Mamulengo e história de vida: entrecruzamentos que ensinam

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2595034702232020044

Palavras-chave:

teatro de bonecos popular, mamulengo, tradição, mulheres, História Oral

Resumo

Este artigo é uma reflexão sobre o trabalho de campo que desenvolvemos durante o curso de Mestrado e Artes Cênicas na Universidade de Brasília (UnB) no ano de 2017. O assunto abordado na dissertação era sobre as novas gerações de brincantes de Mamulengo do gênero feminino da cidade de Glória do Goitá (PE). O Mamulengo é uma brincadeira de teatro de bonecos popular de Pernambuco e como tradição oral, é permanentemente ressignificado por seus produtores. A brincadeira permite a participação e o diálogo com o público. A relação é dinâmica, se realiza no fortalecimento da identidade das comunidades que por meio da brincadeira explicitam, expressam e denunciam valores, informam suas visões de mundo, seus desejos, experiências individuais e coletivas. O que apresentamos aqui é um recorte da história da mamulengueira Cida Lopes que, por meio da arte que expressa e das narrativas pessoais que conta, nos apresenta uma dimensão política sobre como são perpetuadas as relações de poder e violência na identidade da mulher nordestina negra.

Biografia do Autor

Barbara Duarte Benatti, Universidade de Brasília

Possui graduação em Administração com ênfase em Hotelaria pelo Instituto de Educação Superior de Brasília (2005), graduação em Educação Artística: Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (2008), especialização em Hotelaria Hospitalar pela Universidade de Brasília (2009) e mestrado em Artes Cênicas na mesma instituição (2017). Atualmente é professora da Faculdade Cambury-GO.

Izabela Costa Brochado, Universidade de Brasília

Possui graduação em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília (1982), mestrado em História pela Universidade de Brasília (2001), doutorado em Drama Studies pelo Trinity College - University of Dublin (2006) e Estágio Sênior no CENTRO DE HISTÓRIA DA ARTE E INVESTIGAÇÃO ARTÍSTICA - CHAIA - Universidade de Évora (2017), realizado graças à bolsa da CAPES, Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. É professora Associada do Departamento de Artes Cênicas, Instituto de Artes da Universidade de Brasília, onde atua na graduação e pós-graduação das áreas de Pedagogia do Teatro, Teatro de Formas Animadas, Culturas tradicionais e patrimônio imaterial. Concentra a sua atuação nos seguintes temas: teatro de bonecos, cultura brasileira, tradição e memória. É diretora e atriz bonequeira, com parcerias co grupos de teatro de bonecos nacionais e internacionaisa, mas principalmente com a Companhia Trapusteros Teatro (Brasil-Espanha).

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2004.

ALCURE, Adriana Schneider. Mamulengos dos Mestres Zé Lopes e Zé de Vina: etnografia e estudo de personagens. Dissertação (Mestrado em Teatro) - Centro de Letras e Artes. Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, UNIRIO, 2001.

ALCURE, Adriana Schneider. A Zona da Mata é rica de cana e brincadeira: uma etnografia do Mamulengo. Tese (Doutorado em Ciências Humanas) - Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, UFRJ, Rio de Janeiro, 2007.

BARROSO, Maria Helenice; BARROSO, Maria Veralice. História Oral, Memória e Cidadania. In: COSTA, Cléria Botêlho; LONGO, Clerismar Aparecido; BARROSO, Eloísa Pereira (Orgs.). História oral e metodologia de pesquisa em História: Objetos, Abordagens, Temáticas. Jundiaí, Paco Editorial: 2016.

BENATTI, Barbara D. Mulheres Mamulengueiras – um Estudo de Caso em Glória do Goitá-PE. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas) – Programa de Pós-Graduação em Artes Cênicas, Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

LAROSSA, Jorge Bondía. Tremores: escritos sobre experiência. Tradução Cristina Antunes, João Wanderley Geraldi. 1ªed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

BORBA FILHO, Hermilio. Fisionomia e espírito do Mamulengo. São Paulo: brasiliana, volume 332. Companhia Editora Nacional: São Paulo, 1966.

BROCHADO, Izabela. Distrito Federal: o Mamulengo que mora na cidade, 1990-2001. 113 f. Dissertação (Mestrado em História) –Instituto de Ciências Humanas, Universidade de Brasília, Brasília, 2001.

BROCHADO, Izabela. Mamulengo Puppet Theatre in the Socio-Cultural Context of Twentieth-Century Brazil. Tese (Doutorado em Teatro em Filosofia) - Samuel Beckett School of Drama. Trinity College University of Dublin, Ireland, 2005.

BROCHADO, Izabela. Dossiê Interpretativo: Registro do Teatro de Bonecos Popular do Nordeste, Mamulengo, Cassimiro Coco, Babau e João Redondo como Patrimônio Cultural do Brasil. Brasília: Minc; Iphan; UnB; ABTB, 2014.

CARRICÓ, André. A poética cômica do Mamulengo: aspectos de uma comicidade brincante. In: Moringá-Artes do Espetáculo. João Pessoa, V.6 N.2 jul-dez 2015.

CUNHA, Jorge Luiz; MACHADO, Alexsandro dos Santos. Sujeitos que lembram: História Oral e Histórias de Vida. In: História da educação. ASPHE/Fae/ UFPel, Pelotas. Nº 14, p. 63-77, set. 2003.

DUTRA, Patrícia Angélica. Trajetórias de criação do Mamulengo do Professor Benedito em Chão de Estrelas e mais além. Dissertação (Mestrado em Teatro) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 1998.

FREIRE, Paulo. Ação cultural para a liberdade. 6ª ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra. 1982.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação – Episódios de racismo cotidiano. 1ª ed. Rio de Janeiro: Combogó, 2019.

LOPES, Cida. Entrevista concedida a Barbara Benatti, no Ateliê da Família Lopes, Glória do Goitá (PE). Outubro, 2016.

PIMENTEL, Altimar. O mundo mágico de João Redondo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Minc-INACEN, 1971.

RIBEIRO, Kaise Helena. A dialogicidade no Mamulengo Riso do Povo: interações construtivas da Performance. 2010. 186 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade de Brasília – Unb. Brasília, 2010.

SANTOS, Fernando Augusto Gonçalvez. Mamulengo: um povo em forma de bonecos. Rio de Janeiro, FUNARTE, 1979.

Downloads

Publicado

2020-12-18

Como Citar

BENATTI, B. D.; BROCHADO, I. C. Mamulengo e história de vida: entrecruzamentos que ensinam. Móin-Móin - Revista de Estudos sobre Teatro de Formas Animadas, Florianópolis, v. 2, n. 23, p. 044-064, 2020. DOI: 10.5965/2595034702232020044. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/moin/article/view/16627. Acesso em: 28 jul. 2021.