Qualidade do carvão vegetal obtido a partir da espécie Cecropia glaziovii Sneth. produzido na agricultura familiar em Santa Catarina

Autores

  • Adriel Furtado de Carvalho Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Martha Andreia Brand Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Pedro Higuchi Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Ana Carolina da Silva Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711912020132

Palavras-chave:

propriedades energéticas, carbonização, carvão domiciliar

Resumo

O objetivo deste trabalho foi avaliar a qualidade do carvão vegetal da espécie Cecropia glaziovii, produzido em pequenas propriedades rurais, no município de Biguaçu, estado de Santa Catarina, e em laboratório e comparar suas propriedades ao carvão vegetal de outras espécies. Foram analisadas amostras de carvão de três fontes: amostras de carvão de Cecropia glaziovii coletadas dos fornos de alvenaria (1), amostras de carvão produzido nestes mesmos fornos, porém a partir de várias espécies diferentes (2) e amostras obtidas a partir da carbonização em laboratório da madeira de três árvores de Cecropia glaziovii coletada nas mesmas propriedades rurais (3). Determinou-se o poder calorífico superior, porcentagem de voláteis e carbono fixo e teor de cinzas. Analisando as amostras de carvão vegetal, as médias para análise energética mostraram que o carvão vegetal da amostra 2 apresentou melhores características comparadas às amostras 1 e 3. A amostra 2 apresentou maior poder calorífico superior (PCS – 7.281 Kcal/Kg a 7.336 Kcal/Kg), menor teor de voláteis (TV – 26,26%), menor teor de cinzas (TC – 2,05 a 2,46%) e maior teor de carbono fixo (66,02%). As médias das propriedades da amostra 3 também foram comparadas com outras espécies de importância comercial para produção de carvão. O poder calorífico superior (6.573 Kcal/Kg) e porcentagem de carbono fixo (61,32%) foram respectivamente inferiores quando comparados ao carvão de outras espécies: Mimosa scabrella (7.201,28 Kcal/Kg; 85,40%), Eucalyptus bentamii (8.777 Kcal/Kg; 81,85%) e Eucalyptus grandis (7.632 Kcal/Kg; 75-80%). A porcentagem de voláteis (35,00%) e teor de cinzas (3,68%) foram superiores respectivamente aos das outras espécies: Mimosa scabrella (12,70%; 1,90%), Eucalyptus bentamii (17, 17%; 0,96%) e Eucalyptus grandis (20-25%; 1,70%). Os resultados indicam que a qualidade do carvão Cecropia glaziovii é inferior em comparação com outras espécies, porém se aceita o uso, devido à abundância da espécie nesta região.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriel Furtado de Carvalho, Universidade do Estado de Santa Catarina

Curso de Mestrado em Engenharia Florestal

Martha Andreia Brand, Universidade do Estado de Santa Catarina

Departamento de Engenharia Florestal

Pedro Higuchi, Universidade do Estado de Santa Catarina

Departamento de Engenharia Florestal

Ana Carolina da Silva, Universidade do Estado de Santa Catarina

Departamento de Engenharia Florestal

Referências

ASTM. 2007. American Society for Testing and Material. ASTM D 1762 – 84: Standard Test Method for Chemical Analysis of Wood Charcoal. West Conshohocken: ASTM International. 2p.

ABNT. 2003. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 14929: Madeira - Determinação do teor de umidade de cavacos - Método por secagem em estufa. Rio de Janeiro: ABNT. 3p.

BRAND MA et al. 2013. Análise da qualidade da madeira e do carvão vegetal produzido a partir da espécie Miconia cinnamomifolia (De Candolle) Naudin (Jacatirão-açu) na agricultura familiar, em Biguaçu, Santa Catarina. Scientia Forestalis 41: 401-410.

BRAND MA et al. 2015. Quality of charcoal for domestic consumption marketed in the Southern Highlands Region of Santa Catarina. Árvore 39: 1165-1173.

BRASIL MAA & FERREIRA M. 1971. Variação da densidade básica da madeira de Eucalyptus alba Reinw, E. saligna Smith e E. grandis, Hill ex-Maiden aos cinco anos de idade, função do local e do espaçamento. Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais 2: 129-149.

BROGNI E et al. 2004. Massa específica, contração, rigidez e resistência a flexão estática da madeira de Eucalyptus benthamii, Acacia mangium, Liquidambar styraciflua e Spathodea campanulata. In: 1 Congresso Brasileiro de Industrialização da Madeira e Produtos de Base Florestal. Resumos... Pinhais: FAPESP.

DIN. 2000. Deutsches Institut Für Normung. DIN 51900: Determining the gross calorific value of solid and liquid fuels using the bomb calorimeter, and calculation of net calorific value. Berlim: Standards Library.

FOREST PRODUCTS LABORATORY. 1974. Wood handbook: Wood as an engineering material. Washington: Superintendent of Documents U.S. Government Printing Office. 521p. (Agriculture Handbook 72).

FRIEDERICHS G et al. 2015. Qualidade da madeira e do carvão vegetal de bracatinga (Mimosa scabrella Benth.). Revista Ciência da Madeira 6: 78-87.

IBGE. 2019. IBGE Censo Agropecuário 2016. Resultados preliminares 2017. Disponível em: <https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6763#resultado>. Acesso em: 06 mai. 2019.

INCRA. 2019. Classificação dos imóveis rurais. Disponível em: <http://www.incra.gov.br/tamanho-propriedades-rurais>. Acesso em: 06 mai. 2019.

LIMA EA et al. 2011. Caracterização Dendroenergética de árvores de Eucalyptus bentamii. Pesquisa Florestal Brasileira 31: 9-17.

LINDEMANN RH. 2010. Ensino de química em escolas do campo com proposta agroecológica: contribuições a partir da perspectiva freireana de educação. Tese (Doutorado em Educação Científica e Tecnológica). Florianópolis: UFSC. 339p.

LINGNER DV et al. 2013. Grupos florísticos estruturais da Floresta Ombrófila Densa em Santa Catarina. In: VIBRANS AC et al. (Eds.). Inventário Florístico Florestal de Santa Catarina. Vol. IV. Floresta Ombrófila Densa. Blumenau. Edifurb. p. 143-157.

LORENZI H. 2002. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas nativas do Brasil. 2.ed. Nova Odessa: Plantarum. 368p.

OLIVEIRA AC et al. 2012. Avaliação de diferentes níveis de desbastes nas propriedades da madeira e do carvão vegetal de Eucalyptus grandis x Eucalyptus urophylla. Floresta 42: 59-68.

PIMENTA AS & BARCELLOS DC. 2000. Como produzir carvão para churrasco. Viçosa: CPT. 76p.

RIBEIRO PG & VALE AT. 2006. Qualidade do carvão vegetal de resíduos de serraria para o uso doméstico. In: Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência. Resumos... Belém: SBPC. 1p.

SÃO PAULO. 2015. Secretaria de Agricultura e Abastecimento de São Paulo. Resolução n°40 SAA, de 14 de dezembro de 2015. 11p.

SIMINSKI A & FANTINI AC. 2007. Roça-de-toco: uso de recursos florestais e dinâmica da paisagem rural no litoral de Santa Catarina. Ciência Rural 37: 1-10.

STEENBOCK W. 2009. Domesticação de bracatingais: perspectivas de inclusão social e conservação ambiental. Tese (Doutorado em Recursos Genéticos Vegetais). Florianópolis: UFSC. 262p.

ULLER-GÓMEZ C & GARTNER C. 2008. Um caminho para conhecer e transformar nossa comunidade. Relatório final de pesquisa vinculada ao TOR 23/2006. Florianópolis: EPAGRI. 111p.

VALENTE OF et al. 1985. Efeito da temperatura de carbonização nos rendimentos e propriedades do carvão vegetal produzido. Árvore 9: 28-39.

Downloads

Publicado

2020-04-03

Como Citar

CARVALHO, Adriel Furtado de; BRAND, Martha Andreia; HIGUCHI, Pedro; SILVA, Ana Carolina da. Qualidade do carvão vegetal obtido a partir da espécie Cecropia glaziovii Sneth. produzido na agricultura familiar em Santa Catarina. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 1, p. 132–138, 2020. DOI: 10.5965/223811711912020132. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/9311. Acesso em: 14 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Completo - Áreas Correlatas

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)