Influência do método de coleta e da pluviometria na produtividade de pólen apícola na Caatinga

Autores

  • Marcela Sheila Araújo Xavier Universidade Federal do Ceará
  • José Elton de Melo Nascimento Universidade Estadual de Maringá
  • Jânio Angelo Felix Universidade Federal do Ceará
  • Vitória Inna Mary de Sousa Muniz Universidade Federal do Ceará
  • Júlio Otávio Portela Pereira Instituto Federal do Ceará
  • José Everton Alves Universidade Estadual Vale do Acaraú

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711942020440

Palavras-chave:

Apicultura, Produtos apícolas, Região semiárida.

Resumo

O manejo aplicado em colônias de abelhas africanizadas (Apis mellifera L.) para maximizar a coleta de pólen apícola nas colmeias, deve prezar pela intensidade da colheita, respeitar os aspectos biológicos da espécie e implantar inovações que otimizem esta produção. Para otimizar a colheita deste produto apícola, objetivou-se com este trabalho comparar a produtividade de pólen apícola obtida por dois modelos de coletores, bem como a produtividade utilizando-se quantidades diferentes (um ou dois) de coletores na colmeia. Os tratamentos aplicados foram os seguintes: um coletor frontal localizado no alvado da colmeia; um coletor tipo melgueira localizada acima do ninho; dois coletores concomitantemente, sendo um coletor frontal e um coletor tipo melgueira. Todas as colônias passaram por todos os tratamentos para evitar o efeito da colônia sobre os resultados de produtividade. O coletor de pólen tipo frontal foi o mais indicado para a maior produtividade de pólen apícola e as colônias necessitaram somente de um coletor de pólen para expressarem o potencial de produção na Caatinga.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALICIC D et al. 2014. Antioxidant properties of pollen. Hrana u Zdravlju i Bolesti: Znanstveno-stručni Časopis za Nutricionizam i Dijetetiku 3: 6-12.

ALVES MLTMF. 2013. Produção de Pólen Apícola. Pesquisa & Tecnologia 10: 1-6.

AMORIM IL et al. 2009. Fenologia de espécies lenhosas da Caatinga do Seridó, RN. Revista Árvore 33: 491-499.

CAMINHA ECF. 2014. A recolha de pólen e o impacto na produção de mel na região de Trás-os-Montes e Alto Douro. Dissertação (Mestrado em Gestão de Recursos Florestais). Bragança: IPB. 71p.

CARPES ST. 2009. Chemical composition and free radical scavenging activity of Apis mellifera bee pollen from Southern Brazil. Brazilian Journal of Food Technology 12: 220-229.

FUNCEME. 2017. Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. Calendário das Chuvas no Estado do Ceará. Disponível em: <http://www.funceme.br/app/calendario/produto/municipios/media/mensal>. Acesso em: 24 Ago. 2017.

HASSAN HMM. 2011. Chemical composition and nutritional value of palm pollen grains. Global Journal of Biotechnology & Biochemistry 6: 1-7.

IPECE. 2017. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil Básico Municipal 2015 Sobral. Disponível em: <http://www.ipece.ce.gov.br/perfil_basico_municipal/2015/Sobral.pdf>. Acesso em: 7 abr. 2017.

KOMOSINSKA-VASSEV K et al. 2015. Bee Pollen: Chemical Composition and Therapeutic Application. Evidence-Based Complementary and Alternative Medicine 2015: 1-6.

MATTOS IM et al. 2015. Analysis of the effects of colony population size and feeding supplementation on bee pollen production. Journal of Apicultural Research 54: 411-419.

MELO ILP et al. 2014. Relação entre a composição nutricional e a origem floral de pólen apícola desidratado. Revista do Instituto Adolfo Lutz 68: 346-353.

MILFONT MO et al. 2011. Pólen Apícola. Manejo para a produção de pólen no Brasil. Viçosa: Aprenda Fácil.

MORAIS M et al. 2011. Honeybee-collected pollen from five Portuguese Natural Parks: Palynological origin, phenolic content, antioxidant properties and antimicrobial activity. Food and Chemical Toxicology 49: 1096-1101.

NASCIMENTO JEM et al. 2019. Temporal variation in production and nutritional value of pollen used in the diet of Apis mellifera L. in a seasonal semideciduous forest. Sociobiology 66: 263-273.

OLEGARIO TG et al. 2008. Pólen: Propriedades nutricionais e benefícios à saúde humana. In: VI Semana de Tecnologia em Alimentos. Resumos...Ponta Grossa: Universidade Tecnológica Federal do Paraná.

SHAPLYGIN LV & SIVAKOV AA. 2007. Use of cernilton in the therapy of prostatic adenoma and chronic prostatitis. Urologiia 39: 35-37.

SOUZA DNN et al. 2014. Estudo fenológico de espécies arbóreas nativas em uma unidade de conservação de Caatinga no Estado do Rio Grande do Norte, Brasil. Biotemas 27: 31-42.

WAGENLEHNER FME et al. 2009. A pollen extract (Cernilton) in patients with inflammatory chronic prostatitis-chronic pelvic pain syndrome: a multicentre, randomised, prospective, double-blind, placebo-controlled phase 3 study. European Urology 56: 544-551.

YANG K et al. 2013. Characterization of chemical composition of bee pollen in China. Journal of Agriculture and Food Chemistry 61: 708-718.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

XAVIER, M. S. A.; NASCIMENTO, J. E. de M.; FELIX, J. A.; MUNIZ, V. I. M. de S.; PEREIRA, J. O. P.; ALVES, J. E. Influência do método de coleta e da pluviometria na produtividade de pólen apícola na Caatinga. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 4, p. 440 - 445, 2020. DOI: 10.5965/223811711942020440. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/17457. Acesso em: 8 jun. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Animais e Produtos Derivados