A branquidade conservadora de Vogue Brasil no século XXI

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1982615x08162015037

Palavras-chave:

autoexotismo, vogue Brasil, branquidade

Resumo

A presente reflexão é parte integrante de recente pesquisa doutoral interdisciplinar sobre a produção imagética, narrativa e discursiva de uma branquidade conservadora nas páginas do periódico de alta moda e prêt-à-porter de luxo Vogue Brasil. Questões teórico-metodológicas inseridas notavelmente nos campos dos estudos culturais, de gênero e pós-coloniais são articuladas por meio de uma análise qualitativa de dois editoriais de moda, publicados nos anos de 2007 e 2008 e apontam para o “autoexotismo” da natureza e de nossa cultura popular – marcado simbolicamente pela primazia do corpo [branco] feminino, considerando-se ainda a legitimação de vozes produtoras de discursos de competência e renovação constante, bem como o cruzamento da violência simbólica racial com outras formas de dominação (de classe e de gênero/sexual).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BENTO, Maria Aparecida Silva. Branqueamento e branquitude no Brasil. In: BENTO, M. A. S.; CARONE, Iray (Orgs.). Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. p. 25-57.

BOUAMAMA, Saïd; CORMONT, Jessy; FOTIA, Yvon (Dir.). Dictionnaire des dominations de sexe, de race, de classe. Collectif Manouchian. Paris: Éditions Syllepse, 2012.

BOURDIEU, Pierre. Questions de sociologie. Paris: Minuit, 1988.

______. La domination masculine. Paris: Le Seuil, 1998.

______. A distinção: crítica social do julgamento. Tradução de Daniela Kern; Guilherme J. F. Teixeira. São Paulo: Edusp; Porto Alegre: Zouk, 2007.

BURKE, Peter. Testemunha ocular. Bauru: EDUSC, 2004.

DENNISON, Stephanie. Blonde Bombshell: Xuxa and Notions of Whiteness in Brazil. Journal of Latin American Cultural Studies, 2013, Travesia, 22:3, 287-304, . Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1080/13569325.2013.804810>. Acesso em 22/01/2014.

FALCÃO, Daniela. Ponto de vista. Vogue Brasil. São Paulo, Carta Editorial, n. 341, 2007a.

______. Classe à beira-mar. Vogue Brasil. São Paulo, Carta Editorial, n. 341, 2007b.

______. Ponto de vista. Vogue Brasil. São Paulo, Carta Editorial, n. 354, 2008.

FRY, Peter. Para inglês ver. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

GARCIA, Tânia da Costa. O "it verde e amarelo" de Carmen Miranda (1930-1946). São Paulo: Annablume; Fapesp, 2004.

GIACOMINI, Sonia Maria. Beleza mulata e beleza negra. Estudos Feministas. Florianópolis, ano 2, 2o semestre/1994.

HALL, Stuart. Identités et cultures 2. Politiques des différences. Paris: Éditions Amsterdam, 2013.

HOBSBAWN, Eric. Introdução: a invenção das tradições. In: HOBSBAWN, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

JOLY, Martine. Introdução à análise da imagem. Campinas: Papirus, 1996.

KEBABZA, Horia. «« L’universel lave-t-il plus blanc ? » : « Race », racisme et système de privilèges », Les cahiers du CEDREF [En ligne], 14 | 2006. Disponível em: <http://cedref.revues.org.gate3.inist.fr/428>. Acesso em 13/10/2013.

LEITÃO, Débora Krischke. Brasil à moda da casa: imagens da nação na moda brasileira contemporânea. Tese de Doutorado (Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social) –Instituto de Filosofia e Ciências Humanas –Universidade Federal do Rio Grande do Sul: Porto Alegre, 2007. 373 p.

MURARI, Luciana. O culto da diferença: imagens do Brasil entre exotismo e nacionalismo. Revista de História, 141 (1999), 45-58.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Cuidados de si e embelezamento feminino: fragmentos para uma história do corpo no Brasil. In: SANT’ANNA, Denise B. de (Org.). Políticas do corpo. São Paulo: Estação Liberdade, 1995. p. 121-139.

SEGALEN, Victor. Essai sur l’exotisme. Paris: LGF, 1996.

VENTURA, Roberto. Estilo tropical: história cultural e polêmicas literárias no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

VILLAÇA, Nízia. Mixologias: comunicação e o consumo da cultura. SP: Estação das Letras e Cores, 2010.

VOGUE BRASIL. São Paulo, Carta Editorial, n. 341, 2007.

______. São Paulo, Carta Editorial, n. 354, 2008.

Downloads

Publicado

2015-07-01

Como Citar

NOVELLI, Daniela. A branquidade conservadora de Vogue Brasil no século XXI. Modapalavra e-periódico, Florianópolis, v. 8, n. 16, p. 037–49, 2015. DOI: 10.5965/1982615x08162015037. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/1982615x08162015037. Acesso em: 19 abr. 2024.