A Construção Simbólica na Gestão da Marca Havaianas

Autores

  • Gabriela Botelho Mager Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC http://orcid.org/0000-0001-6102-7344
  • Alberto Cipiniuk Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC Rio

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x11222018381

Palavras-chave:

branding de moda, economia simbólica, design

Resumo

Considera-se a contemporaneidade como a era das marcas, na qual é onipresente e onipotente. O objetivo desta pesquisa foi o de estudar o lugar social da marca na contemporaneidade, configurado nas esferas sociais e culturais, a fim de identificar a ocorrência do processo de valorização de sua imagem. O capital simbólico eleva o capital econômico e cria uma relação de identidade com seus clientes.  O massivo investimento em comunicação nos diversos meios faz com que haja inculcação da marca nas mentes e a inclui no habitus da sociedade. Apresenta-se o estudo de caso da gestão da marca Havaianas que conseguiu transformar em duas décadas o seu valor simbólico de popular a cultuado por todas as classes sociais. Como resultado, a marca gera a identidade, estabilidade, sacia desejos e une os grupos sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Botelho Mager, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Profª. Drª. Gabriela Botelho Mager

Departamento de Design da UDESC

Alberto Cipiniuk, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC Rio

Prof. Dr. Alberto Cipiniuk

Departamento de Artes e Design da PUC Rio

Referências

BOURDIEU, P. A Economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BOURDIEU, P. A Produção da crença – contribuição para uma economia dos bens simbólicos. Porto Alegre: Zouk, 2006.

BOURDIEU, P. A Distinção – crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2008.

GOMES, F. R. Difusão de Inovações, Estratégia e a Inovação: o Modelo D.E.I. aplicado ao Caso Havaianas. Disponível em: <http://knol.google.com/k/o-caso-sandálias-havaianas#>. Acesso em: 26 jul. 2010.

HEILBRUNN, B. A logomarca. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2002.

HSM Management. Havaianas com o mundo a seus pés. Edição 48 . Jan- Fev 2005. Disponível em: <http://www.mctres.com.br/mc3/conteudo/Havaianascomomundoaoseuspes.pdf>. Acesso em: 25 mai. 2011.

LIPOVETSKY, G; ROUX, E. O Luxo Eterno: da Idade do Sagrado ao Tempo das Marcas. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

MARIE CLAIRE. Havaianas e Jóias. Edição 10. Novembro 2010.

SEMPRINI, A. A marca pós-moderna. Poder e fragilidade da marca na sociedade contemporânea. São Paulo: Estação das Letras, 2006.

SETTON, M. da G. J. A teoria do habitus em Pierre Bourdieu: uma leitura contemporânea. Revista Brasileira de Educação. Maio/Jun/Jul/Ago 2002, nº 20, p.60-70.

VEJA ON LINE. Legitimamente fashion. <http://veja.abril.com.br/especiais/estilo_moda/p_058.html>.

VEJA ON LINE. Os chinelos foram só o começo. <http://veja.abril.com.br/240310/chinelos-foram-comeco-p-102.shtml>

HAVAIANAS. Site Oficial – história da marca. Disponível em: <http://br.havaianas.com/pt-BR/about-havaianas/history/#>. Acesso em: 20 jun. 2010.

HAVAIANAS E O LANÇAMENTO DE GALOCHAS. Disponível em: <http://www.mariavitrine.com.br/2011/04/havaianas-lanca-colecao-de-galochas-na.html>. Acesso em: 30 mai. 2011.

HAVAIANAS E O OSCAR 2003. Comentários de Carlos Merigo. Disponível em: <http://www.brainstorm9.com.br/diversos/alpargatas-distribuira-havaianas-na-festa-do-oscar/>. Acesso em: 20 mai. 2011.

HAVAIANAS E O OSCAR 2007. <http://www.bemresolvida.com.br/?tag=havaianas&paged=5> Acesso em: 30 mai. 2011.

WOLFF, J. A produção social da arte. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

YIN, R. K. Estudo de caso. Planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2003.

Downloads

Publicado

2018-07-01

Como Citar

MAGER, G. B.; CIPINIUK, A. A Construção Simbólica na Gestão da Marca Havaianas. Modapalavra e-periódico, Florianópolis, v. 11, n. 22, p. 381-407, 2018. DOI: 10.5965/1982615x11222018381. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/11923. Acesso em: 18 ago. 2022.