Considerações sobre currículo, diversidades e ações afirmativas no espaço acadêmico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630332019149

Resumo

O presente artigo analisa possíveis interseções entre currículo, diversidades e ações afirmativas no espaço acadêmico; tendo como ponto de partida os novos sujeitos, presentes no espaço de instituições públicas de ensino superior, com a institucionalização da política de ações afirmativas por meio das cotas e também via legislação: lei 10.639/2003 - 11645/2008. São corpos, culturas, valores e identidades circulando num espaço e tempo que antes era de certo modo restritivo para estes novos sujeitos. Surgem com as ações afirmativas, no sentido de superar desigualdades, que tem se mantido para alguns indivíduos, como raça, sexo, deficiência, influindo sobremaneira na definição de oportunidades no ingresso e desempenho educacional, no mercado de trabalho, no progresso na carreira e na participação na vida política e de gestão pública. As reflexões foram norteadas com base na bibliografia e documentos sobre o tema. Como resultado observa-se um campo em constantes disputas entre as construções, desconstruções do currículo normatizado e as alterações epistemológicas na produção de conhecimento nos diferentes cursos de formação universitária.

Biografia do Autor

Maria Aparecida Clemencio, Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC), Florianópolis, SC

Possui Graduação em Pedagogia pela Fundação Educacional do Sul de Santa Catarina (1985), Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2000) e Doutorado em Educação pela Universidade do Estado de Santa Catarina (2017).  Filiada à BPN - Associação de Pesquisadoras e Pesquisadores Negras e Negros.

Referências

CARVALHO, Jorge José de. Inclusão Étnica e Racial no Brasil: a questão das cotas no ensino superior. São Paulo, Attar Editorial., 2005.

GOMES, Nilma Lino. Relações étnico-raciais, educação e descolonização dos currículos. In: Currículosem Fronteiras, v.12, n.1, pp.98-109, Jan/Abr. 2012.

Jornal da USP, 07/02/2019. Disponível em: https://jornal.usp.br/atualidades/usp-aumenta-o-numero-de-vagas-para-cotistas/ . Acesso em 20/02/19.

MARÇAL, José Antonio. A formação de intelectuais negros (as): políticas de ação afirmativa nas universidades brasileiras. Belo Horizonte, Nandyala, 2012.

MUNANGA, Kabengele. Considerações sobre as Políticas de Ação Afirmativa no Ensino Superior. In: PACHECO, Jairo Queiroz, SILVA, Maria Nilza da (Org). O negro na universidade: direito à inclusão. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

QUEIROZ. Delcelene Mascarenhas. O Negro e a Universidade Brasileira. Revista História Actual Online, Bahia, n. 3, p.73-82, 2004.

Revista Retratos. IBGE mostra as cores da desigualdade. Disponível em:

https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-de-noticias/noticias/21206-ibge-mostra-as-cores-da-desigualdade. 2018. Acesso em 25/05/2019.

SILVA, Tomaz Tadeu da. “Currículo e identidade social: territórios contestados”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Alienígenas na sala de aula. Petrópolis: Vozes, 1995. p. 190-207.

SILVÉRIO, Valter Roberto. Ação Afirmativa: uma política pública que faz a diferença. In: PACHECO, Jairo Queiroz, SILVA, Maria Nilza da (Org). O negro na universidade: direito à inclusão. Brasília, DF: Fundação Cultural Palmares, 2007.

Downloads

Publicado

2019-11-28

Como Citar

CLEMENCIO, M. A. Considerações sobre currículo, diversidades e ações afirmativas no espaço acadêmico. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 3, n. 3, p. 149 - 159, 2019. DOI: 10.5965/25944630332019149. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/15207. Acesso em: 4 dez. 2021.