da Arte, Formação de Professores, o uso das tecnologias para a Inclusão nas Artes Visuais e as emergências do espaço urbano de Boa Vista-RR.

João Henrique Lodi Agreli, Universidade Federal de Uberlândia

Possui graduação (2002) em Design Gráfico pela Universidade Estadual de Londrina, mestrado (2005) e doutorado (2013) em Arte e Tecnologia pela Universidade de Brasília. Ocupa o cargo de professor adjunto em mídias contemporâneas no curso de graduação em Artes Visuais e no Mestrado Acadêmico e Profissional em Artes da Universidade Federal de Uberlândia. Coordena o GEART - Grupo de estudos em Arte e Tecnologia da UFU. Pesquisa a interseção entre Artes Visuais e Design Gráfico no cenário urbano. Realizou exposições de artes visuais em Uberlândia, S. J. do Rio Preto, João Pessoa, Belém, Macapá, Brasília, São Paulo, Paris e Aveiro.

Referências

ARAGUAIA, Mariana. Síndrome de Charles Bonnet. 2017. Disponível em <http://brasilescola.uol.com.br/doencas/sindrome-charles-bonnet.htm>. Acesso em 19 mar. de 2017.

BALLESTERO-ÁLVAREZ, Jose Alfonso. Multissensorialidade no ensino de desenho a cegos. Dissertação (Mestrado em Artes Plásticas) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo/USP, São Paulo, 2003.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 8 abr. 2016.

______. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a lei brasileira de inclusão da pessoa com deficiência (estatuto da pessoa com deficiência). Brasília, 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 26 set. 2017.

BUSTOS, Carolina; FEDRIZZI, Beatriz; GUIMARÃES, Lia Buarque de Macedo. PERCEPÇÃO DOS DEFICIENTES VISUAIS CORES X TEXTURAS. In: I Conferência Latino-Americana de construção sustentável; X Encontro Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído. 2004, São Paulo. Anais. São Paulo: ANTAC, 2004.

CARNEIRO, Ivane Angélica. Artes Visuais: Práticas tridimensionais. Curitiba: Intersaberes, 2017.

CERVO, A. L. BERVIAN, P. A. Metodologia científica. 5.ed. São Paulo: Prentice Hall, 2002.

CHKLOVSKI, Viktor. A Arte como Procedimento. In TOLEDO, Dionísio de Oliveira (Org). Teoria da Literatura, Formalistas Russos. Porto Alegre: Editora Globo, 1978.

CONDE, Antônio João Menescal. Definição de cegueira e baixa visão. 2017. Disponível em: <http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/AREAS_ESPECIAIS/CEGUEIRA_E_BAIXA_VISAO/ARTIGOS/Def-de-cegueira-e-baixa-viso.pdf>. Acesso em: 20 mar. 2017.

CONHECIMENTO GERAL. Ouvido absoluto. 2016. Disponível em: <https://www.conhecimentogeral.inf.br/ouvido_absoluto/>. Acesso em: 19 mar. 2017.

COTTIN, Menena; FARIA, Rosana. O livro negro das cores. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

DEBUSSY, CLAUDE. Arabesque. In: Electronic Philharmonic Music Library. Patrick Smith: Electronic Philharmonic, 2009, 1 CD.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009. Versão 1.0 CD-ROM.

KANDINSKY, Wassily. Do espiritual na arte. 3. ed. Brasil: Martins, 2000.

MARQUES, Sarah Barreto. Sinestesia das pessoas cegas: novas possibilidades de informação. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação). Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal do Rio de Janeiro /UFRJ. Rio de Janeiro, 2016.

PRESA, Carla Patrícia Magalhães. Sinestesia na arte. Dissertação (Mestrado em Design Multimédia). Programa de Pós-graduação em Design Multimédia da Universidade da Beira Interior/UBI. Covilhã, 2008.

Downloads

Publicado

01-07-2019

Como Citar

POSCA, Luís Müller; AGRELI, João Henrique Lodi. Sinestesia, Arte e Deficiência visual: aplicação de um método didático-pedagógico para apreciação de pinturas por alunos não visuais na educação básica. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 15, n. 3, p. 08–33, 2019. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/11296. Acesso em: 24 fev. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.