Edições anteriores

  • Foto da capa: Espetáculo Desde el azur, de Inés Pasic. Fotógrafo: Jesús Atienza.

    A atuação das mulheres no Teatro de Animação
    v. 2 n. 23 (2020)

    Mesmo que personagens femininas permeiem o universo do Teatro de Bonecos popular, por que em muitas culturas o ofício de quem anima ainda é predominantemente exercido por homens, como ocorre no Karaghiozis, no Wayang e no Mamulengo, por exemplo? Assim, onde e como podemos encontrar as mulheres inseridas no grêmio dos animadores? Como elas subverteram/subvertem essa ordem? Seja na transmissão familiar, seja no ensino, na construção, na dramaturgia, na direção ou na produção: a mulher aparece em diferentes graus de visibilidade em todos os processos relativos ao teatro de figuras animadas. Quem são essas mulheres? De que modo impactaram/impactam a evolução e a coesão dos espaços de transmissão e promoção da arte bonequeira? Quais são as mulheres que atuam hoje no Teatro de Animação? Quais mulheres estão sendo representadas, e como? Quais são os desafios assumidos pelas bonequeiras? Que situações traspassam os diversos corpos das mulheres na cena animada em tempos de tecnologias da presença e lutas por direitos sobre o próprio corpo? Que resistências e desafios enfrentam no plano profissional? Que espaços são mantidos ou conquistados? Com respeito às próprias lutas das mulheres, em nível mundial, em clamor à justiça de gênero, segurança, saúde e equidade: Como o Teatro de Animação dialoga com essas questões? Que articulações, representações e poéticas emergem das produções de mulheres e sobre mulheres? Esperamos que estas provocações instiguem a reflexão em diferentes perspectivas dentro da temática proposta.  
  • Censura e transgressão no Teatro de Animação
    v. 1 n. 22 (2020)

    O Teatro de Animação (seja por meio dos bonecos, das máscaras, das sombras ou outro modo de animação) tem demonstrado historicamente sua dimensão política por meio da crítica social, denúncia das injustiças e sátira ao poder abusivo: possui a inconformidade em sua verve, manifestando-se transgressivamente. A própria existência da figura animada se proclama subversiva ante a condição inanimada da matéria que a constitui. Ao mesmo tempo em que essa expressão artística pode servir como difusão de ideias e manipulação de opiniões, também pode se apresentar como oposição e resistência ao poder e à ideologia dominante.Face ao seu poder de comunicar e instigar o livre pensamento, como a sociedade tem se comportado em relação ao Teatro de Formas Animadas? Como a história o tem aceitado ou calado?Localizando essa temática, quanto se pode dizer em respeito à América Latina, e de modo geral, aos territórios pós-coloniais periféricos denominados “em desenvolvimento”? Quais são as margens em que o boneco transita? Como são marginalizados? De que forma a sátira e o riso contestatório ameaçam o status quo? De que modo esta arte age na trama social e que efeitos pode provocar? Por que ela pode ser perigosa para a autoridade e que tipo de repressões (censura, tabu, discriminação) sofre? Pode haver falta de reconhecimento da profissão e dificuldades de apresentar-se nos espaços oficiais e públicos em função do preconceito? De quantas maneiras (e quais) o controle e o silenciamento talharam a fisionomia (dramaturgias, técnicas e temas) do Teatro de Formas Animadas? Convidamos os autores, neste número, a levantar essas e outras questões sobre repressão e censura, mas também sobre a resistência cultural associada à prática com Teatro de Animação. 
  • Formação no Teatro de Animação contemporâneo: encenação e processos de criação
    v. 2 n. 21 (2019)

    Esta edição apresenta um dossier das conferências realizadas no 3o. PRO-VOCAÇÃO - Encontro Internacional sobre Formação no Teatro de Animação, de 15 à 20 de maio de 2019, em Florianópolis, Brasil. No encontro, dedicado à Encenação e diversidade de processos de criação teatral no Teatro de Animação, foram discutidos importantes tópicos, tais quais: A definição do encenador e de suas funções na contemporaneidade, o ensino da encenação em relação com a diversidade de processos criativos e com 
a diversidade de formas dramatúrgicas. 
a (s) pedagogia (s) da encenação e sua resposta à criação e construção do 
espetáculo e a dimensão que ocupa a imagem visual no espetáculo contemporâneo, suas funções na dramaturgia do espetáculo e a relação com as novas tecnologias. 


     


  • O Teatro de Animação na sala de aula
    v. 1 n. 20 (2019)

    O Teatro de Animação, por suas características lúdicas, e pela possibilidade de expandir a experiência conectando variados campos de conhecimento, é uma eficaz prática na sala de aula, aproximando crianças, jovens e adultos do contato com o manuseio da relação entre matéria, corpo e signos para a expressão de ideias e sentimentos. O acesso ao conhecimento (e ao autoconhecimento) por meio da experiência estética em múltiplas linguagens artísticas, dimensiona a arte da animação como um importante ferramental pluridisciplinar.

    Nesta edição, pretendemos investigar esse tema, bem como almejamos refletir sobre o conteúdo e a atuação docente, tanto nas escolas e nas universidades como dentro dos grupos teatrais, seja no Brasil ou em outros países.

     

  • Voz e fala no Teatro de Animação
    v. 1 n. 19 (2018)

    Na percepção da animação teatral, a qualidade da voz e da fala cumpre importante papel e, junto ao movimento e à forma, compõe o tripé elementar para acionar a imaginação da autonomia do objeto. A voz e a fala, como limites a serem transpostos, podem se apresentar como invocação, como estado de permanência no mundo, podendo emanar sentimentos por meio de sua intangibilidade. Mas que voz e que fala são estas, uma vez que o corpo do boneco é um corpo inumano, estranho? Que sons, articulados ou não pelo ator/atriz, podem representar, expressar a ideia desses corpos ficcionados na cena? E também, que consequências a repressão e/ou a supressão da voz e da fala podem provocar no espetáculo?

    Nesta edição da revista, provocamos os autores(as) e os leitores(as) a refletirem sobre essas e outras questões.

     

  • Teatro de Formas Animadas para crianças e jovens
    v. 2 n. 18 (2017)

    A ideia desta edição n.18 da Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas é reunir um conjunto de pesquisadores(as) e de artistas de diferentes contextos culturais que, com suas vozes, qualificam o debate sobre o teatro feito para crianças e jovens. Para isso, contamos com a valiosa colaboração das autoras e autores Anibal Pacha (Belém do Pará-Brasil); Carlos Martínez (Buenos Aires-Argentina); Federica Ferrari (Gubbio-Itália); Henrique Sitchin (São Paulo-Brasil); Humberto Braga (Rio de Janeiro - Brasil); Leidson Ferraz (Recife-Brasil); Liliana Pérez Recio (La Habana-Cuba); Maria Helena Kühner (Rio de Janeiro-Brasil); Miguel Vellinho (Rio de Janeiro-Brasil); Paco Parício (Binéfar-Espanha) e Paulo Fochi (São Leopoldo-Brasil).
  • Corpos no Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 17 (2017)

    A presente edição da Revista Móin-Móin, de nº 17, objetiva
    reunir artigos sobre o Teatro de Formas Animadas contemporâneo numa perspectiva em que tanto o corpo do ator animador quanto o corpo do boneco/marionete em suas diferentes manifestações sejam o centro das reflexões. Para tanto, contamos com a inestimável colaboração das autoras e autores Alex de Souza (Florianópolis - Brasil); Amábilis de Jesus (Curitiba, PR); Cássia Macieira (Belo Horizonte - Brasil); Duda Paiva (Amsterdam - Holanda); Flávia Ruchdeschel D’ávila (São José dos Campos - Brasil); Juliana Notari (São Paulo - Brasil); Igor Rovisco Gandra (cidade do Porto - Portugal); Joëlle Noguès (Toulouse - França); e Marta Lantermo (Buenos Aires - Argentina).

  • Pesquisa no Teatro de Formas Animadas
    v. 2 n. 16 (2016)

    A Móin-Móin – Revista de Estudos sobre Teatro de Formas
    Animadas, nesta edição de nº 16, elegeu o tema: Pesquisa no Teatro de Formas Animadas. A proposta é explorar e aprofundar a ideia de pesquisa como investigação e produção de conhecimentos, de saberes indispensáveis para a prática e para a reflexão teatral. O ingresso do teatro de bonecos nas Universidades brasileiras é relativamente recente, se inicia na metade da década de 1970 e vai se expandindo de modo significativo, sobretudo a partir dos anos 2000. A pesquisa vinculada aos Programas de Pós-Graduação em Teatro de Formas Animadas é ainda mais recente. No entanto, já é possível registrar um movimento consistente e relevante, de modo a nortear a discussão na presente edição da Revista.

    Nesta edição, contamos com a valiosa colaboração de Cariad Astles, da Universidade de Londres (Inglaterra); Cristina Grazioli, da Università di Padova (Itália); Francisco J. Cornejo, da Universidad de Sevilla (Espanha); Horacio Tignanelli, da Compañía Teatral Ad Hoc, de Buenos Aires (Argentina); José Alberto Ferreira, da Universidade de Évora (Portugal); Kathy Foley, da Universidade da Califórnia, Santa Cruz (EUA); Mario Piragibe, da Universidade Federal de Uberlândia– UFU (Minas Gerais – Brasil); Philippe Choulet, da Université de Strasbourg (França); Camila Landon Vío e Valeria Correa Rojas, daCompañía OANI de Teatro, Valparaíso (Chile) e Patrice Freytag, da Université Laval (Quebec – Canadá).

  • Teatro de Bonecos – patrimônio cultural imaterial
    v. 1 n. 15 (2016)

    A edição da Revista Móin-Móin n˚15 reúne textos em torno
    do tema: Teatro de Bonecos – patrimônio cultural imaterial. O grande motivador da organização deste número foi, sem dúvida, o registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste – Mamulengo, Babau, João Redondo e Cassimiro Coco – como Patrimônio Cultural do Brasil, cujo reconhecimento se deu no mês de maio de 2015 junto ao IPHAN – Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, órgão do Ministério da Cultura.

     

  • Filosofias da Formação Profissional no Teatro de Formas Animadas
    v. 2 n. 14 (2015)

    Esta edição n˚ 14 tem como tema central: Filosofias da Formação Profissional no Teatro de Formas Animadas e foi elaborada em conjunto com a Comissão de Formação Profissional da UNIMA – Union Internationale de la Marionnette.

    Para a presente edição da Móin-Móin, reunimos estudos de 13 pensadores que abordam de modo peculiar diferentes facetas dos problemas relacionados à formação em teatro de formas animadas. São textos de artistas, pesquisadores, pedagogos do teatro, profissionais que se dedicam à formação profissional em diferentes contextos e culturas: Boris Goldovsky (Rússia); Fabrizio Montecchi (Itália); Greta Bruggeman (França); Hadas Ophrat (Israel); Henryk Jurkowski (Polônia); Irina Niculescu (Estados Unidos); John Bell (Estados Unidos); Lucile Bodson (França); Marek Waszkiel (Polônia); Marthe Adam (Canadá); Nicolas Gousseff (França); Tito Lorefice (Argentina); Tan Zhiyuan e Wang Xiaoxin (China).

  • Memórias do Teatro de Bonecos Brasileiro
    v. 1 n. 13 (2015)

    A Móin-Móin – Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, nesta edição, nº 13, elege o tema: Memórias do Teatro de Bonecos Brasileiro. É uma edição sobre a memória de artistas que dedicam suas vidas a esta arte e trabalham com as diferentes manifestações do que nós no Brasil denominamos de Teatro de Bonecos, Teatro de Formas Animadas ou Teatro de Animação.

    Conseguimos reunir textos sobre o percurso de 12 artistas: Ana Maria Amaral, Ângela Belfort, Antônio Carlos Sena, Clorys Daly, Fernando Augusto Gonçalves Santos, Humberto Braga, Ilo Krugli, Lúcia Coelho5, Marcos Ribas, Maria do Carmo Vivacqua Martins – Madu, Olga Romero, Tácito Borralho. Decidimos também pela inclusão de um texto especial sobre a história do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste Brasileiro com destaque para impressões de artistas sobre as origens da brincadeira e as memórias de seus próprios percursos. A inclusão deste estudo na presente edição da Móin-Móin ganha relevância por serem nossos artistas populares herdeiros diretos dos precursores dessa arte em nosso país.

    Contamos com artigos de autoria de Aldo Leite, Amábilis de Jesus, Ana Pessoa, Humberto Braga, Izabela Brochado, Luiz André Cherubini, Karen Acioly, Marcondes Lima, Miguel Vellinho, Paulo Balardim e Wagner Cintra. No conjunto dos
    escolhidos, duas artistas selecionadas preferiram, elas mesmas, escrever sobre suas memórias: Clorys Daly e Madu (do Grupo Giramundo).

  • Visualidades no Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 12 (2014)

    A Revista Móin-Móin nº 12 tem como tema: Visualidades no Teatro de Formas Animadas. Visualidades são compreendidas como poéticas que se manifestam a partir de múltiplas referências, e nessa direção o espectador é seu partícipe e construtor. A edição discute a temática prioritariamente em duas perspectivas. A primeira diz respeito aos elementos constitutivos da encenação teatral tais como o espaço, o cenário, o figurino, a iluminação, o desenho e a manipulação dos bonecos, dos objetos e das formas animadas; também se incluem nessa perspectiva as sonoridades que remetem ou sugerem contextos, ambientes e geografias; os recursos tecnológicos e midiáticos cada vez mais presentes na cena. A segunda perspectiva, indissociada da primeira, pretende abordar “visualidades” para além de um conjunto integrado e harmônico de imagens. Interessa discutir o conceito ampliando-o para a dimensão de sensorialidades, contemplando as ambiguidades produzidas pelas associações, memórias e inusitadas formas de conhecimento presentes em manifestações teatrais contemporâneas. São colaboradores nesta edição: Didier Plassard (França); Blanca Felipe Rivero (Cuba); Yudd Favier (Cuba); François Delarozière (França); e os colaboradores do Brasil Sônia Lúcia Rangel, Amábilis de Jesus da Silva, Fátima Costa de Lima, Wagner Cintra, Ana Maria Amaral, Rafael Curci, Catin Nardi.

  • Teatro de Títeres na América Latina
    v. 2 n. 11 (2013)

    Móin-Móin – Revista de Estudos sobre Teatro de Formas
    Animadas, nesta edição Nº 11, elegeu como tema “Teatro de Títeres na América Latina”. A abrangência territorial, a complexidade dos diferentes contextos sociais e culturais, as peculiaridades com que esta arte é produzida nos Continentes (América do Sul, América do Norte, Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas MÓIN-MÓIN América Central e Caribe); e as diferentes bordagens de temas suscitados pelas questões anteriormente levantadas exigiram a definição de um recorte temático: crises e transformações no teatro de títeres na América Latina. O propósito é refletir sobre as diferentes maneiras como esta arte é produzida nos países de língua latina; identificar mudanças na poética dos espetáculos que, certamente, refletem o contexto social em que essa arte é produzida; analisar tensões como tradição e contemporaneidade; discutir a presença do ator animador na cena e seus desdobramentos, bem como a urgência na recuperação da memória desta arte.

    Nesta edição, de nº 11, reunimos dezoito artigos provenientes de 13 países: Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, México, Peru, Porto Rico, Uruguai, Venezuela e Brasil. Possivelmente este é, até o momento, o dossiê mais completo sobre Teatro de Títeres na América Latina. Desconhecemos a existência de publicação com tal conjunto de textos que reflita de modo rigoroso e abrangente o tema.

  • Encenação Teatral
    v. 1 n. 10 (2013)

    A edição nº 10 da Revista Móin-Móin escolheu o tema: Encenação Teatral. Diversas razões justificam a escolha, porém retomar rapidamente a recente história do Teatro de Formas Animadas em nosso país pode dar a dimensão da necessidade e urgência de discutir o tema.

    Neste edição contamos com a colaboração dos diretores teatrais: Irina Niculescu, de Cincinnati, Estados Unidos; Joan Baixas, do Institut del Teatre de Barcelona, Espanha; I Nyoman Sedana, do Indonesian Arts Institute, de Denpasar, Bali; Yael Rassoly, de Jerusalém, Israel; Claire Dancoisne, do Théâtre La Licorne, de Lille, França; Ilka Schönbein, do Theater Meschugge, com sede em Paris; André Laliberté, do Théâtre de l’OEil, Quebec, Canadá; Frank Soehnle, do Figuren Theater Tübingen, da cidade de Tübingen, Alemanha; Maria Grazia Cipriani, do Teatro Del Carretto, de Lucca, Itália; Paco Parício, de Los Titiriteros de Binéfar, da cidade de Binéfar, Espanha; e dos brasileiros Luiz André Cherubini, do Grupo Sobrevento, de São Paulo; Venício Fonseca, do Grupo Moitará, do Rio de Janeiro; e José Ronaldo Faleiro, da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis.

  • Teatro de Sombras
    v. 1 n. 09 (2012)

    A Revista Móin-Móin N.9 tem como tema central o Teatro
    de Sombras. Essa é uma das mais antigas manifestações teatrais do Oriente, notadamente em países como Índia, Indonésia, Tailândia, Sri Lanka e China. Certamente por isso, durante muito tempo, tanto na Europa quanto no Brasil, o Teatro de Sombras foi conhecido como Sombras Chinesas.
    O interesse por essa arte vem crescendo de modo significativo no Brasil nos últimos anos. Isso é possível confirmar quando se observa a existência de grupos dedicados a ela em diferentes Estados do país. Em São Paulo, os trabalhos da Companhia Quase Cinema, o Grupo Sombras e Lendas e a Companhia Fios de Sombra; em Curitiba, o Grupo Karagowzk; em Porto Alegre, a Companhia Lumbra Teatro de Animação exemplificam a trajetória de grupos que dedicam prioritariamente suas encenações ao Teatro de Sombras. Registra-se também quantidade expressiva de grupos que trabalham eventualmente com essa arte, seja montando um espetáculo para integrar seu repertório, seja incluindo cenas de sombras em suas montagens.

    A Revista reúne ainda, três textos pautados em recente pesquisas efetuadas na UnB e na UDESC. O estudo de Francisco Guilherme de Oliveira, Fabiana Lazzari de Oliveira e Emerson Cardoso Nascimento.

  • Dramaturgias no Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 08 (2011)

    A Móin-Móin – Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, em sua oitava edição, elege como tema central: Dramaturgias no Teatro de Formas Animadas. O assunto é instigante e colabora para preencher a lacuna que, todavia, persiste nos crescentes estudos sobre Teatro de Formas Animadas no Brasil. Se hoje já podemos registrar importantes esforços de diversas universidades brasileiras na realização de pesquisas sobre os diferentes aspectos que abrangem este campo de conhecimento, ainda são poucos os estudos dedicados a dramaturgia em nosso país. 

    A diversidade de abordagens sobre o tema Dramaturgias e os diferentes contextos de sua criação podem ser vistos nos estudos dos colaboradores estrangeiros: Mauricio Kartun, dramaturgo e professor na Universidad de San Martín, em Buenos Aires, Argentina; John Bell, professor na New York University, Estados Unidos; Didier Plassard, professor na Université Paul Valéry, Montpellier III, França; Christine
    Zurbach, professora na Universidade de Évora, Portugal; Toni Rumbau, titeriteiro e diretor teatral em Barcelona, Espanha; Miguel Oyarzún Perez, titeriteiro no Teatro El Chonchón, de Córdoba, Argentina.

  • Cenários da Criação do Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 07 (2010)

    A edição Nº 7 da Revista Móin-Móin pretende refletir sobre o
    que vêm sendo produzido no teatro de formas animadas no Brasil nos dez primeiros anos do século XXI. A idéia é pensar sobre processos de criação, ações formativas/eventos, e mudanças que vêm acontecendo em diferentes contextos brasileiros. Estudar este tema é fundamental porque é possível registrar, neste período de 2000 a 2009 no Brasil, um conjunto de atividades e iniciativas sobre o teatro de formas animadas que merecem reflexão tais como: a multiplicação de festivais e eventos que tem dado grande visibilidade a essa arte; o fortalecimento e a consolidação do trabalho de grupos de teatro revelando o aprofundamento e o domínio da linguagem do teatro de animação; a hibridação de espetáculos que, cada vez mais, rompem as fronteiras do teatro de bonecos; a “contaminação” do teatro de atores com elementos da linguagem do teatro de animação.
    Ao mesmo tempo, o mercado, as leis de fomento à produção
    e à circulação de espetáculos pelo Brasil, oferecem benefícios e impõem exigências, o que remete a pensar sobre em que medida isso interfere nos processos criativos dos artistas e dos grupos.

  • Formação Profissional no Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 06 (2009)

    A presente edição da revista Móin-Móin reune estudos sobre as variadas maneiras como se processa a formação profissional do artista que trabalha com essa arte ou do jovem artista que opta pela profissão de ator no Teatro de Formas Animadas.

     A diversidade de perspectivas e enfoques pode ser observada nos estudos efetuados pelos brasileiros Magda Modesto e Humberto Braga, Ana Maria Amaral, Paulo Balardim , José Parente, Felisberto Costa, Cíntia de Abreu, Henrique Sitchin e pelos pesquisadores e professores estrangeiros Marek Waszkiel (Polonia), Ana Alvarado (Argentina), Claire Heggen (França) e Margareta Niculescu (EUA).

  • Teatro de Formas Animadas e suas relações com as outras artes
    v. 1 n. 05 (2008)

    Os textos reunidos nesta edição sob a temática “O teatro de formas animadas e suas relações com as outras artes” possibilitam perceber, de um lado, as transformações ocorridas no modo de pensar e praticar essa arte nos últimos anos e, de outro, a importância do teatro de animação no teatro contemporâneo.

    Os autores desta edição são: Brunella Eruli (Itália), Luiz Fernando Ramos (Brasil), Cariad Astles (Inglaterra), Darci Kusano (Brasil), Philippe Genty (França), Joan Baixas (Espanha), John Bell (EUA), Aleksander Sasha Dundjerovic (Inglaterra), Renato Machado (Brasil) Marcos Magalhães (Brasil), Ana Maria Amaral (Brasil) e Leszek Madzik (Polônia).

  • Teatro de Formas Animadas Contemporâneo
    v. 2 n. 04 (2007)

    Nesta quarta edição, “Teatro de Formas Animadas Contemporâneo”, a Revista Móin-Móin espelha nos artigos reunidos o compromisso com o saber e a pesquisa no ambiente universitário, bem como com o percurso sistematizado de criações de grupos teatrais cujas idéias destacam seus processos criativos e concepções sobre esta arte.

    Os textos contemplam perspectivas diferenciadas sobre o Teatro de Formas Animadas Contemporâneo, mostrando a fecundidade das abordagens, problematizações e reflexões presentes na discussão deste tema. Essa diversidade foi enriquecida pela junção de colaboradores nacionais e internacionais, entre eles: José Ronaldo Faleiro, Felisberto Sabino da Costa, Mario Piragibe, Osvaldo Gabrieli,  Humberto Braga, Dominique Houdart (França), Hadas Ophrat, (Israel), Fabrizio Montecchi (Itália), Jorge Dubatti (Argentina), Gerardo Bejarano (Costa Rica), Penny Francis (Inglaterra) e Béatrice Picon-Vallin (França).

  • Teatro de Bonecos Popular Brasileiro
    v. 1 n. 03 (2007)

    Na terceira edição, estudos sobre várias expressões cênicas populares que florescem nos estados brasileiros são apresentados por diferentes pesquisadores. Um mergulho nas formas de teatro de bonecos praticadas por artistas do povo e seus personagens: Mamulengo, Casemiro Coco, João Redondo, João Minhoca, Calunga, Cavalo Marinho, Boi-de-Mamão, Bumba-Meu-Boi etc. Esta edição também homenageia o Mestre Chico Daniel, falecido no dia 3 de março do ano de 2007. As reflexões sobre o Teatro de Bonecos Popular no Brasil são feitas por Fernando Augusto Gonçalves Santos, Izabela Brochado, Adriana Schneider Alcure, Mariana de Oliveira, Altimar Pimentel, Ricardo Canella, Tácito Borralho, Valmor Níni Beltrame, Milton de Andrade e Samuel Romão Petry. O Kasperle — teatro de bonecos popular alemão que emigrou para as cidades de Pomerode e Jaraguá do Sul, em Santa Catarina — aparentemente “fora de lugar” é apresentado por Ina Emmel e Mery Petty, que dedica seu texto à marionetista Margarethe Schlünzen, a Sra. Móin-Móin.

  • Tradição e Modernidades no Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 02 (2006)

    Com o objetivo de divulgar as pesquisas artísticas realizadas pelos grupos de teatro e as reflexões teórico-práticas produzidas nas universidades, o segundo número da Móin-Móin – Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas traz a tona o tema Tradição e Modernidade no teatro de formas animadas. A única publicação do gênero no país reafirma o caráter da tradição na contemporaneidade e acredita na diversidade, mesclando convidados internacionais com artigos que valorizam a tradição popular brasileira.Marco Souza, John McCormick, Glyn Edwards, Conceição Rosière, Christine Zurbach, Tito Lorefice, Izabela Brochado, Marcos Malafaia e Wagner Cintra.
  • O ator no Teatro de Formas Animadas
    v. 1 n. 01 (2005)

    Este primeiro número é dedicado ao trabalho do ator no Teatro de Formas Animadas, trazendo parte substancial das comunicações apresentadas no 2o. Seminário de Pesquisa,  ocorrido durante o Festival Internacional de Teatro de Formas Animadas de Jaraguá do Sul (SC) realizado em parceria da UDESC com a SCAR - Sociedade Cultura Artística, de Jaraguá do Sul, em agosto de 2005.

    Os oito textos que compõem a edição são assinados por: Ana Maria Amaral; Felisberto Sabino da Costa; Valmor Nini Beltrame; Teotônio Sobrinho; José Parente; Chico Simões; Maria de Fátima de Souza Moretti e Miguel Vellinho.