Efeito de um suplemento mineral traço e vitaminas A e E injetáveis sobre a produção e composição de leite em vacas Holandesas

Autores

  • Silvana Giacomini Collet Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Mateus Alan Demeda Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Gustavo Vinícius Taffarel Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Letícia Taffarel Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Lilian Kolling Girardini Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Cristiano Nunes Nesi Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Marlon Celso Hoff Universidade do Oeste de Santa Catarina image/svg+xml
  • Marta Lizandra do Rego Leal Universidade Federal de Santa Maria image/svg+xml

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711642017463

Palavras-chave:

vitamina A, vitamina E, leite, vitaminas, lactação, vaca leiteira, selênio

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar o uso de minerais traços (cobre, zinco, selênio e manganês) e vitaminas A e E, na forma injetável, sobre a produção e composição do leite de vacas holandesas no final do período de transição até os 60 dias de lactação. Foram utilizadas 31 fêmeas holandesas divididas em dois grupos experimentais: grupo tratado (n=15) que recebeu suplementação de minerais (10 mg de cobre, 40 mg de zinco, 5 mg de selênio e 10 mg de manganês) e de vitaminas (175 mg de vitamina A e 250 mg de vitamina E) injetável (5 mL da solução dos microminerais e 5 mL das vitaminas pela via subcutânea) aos 225 dias de gestação, aos 255 dias de gestação e no dia do parto; e o grupo controle (n=16), que recebeu injeções de solução fisiológica (na dose de 5 mL pela via subcutânea) nos mesmos dias do grupo tratado. Amostras de leite foram coletadas nos dias sete, 14 e 21 após o parto, onde avaliou-se a produção, a qualidade (colostro), e a composição (gordura, lactose, proteína, extrato seco desengordurado, sólidos totais, ureia e contagem de células somáticas (CCS)) do leite. Os valores iniciais e valores mínimos estimados pelo modelo não indicaram diferença na produção de leite e na CCS entre os grupos. Para o restante dos componentes do leite, somente a ureia apresentou diferença significativa entre os grupos tratados e não tratados (p= 0,002). Também não foi verificada diferença significativa para qualidade de colostro. Portanto, conclui-se que o uso de solução injetável contendo Cu, Zn, Se, Mn e vitaminas A e E tem efeito sobre a composição da ureia do leite, porém não se observou efeito sobre CCS e os demais componentes do leite e na sua produção, porém mais estudos devem ser realizados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Giacomini Collet, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Possui Graduação em Medicina Veterinária pela Universidade do Oeste de Santa Catarina, Mestrado em Ciência Animal pela Universidade do Estado de Santa Catarina, na Área de Produção Animal e é Doutoranda em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria na Área de Clínica e Cirurgia, ênfase em Metabologia e Endocrinologia de Ruminantes. Atualmente é Docente da Universidade do Oeste de Santa Catarina dos Cursos de Agronomia e Medicina Veterinaria.

Gustavo Vinícius Taffarel, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Aluno de Medicina Veterinária da Universidade do Oeste de Santa Catarina.

Letícia Taffarel, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Aluna do curso de Medicina Veterinária da Universidade do Oeste de Santa Catarina.

Lilian Kolling Girardini, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade do Oeste de Santa Catarina - Campus Xanxerê (2007), mestrado em Medicina Veterinária pela Universidade Federal de Santa Maria (2009) e doutorado em Ciências Veterinárias, área de concentração Microbiologia/Bacteriologia, pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2013). Atualmente é professora e pesquisadora na Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) no curso de Medicina Veterinária e membro do corpo docente permanente do Programa de Pós-graduação em Sanidade e Produção Animal Aplicados a Pequenas Propriedades da UNOESC (Em elaboração). Possui experiência na área de microbiologia veterinária, atuando principalmente nos seguintes temas: Mastite, resistência aos antimicrobianos, biofilmes, Staphylococcus aureus, Escherichia coli.

Cristiano Nunes Nesi, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Possui graduação em Matemática pela Universidade do Planalto Catarinense (1998), graduação em Agronomia pela Universidade do Estado de Santa Catarina (1999), mestrado em Agronomia (Estatística e Experimentação Agronômica) pela Universidade de São Paulo (2002) e doutorado em Agronomia (Produção Vegetal) na Universidade Federal do Paraná (2013). Atualmente é professor adjunto da Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC) e membro do corpo docente (colaborador) do Programa de Pós-Graduação em Sanidade e Produção Animal Aplicados a Pequenas Propriedades (em elaboração). É pesquisador da Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina (Epagri).

Marlon Celso Hoff, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Aluno do curso de Agronomia da Universidade do Oeste de Santa Catarina.

Marta Lizandra do Rego Leal, Universidade Federal de Santa Maria

Professor Associado do Departamento de Clínica de Grandes Animais da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Orientador de Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Veterinária da UFSM. Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal da Paraíba (1997), Residencia em Clínica e Cirurgia de Grandes Animais pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP) (1998), Especialização em Doenças Nutricionais e Metabólicas em Ruminantes pela FMVZ/USP (1999) Mestrado em Clínica Veterinária pela FMVZ/USP (2001) e Doutorado em Clínica Veterinária pela FMVZ/USP (2005).

Referências

AL-QUDAH KM & ISMAIL ZB. 2012. The relationship between serum biotin and oxidant/antioxidant activities in bovine lameness. Research in Veterinary Science 92: 138-141.

ALVES NG et al. 2009. Nutrição e reprodução em vacas leiteiras. Revista Brasileira de Reprodução Animal 6: 118- 124.

AOAC – Association of Official Analytical Chemists. 1995. Official methods of analysis of the association of the official analysis chemists. 16.ed. Arlington: AOAC.

BATISTA CG. et al. 2012. Utilização de minerais iônicos ou complexos orgânicos de minerais no pré parto de vacas Holandesas. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia 64: 1232-1238.

CONTRERAS GA & SORDILLO LM. 2011. Lipid mobilization and inflammatory responses during the transition period of dairy cows. Comparative Immunology, Microbiology & Infectious Diseases 34: 281-289.

ENJALBERT F et al. 2006. Effects of copper, zinc and selenium status on performance and health in commercial dairy and beef herds: Retrospective study. Journal of Animal Physiologycal and Animal Nutrition 90: 459-466.

GIERUS M. 2007. Fontes orgânicas e inorgânicas de selênio na nutrição de vacas leiteiras: digestão, absorção, metabolismo e exigências. Ciência Rural 37: 1212-1220.

GOFF JP et al. 2002. Effect of mastectomy on milk fever, energy, and vitamins A, E, and beta-carotene status at parturition. Journal of Dairy Science 85:1427-1436.

HEARD JW et al. 2007. Increasing selenium concentration in milk: Effects of amount of selenium from yeast and cereal grain supplements. Journal of Dairy Science 90: 4117-4127.

ISO 13366-2:2006 - IDF 148-2:2006. 2006. Milk — Enumeration of somatic cells — Part 2: Guidance on the operation of fluoro-opto-electronic counters.

ISO 9622:2013- IDF 141:2013. 2013. Milk and liquid milk products — Guidelines for the application of midinfrared spectrometry.

JUKOLA E et al. 1996. Blood selenium, vitamin E, vitamin A, and β-Carotene concentrations and udder health, fertility treatments, and fertility. Journal of Dairy Science 79: 838- 845.

KELLOGG DW et al. 2004. Review: Effects of Zinc Methionine Complex on milk production and somatic cell count of dairy cows: Twelve-trial summary. The Professional Animal Scientist 20: 295-301.

KOMAREK AR. 1993. A filter bag procedure for improved efficiency of fiber analysis. Journal of Dairy Science 76: 250.

LACETERA N et al. 1996. Effects of selenium and vitamin E administration during a late stage of pregnancy on colostrum and milk production in dairy cows, and on passive immunity and growth of their offspring. American Journal of Veterinary Research 57: 1776-1780.

LAMB GC et al. 2008. Effect of organic or inorganic trace mineral supplementation on follicular response, ovulation, and embryo production in superovulated Angus heifers. Animal Reproduction Science 106: 221-231.

MACHADO VS et al. 2013. The effect of injectable trace minerals (selenium, copper, zinco and manganese) on peripheral blood leukocyte activity and serum superoxide dismutase activity of lactating Holstein cows. The Veterinary Journal 200: 299-304.

NOCKELS CF et al. 1993. Stress induction affects copper and zinc balance in calves fed organic and inorganic copper and zinc sources. Journal of Animal Science 71: 2539-2545.

NRC - National Research Council. 2001. Nutrient requirements of dairy cattle. 7.ed. Washinton, D.C.: National Academic Press. 381p.

PASCHOAL JJ et al. 2006. Contagem de células somáticas no leite de vacas suplementadas no pré-parto com selênio e vitamina E. Ciência Rural 36: 1462-1466.

PEDREIRA MS & BERCHIELLI TT. 2006. Minerais. In: BERCHIELLI TT et al. (Eds.). Nutrição de Ruminantes. Jaboticabal: Funep. p.333-353.

PEIXOTO PV et al. 2005. Princípios de suplementação mineral em ruminantes. Pesquisa Veterinária Brasileira 25: 195-200.

POGGE DJ et al. 2012. Mineral concentrations of plasma and liver after injection with a trace mineral complex differ among Angus and Simmental cattle. Journal of Animal Science 90: 2692-2698.

R CORE TEAM. 2013. R: A language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria.

RABIEE AR et al. 2010. Effects of feeding organic trace minerals on milk production and reproductive performance in lactating dairy cows: A meta-analysis. Journal of Dairy Science 93: 4239-4251.

ROBERTSON JB & VAN SOEST PJ. 1981. The detergent system of analysis. In: JAMES WPT & THEANDER O. (Eds.). The Analysis of Dietary Fibre in Food. New York: Marcel Dekker. p. 123-158.

ROCHE JR et al. 2009. Invited review: Body condition score and its association with dairy cow productivity, health, and welfare. Journal of Dairy Science 92: 5769- 5801.

SCHANKAR AH & PRASAD AS. 1998. Zinc and immune function: The biological basis of altered resistence to infection. The American Journal of Clinical Nutrition 68: 447-463.

SORDILLO LM & AITKEN SL. 2009. Impact of oxidative stress on the health and immune function of dairy cattle. Veterinary Immunology and Immunopathology 128: 104-109.

TYRRELL HF & REID JT. 1965. Prediction of the energy value of cow’s milk. Journal of Dairy Science 48: 1215- 1223.

VAN SOEST PJ et al. 1991. Methods for dietary fiber, neutral detergent fiber, and nonstarch polysaccharides in relation to animal nutrition. Journal of Dairy Science 74: 3583-3597.

VIERO V et al. 2010. Efeito da suplementação com diferentes níveis de selênio orgânico e inorgânico na produção e na composição do leite e no sangue de vacas em lactação. Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia 62: 282-390.

WEISS WP et al. 1990. Effect of duration of supplementation of selenium and vitamin E on periparturient dairy cows. Journal of Dairy Science 73: 3187-3194.

WEISS WP et al. 1997. Effect of vitamin E supplementation in diets with a low concentration of selenium on mammary gland health of dairy cows. Journal of Dairy Science 80: 1728-1737.

WEISS WP. 2005. Antioxidants nutrients, cow health and milk quality. In: Dairy Cattle Nutrition Workshop, Department of Dairy and Animal Sciences, Pennsylvania State University. p. 11-18.

XIN Z et al. 1993. Cooper status and requirement during the dry period and early lactation in multiparous Holstein cows. Journal of Dairy Science 76: 2711-2716.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

COLLET, Silvana Giacomini; DEMEDA, Mateus Alan; TAFFAREL, Gustavo Vinícius; TAFFAREL, Letícia; GIRARDINI, Lilian Kolling; NESI, Cristiano Nunes; HOFF, Marlon Celso; LEAL, Marta Lizandra do Rego. Efeito de um suplemento mineral traço e vitaminas A e E injetáveis sobre a produção e composição de leite em vacas Holandesas. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 4, p. 463–472, 2018. DOI: 10.5965/223811711642017463. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/8230. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Animais e Produtos Derivados