Adolescência e juventude: construções e multiplicidades

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317818202327

Palavras-chave:

arte, ensino, juventude, multiplicidade

Resumo

O presente artigo pretende uma reflexão frente ao tema Adolescência e Juventude, bem como de alguns conceitos em torno deste tão relevante assunto e período vivenciado pelo ser humano ao seu próprio modo e em suas distintas condições. Intenta-se aqui, frente aos conceitos em observação, apresentar a juventude, seus dramas, sofrimentos e desafios na contemporaneidade pela ótica de algumas obras do artista plástico norueguês Edward Munch, cujos trabalhos e expressões retratam também a juventude de seus dias, bem como, sua sexualidade, trabalho, vulnerabilidades, seus sofrimentos, desolações e suas paixões. Para isso, utilizam-se bibliografias que transitam em torno dos conceitos de juventude e suas diversidades. Faz-se também o uso iconográfico para reflexões artístico-histórico visando uma aproximação da captura poética e imagética de Munch diante da juventude de seu tempo.  Por último, este trabalho, traz uma rápida discussão sobre a corresponsabilidade institucional e social que temos enquanto sociedade e escola perante nossa juventude, seu desenvolvimento, suas multiplicidades, sexualidades e vulnerabilidades no ambiente escolar e de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Henrique Monteiro da Fonseca, Universidade Federal de Mato Grosso

Mestre em Ensino – linguagens e seus códigos pela Universidade de Cuiabá (UNIC). Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea (ECCO) UFMT; Cuiabá, Mato Grosso; Brasil.

José Serafim Bertoloto, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutor em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC-SP. Docente do Programa de Pós-Graduação em Ensino da Universidade de Cuiabá – (UNIC). Colaborador do Programa de Pós-Graduação em Estudos de Cultura Contemporânea na Universidade Federal de Mato Grosso – (UFMT).

Degmar Francisco dos Anjos, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba

Doutor em Psicologia Social (IFPB); Docente no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba (IFPB); Docente Colaborador Externo no Programa de Mestrado Acadêmico em Ensino do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT) e da Universidade de Cuiabá (UNIC)

Referências

ABRAMO, Helena Wendel. Condição juvenil no Brasil contemporâneo. In: ABRAMO, Helena Wendel; BRANCO, Pedro Paulo Martoni (Orgs.). Retratos da juventude brasileira: Análise de uma pesquisa nacional. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2005 (Reimpressão 2008) p. 37-72.

ANJOS, D. F. Quando três tempos se encontram: sentidos e ressignificações de jovens vivendo com HIV/Aids. Jundiaí, SP: Paco Editorial, 2015. 230p.

AYRES, J. R. de C. M. Vulnerabilidade dos jovens ao HIV/AIDS: a escola e a construção de uma resposta social. In.: SILVA, L. H. (org.). A escola cidadã no contexto de globalização. Petrópolis: Vozes, 1998.

AYRES, José Ricardo Carvalho Mesquita. Práticas educativas e prevenção de HIV/Aids: lições aprendidas e desafios atuais. Interface (Botucatu), Botucatu , v. 6, n. 11, p. 11-24, Aug. 2002

access on 29 Oct. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832002000200002.

BOCK, Ana Mercês Bahia. A adolescência como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e educadores. Psicol. Esc. Educ. (Impr.), Campinas , v. 11, n. 1, p. 63-76, June 2007 . Available from http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-85572007000100007&lng=en&nrm=iso . access on 02 May 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572007000100007.

BOURDIEU, Pierre. A juventude é apenas uma palavra. In Questões de sociologia, Rio de Janeiro, marco Zero, 1983.

BRASIL. Ministério da Saúde. Marco Legal: Saúde, um Direito de Adolescentes. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Guia Pronatec de Cursos. Formação Inicial e Continuada (FIC), 3. ed. Portaria MEC nº 899, de 20 de setembro

de 2013. Disponível em: http://pronatec.mec.gov.br/fic/pdf/2013_guia_cur-sosfic_port_899.pdf . Acesso em: 27 ago 2017.

CARRANO, Paulo. Juventudes: as identidades são múltiplas. Revista Movimento, Faculdade de Educação da UFF, n. 1, p. 11-27, 2000.

CARRANO, P. Jovens, escolas e cidades: entre diversidades, desigualdades e desafios à convivência. Colóquio Luso-Brasileiro de Sociologia da Educação: 2010.

CLÍMACO, A. A. S. (1991). Repensando as concepções de adolescência. Tese de doutorado, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

COSTA, O. F. Políticas públicas de juventude: uma construção possível? 2009. Tese (Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Política Social – UNB. Brasília.

DAYRELL, Juarez. O jovem como sujeito social. Rev. Bras. Educ. [online]. 2003, n.24, pp.40-52

DAYRELL, J.; REIS, J.B. Juventude e Escola: Reflexões sobre o Ensino da Sociologia no ensino médio. In: Anais do XIII Congresso Brasileiro de Sociologia. Recife. 2007.

DAYRELL, J. Por uma pedagogia das juventudes: experiências educativas do Observatório da Juventude da UFMG / Juarez Dayrell (organizador). - Belo Horizonte: Mazza Edições, 2016.

FERREIRA ABH. Novo Dicionário Aurélio da Lingua Portuguesa. 3ª.ed. São Paulo, Positivo, 2004. pp 498-499.

FREITAS, M. V. (org.). Juventude e adolescências no Brasil: referências conceituais. São Paulo. Ação Educativa. 2005.

GROSSMAN E. A construção do conceito de adolescência no Ocidente. Adolesc Saude. 2010;7(3):47-51

LEON. O. D. Adolescência e juventude: das noções às abordagens. In: Freitas, M. V. (org). Juventude e adolescência no Brasil: referências conceituais. São Paulo: Ação Educativa. 2005.

MUNCH, Grandes Artistas. Ed Nova Cultural, 1984, página 60

NOVAES, Regina. Os jovens de hoje: contextos, diferenças e trajetórias. In: ALMEIDA, Maria Isabel Mendes de; EUGENIO, Fernanda (Orgs.). Culturas jovens – novos mapas do afeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.p. 105-120

OSÓRIO, L.C. Adolescente hoje. Porto Alegre: Artes Médicas, 1989.

OUTEIRAL, J. (2003). Adolescer. Rio de Janeiro: Revinter.

PAPALIA, Diane E. Desenvolvimento Humano. Tradução: Carla Filomena Marques. 10ºed. Porto Alegre: AMGH, 2010.

PERALVA, A. O jovem como modelo cultural. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 5/6, p. 15-24, 1997.

PIMENTEL, P. L. B.; SILVA, J.; SALDANHA, A. A. W. Uso do preservativo e vulnerabilidade à AIDS em adolescentes: implicações para a interiorização da epidemia na Paraíba. In: HIV/AIDS VIRTUAL CONGRESS, 10., 2010, Lisboa. VIH/ SIDA em países de língua portuguesa.

SALDANHA, A. A. W.; CARVALHO. E. A. B.; DINIZ, R. F. et al. Comportamento sexual e vulnerabilidade à aids: um estudo descritivo com perspectiva de práticasde prevenção. DST – J bras Doenças Sex Transm 2008. Disponível em http://www.dst.uff.br//revista20-1-2008/6.pdf Acessado em 05 de junho de 2017.

SANDES JÚNIOR. (Deputado) Proposta de Emenda à Constituição n. 138, de 2003. Dispõe sobre a proteção dos direitos econômicos, sociais e culturais da juventude. Apresentada em 20 ago. 2003. Transformada na Emenda Constitucional 65/2010, que altera a denominação do Capítulo VII do Título VIII da Constituição Federal e modifica o seu art. 227, para cuidar dos interesses da juventude. Diário Oficial da União, 14 jul. 2010, seção 1, p.1.

Downloads

Publicado

31-12-2023

Como Citar

FONSECA, José Henrique Monteiro da; BERTOLOTO, José Serafim; ANJOS, Degmar Francisco dos. Adolescência e juventude: construções e multiplicidades. Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 007–030, 2023. DOI: 10.5965/1984317818202327. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/19380. Acesso em: 29 maio. 2024.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)