Adubação fosfatada na cultura do milho no nordeste paraense

Autores

  • Eduardo Cézar Medeiros Saldanha Yara Brasil Fertilizantes
  • Maria Eunice Lima da Rocha Universidade Federal Rural da Amazônia
  • José Leandro Silva de Araújo Universidade Federal Rural da Amazônia
  • José Darlon Nascimento Alves Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Daiane de Cinque Mariano Universidade Federal Rural da Amazônia
  • Ricardo Shigueru Okumura Universidade Federal Rural da Amazônia

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711642017441

Palavras-chave:

fertilidade do solo, Latossolo Amarelo, Amazônia Oriental, Zea mays, solo

Resumo

No Brasil, a cultura do milho (Zea mays L.) possui elevada produção, sendo que o Estado do Pará tem potencial para se tornar grande polo produtivo de grãos. Contudo, constitui-se de solos tropicais, os quais são ácidos e com baixa disponibilidade de fósforo. O objetivo do trabalho foi avaliar o crescimento e a produtividade de plantas de milho submetidas a diferentes doses de fósforo em Latossolo Amarelo no município de Capitão Poço, Nordeste do Estado do Pará, no ano de 2011. Na área experimental foi realizada a correção do solo por meio da calagem, visando-se aumentar a saturação por bases a 60%. O delineamento experimental foi em blocos casualizados com quatro repetições, sendo os tratamentos empregados: 0; 45; 90; 135 e 180 kg ha-1 de P2O5, aplicados no sulco de semeadura, utilizando a fonte superfosfato triplo (46% de P2O5). As variáveis altura da planta, diâmetro do colmo, número de folhas e número de espigas apresentaram melhor ajuste da equação quadrática à aplicação de P2O5 no sulco de semeadura com a máxima eficiência técnica obtida nas doses de 142,1 kg ha-1; 114,62 kg ha-1; 130,59 kg ha-1 e 145 kg ha-1 de P2O5, respectivamente. A aplicação de 179,87 kg ha-1 de P2O5 na cultura do milho, variedade BR 5102, em Latossolo Amarelo distrófico típico, proporcionou a produtividade de 6,58 t ha-1 de grãos, nas condições edafoclimáticas da região de Capitão Poço.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA JÚNIOR AB et al. 2009. Efeito de doses de fósforo no desenvolvimento inicial da mamoneira. Revista Caatinga 22: 217-221.

ALVIM KRT et al. 2010. Quantificação da área foliar e efeito da desfolha em componentes de produção de milho. Ciência Rural 40: 1017-1022.

BASTOS AL et al. 2010. Resposta do milho a doses de fósforo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 14: 485-491.

CALADO JMG et al. 2008. Componentes da produção de grão em genótipos de trigo mole nas condições mediterrânicas. Revista de Ciências Agrárias 31: 68-78.

CARVALHO MAC et al. 2004. Produtividade do milho em sucessão a adubos verdes no sistema de plantio direto e convencional. Pesquisa Agropecuária Brasileira 39: 47-53.

CRAVO MS et al. 2007. Recomendações de adubação e calagem para o Estado do Pará. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 262p.

EMBRAPA - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa. 353p.

FERNANDES AR et al. 2013. Produtividade de feijão caupi em função da calagem e fósforo. Revista Caatinga 26: 54-62.

FERREIRA DF. 2011. Sisvar: a computer statistical analysis system. Ciência e Agrotecnologia 35: 1039-1042.

GOMES LS et al. 2010. Resistência ao acamamento de plantas e ao quebramento do colmo em milho tropical. Pesquisa Agropecuária Brasileira 45: 140-145.

HARGER N et al. 2007. Avaliação de fontes e doses de fósforo no crescimento inicial do milho. Semina: Ciências Agrárias 28: 39-44.

IDESP – Instituto de Desenvolvimento Econômico, Social e Ambiental do Pará. 2011. Boletim Produção Agrícola do Pará.

LOPES SJ et al. 2007. Relações de causa e efeito em espigas de milho relacionadas aos tipos de híbridos. Ciência Rural 37: 1536-1542.

LUCENA LFC et al. 2000. Resposta do milho a diferentes dosagens de nitrogênio e fósforo aplicados ao solo. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 4: 334-337.

MAGALHÃES PC et al. 1995. Fisiologia da planta de milho. Sete Lagoas: Embrapa - CNPMS. 27p. (Circular Técnica, 20).

MIOLA GR et al. 1999. Avaliação da disponibilidade de fósforo no solo para a cultura do milho. Pesquisa Agropecuária Brasileira 34: 813-819.

NOVAIS RF et al. 2007. Fósforo. In: NOVAIS RF et al. (Eds.). Fertilidade do solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo. p.471-550.

PACHECO NA & BASTOS TX. 2002. Análise frequencial da chuva em Capitão Poço, PA. Belém: Embrapa Amazônia Oriental. 16p. (Documentos, 133).

RITCHIE SW et al. 1993. How a corn plant develops. Ames: Iowa State University of Science and Technology/Cooperative Extension Service. 26p. (Special Report, 48).

SAS. 2008. SAS/STAT® 9.2 User’s guide. Version 9.2, Cary, NC: SAS Institute Inc. 584p.

SOUZA CHE et al. 2011. Extratores para fósforo disponível em Latossolos e eficiência de fontes fosfatadas para milho cultivado em vaso. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 10: 38-46.

UCHÔA SCP et al. 2009. Fertilidade do solo. In: ZILLI JE et al. (Eds.). A Cultura do feijão-caupi na Amazônia Brasileira. Boa Vista: Embrapa. p.132-183.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

SALDANHA, Eduardo Cézar Medeiros; ROCHA, Maria Eunice Lima da; ARAÚJO, José Leandro Silva de; ALVES, José Darlon Nascimento; MARIANO, Daiane de Cinque; OKUMURA, Ricardo Shigueru. Adubação fosfatada na cultura do milho no nordeste paraense. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 4, p. 441–448, 2018. DOI: 10.5965/223811711642017441. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/8512. Acesso em: 24 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Plantas e Produtos Derivados