Crescimento e distribuição de raízes de soja em diferentes densidades de plantas

Autores

  • Alvadi Antonio Balbinot Junior Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa Soja
  • Henrique Debiasi Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa Soja
  • Julio Cezar Franchini Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária - Embrapa Soja
  • João Pedro Carlos Prieto
  • Moacir Tuzzin de Moraes Universidade Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS
  • Flávia Werner Universidade Estadual de Londrina - UEL
  • André Sampaio Ferreira Universidade Estadual de Londrina - UEL

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711712018012

Palavras-chave:

Glycine max L., densidade de massa radicular, área superficial radicular, densidade do comprimento radicular, diâmetro de raízes.

Resumo

A cultura da soja apresenta alta plasticidade fenotípica da parte aérea, alterando a sua morfologia em função da densidade de plantas. No entanto, os seus efeitos no crescimento e na distribuição de raízes no perfil do solo ainda não estão elucidados. O objetivo do presente trabalho foi avaliar o efeito de três densidades de plantas de soja sobre variáveis relacionadas ao crescimento de raízes, em diferentes camadas de solo e posições (linha e entrelinhas). Foram conduzidos dois experimentos na safra 2014/2015 em Londrina, PR, um com a cultivar BRS 359 RR e outro com a cultivar BMX Potência RR. O delineamento experimental foi de blocos casualizados, com três repetições e parcelas subsubdivididas. Nas parcelas principais, foram alocadas três densidades de semeadura (150, 300 e 450 mil sementes ha-1); nas subparcelas, cinco camadas de solo (0-10, 10-20, 20-30, 30-40 e 40-50 cm); e nas subsubparcelas, três posições (linha, entrelinha à esquerda e entrelinha à direita). O aumento da densidade de plantas provoca a formação de raízes mais finas, com tendência de haver maior ocupação das entrelinhas e das camadas subsuperficiais do solo, mas a magnitude dessa resposta é dependente da cultivar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2015a. Semeadura cruzada em cultivares de soja com tipo de crescimento determinado. Semina: Ciências Agrárias 36:1215-1226.

BALBINOT JUNIOR AA et al. 2015b. Espaçamento reduzido e plantio cruzado associados a diferentes densidades de plantas em soja. Semina: Ciências Agrárias 36: 2977-2986.

BENJAMIN JG & NIELSEN DC. 2006. Water deficit effects on root distribution of soybean, field pea and chickpea. Field Crops Research 97: 248-253.

BORDIN I et al. 2008. Matéria seca, carbono e nitrogênio de raízes de soja e milho em plantio direto e convencional. Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 1785-1792.

CHENG L et al. 2014. Interactions between light intensity and phosphorus nutrition affect the phosphate-mining capacity of white lupin (Lupinus albus L.). Journal of Experimental Botany 65: 2995-3003.

COX WJ & CHERNEY JH. 2011. Growth and yield responses of soybean to row spacing and seeding rate. Agronomy Journal 103:123-128.

ERICSSON T. 1995. Growth and shoot: root ratio of seedlings in relation to nutrient availability. Plant and Soil 168-169:205-214.

FAN J et al. 2016. Root distribution by depth for temperate agricultural crops. Field Crops Research 189:68-74.

GASPAR AP & CONLEY SP. 2015. Responses of canopy reflectance, light interception, and soybean seed yield to replanting suboptimal stands. Crop Science 55: 377-385.

HANNA SO et al. 2008. Fungicide application timing and row spacing effect on soybean canopy penetration and grain yield. Agronomy Journal 100: 1488-1492.

HÉRBERT Y et al. 2001. The response of root/shoot partitioning and root morphology to light reduction in maize genotypes. Crop Science 41: 363-371.

HUTCHINGS MJ & JOHN EA. 2004. The effects of environmental heterogeneity on root growth and root/shoot partitioning. Annals of Botany 94: 1-8.

KASPERBAUER MJ. 1987. Far-Red Light reflection from green leaves and effects on phytochrome-mediated assimilate partitioning under field conditions. Plant Physiology 85: 350-354.

PANTALONE VR et al. 1996. Phenotypic evaluation of root traits in soybean and applicability to plant breeding. Crop Science 36: 456-459.

PECHÁČKOVÁ S. 1999. Root response to above-ground light quality – Differences between rhizomatous and non-rhizomatous clones of Festuca rubra. Plant Ecology 141: 67-77.

POSTMA JA et al. 2014. Dynamic root growth and architecture responses to limiting nutrient availability: linking physiological models and experimentation. Biotechnology Advances 32: 53-65.

PROCÓPIO SO et al. 2013. Plantio cruzado na cultura da soja utilizando uma cultivar de hábito de crescimento indeterminado. Revista de Ciências Agrárias/Amazonian Journal of Agricultural and Environmental Sciences 56: 319-325.

TARDIEU F. 2012. Any trait or trait-related allele can confer drought tolerance: just design the right drought scenario. Journal of Experimental Botany 63: 25-31.

WHITE RG & KIRKEGAARD JA. 2010. The distribution and abundance of wheat roots in a dense, structured subsoil – implications for water uptake. Plant, Cell and Environment 33: 133-148.

Downloads

Publicado

2018-03-16

Como Citar

BALBINOT JUNIOR, A. A.; DEBIASI, H.; FRANCHINI, J. C.; PRIETO, J. P. C.; MORAES, M. T. de; WERNER, F.; FERREIRA, A. S. Crescimento e distribuição de raízes de soja em diferentes densidades de plantas. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 17, n. 1, p. 12-22, 2018. DOI: 10.5965/223811711712018012. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/8097. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados