Qualidade de sementes e mudas de Cedrela fissilis Vell. em função da biometria de frutos e sementes em diferentes procedências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711642017376

Palavras-chave:

cedro, fotoperíodo, matrizes, produção de mudas, Meliaceae, Cedrus, germinação, sementes

Resumo

Cedrela fissilis é espécie nativa do Brasil com uso destacado no setor madeireiro e na recuperação de áreas degradadas, existindo a necessidade de melhor entendimento das diferenças e ganhos genéticos que pode haver em relação a diferentes procedências e progênies. O objetivo do estudo foi analisar a biometria de frutos e sementes de Cedrela fissilis em função de diferentes procedências e matrizes relacionando com o crescimento inicial de mudas, além de avaliar o melhor fotoperíodo na germinação. As sementes foram coletadas em matrizes de duas procedências (Fernandes Pinheiro e Lapa) para biometria e peso de mil sementes por matriz. Sementes das duas procedências foram submetidas a distintos fotoperíodos (12, 16 e 24 horas de luz branca e 24 horas no escuro), sendo avaliada a germinação e o Índice de Velocidade de Germinação (IVG). O crescimento inicial das mudas foi avaliado através da medição de características morfológicas a cada 30 dias após a repicagem das plântulas. Os experimentos foram realizados em delineamento inteiramente casualizado e os dados submetidos à análise de variância ao nível de 5%, sendo as médias comparadas pelo teste de Tukey e/ou regressão polinomial. Houve diferença biométrica de frutos e sementes entre as matrizes, não havendo relação com a procedência. Quanto a taxa de germinação e IVG entre as procedências, Fernandes Pinheiro apresentou os melhores resultados. Em relação ao fotoperíodo, não existiu diferença na germinação em relação aos níveis de luz, sendo o IVG maior para sementes germinadas no escuro. A procedência Fernandes Pinheiro obteve maior crescimento inicial das mudas em relação à procedência Lapa e esta diferença aumenta ao longo das avaliações. Em geral, os experimentos mostraram haver diferença entre as procedências, havendo relação com a qualidade de sementes e mudas formadas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariane de Oliveira Pereira, Federal University of Paraná

Engenheira Florestal, Doutoranda do Programa de Pós- Graduação em Engenharia Florestal, UFPR, Curitiba, PR, Brasil

Marcio Carlos Navroski, Universidade do Estado de Santa Catarina

Departamento de Engenharia Florestal
Universidade do Estado de Santa Catarina

Pablo Melo Hoffmann, Federal University of Paraná

Eng. Florestal, Mestre em Engenharia Florestal, UFPR, Curitiba, PR, Brasil

Jeniffer Grabias, Federal University of Paraná

Bióloga, Mestre em Engenharia Florestal, UFPR, Curitiba, PR, Brasil

Christopher Thomas Blum, Federal University of Paraná

Profº Dr.Departamento de Ciências Florestais - DECIFUniversidade Federal do Paraná - UFPR

Antonio Carlos Nogueira, Federal University of Paraná

Eng. Florestal, Professor Associado do Departamento de Ciências Florestais da UFPR, Curitiba - PR.

Diego Pereira Rosa, Universidade do Estado de Santa Catarina

Departamento de Engenharia Florestal
Universidade do Estado de Santa Catarina

Referências

BINOTTO AF et al. 2010. Correlations between growth variables and the Dickson quality index in forest seedlings. Cerne 16: 457-464.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Brasília: Mapa/ACS. 399p.

CARVALHO NM & NAKAGAWA J. 2000. Sementes: ciência, tecnologia e produção. 4.ed. Jaboticabal: FUNEP. 588p.

CARVALHO PER. 2003. Espécies arbóreas brasileiras. Colombo: Embrapa Florestas. 1039p.

CARVALHO PER. 2005. Cedro. Colombo: Embrapa Florestas. 17p. (Circular Técnica, 113).

CORVELLO WBV et al. 1999. Maturação fisiológica de sementes de cedro (Cedrela fissilis Vell.). Revista Brasileira de Sementes 21: 23-27.

COSTA RS et al. 2006. Aspectos morfológicos e influência do tamanho da semente na germinação do jambo-vermelho. Revista Brasileira de Fruticultura 28: 117-120.

ELOY E et al. 2013. Avaliação da qualidade de mudas de Eucalyptus grandis utilizando parâmetros morfológicos. Revista Floresta 43: 373-384.

FIGLIOLIA MB et al. 2006. Germinação de sementes de Lafoensia glyptocarpa Koehne (mirindiba-rosa), Myroxylon peruiferum L. f. (cabreúva-vermelha) e Cedrela fissilis Vell. (cedro-rosa). Revista Instituto Florestal 18: 49-58.

FONSECA CA et al. 2006. Efeito da adubação nitrogenada na produção de mudas de sete-cascas (Samanea inopinata (Harms) Ducke). Revista Árvore 30: 537-546.

FORTES FO. 2004. Diagnóstico das análises de sementes de espécies florestais nativas e exóticas do estado do Rio Grande do Sul. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal) Santa Maria: UFSM. 131p.

GOMES JM & PAIVA HN. 2004. Viveiros florestais: propagação sexuada. 3.ed. Viçosa: UFV. 116p.

GOMES JM et al. 2002. Parâmetros morfológicos na avaliação da qualidade de mudas de Eucalyptus grandis. Revista Árvore 26: 655-664.

GONÇALVES LGV et al. 2013. Biometria de frutos e sementes de mangaba (Hancornia speciosa Gomes) em vegetação natural na região leste de Mato Grosso, Brasil. Revista de Ciências Agrárias, 36: 31-40.

IAPAR – Instituto Agronômico do Paraná. Agrometeorologia. 2014. Redes de Estações Meteorológicas do Paraná. Estações Meteorológicas Convencionais. Disponível em: http://www.iapar.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=890: Acesso em: 29 nov. 2015.

KUNIYOSHI YS. 1983. Morfologia da semente e da germinação de 25 espécies arbóreas de uma floresta com araucária. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais) Curitiba: UFPR. 233p.

LOPES A et al. 2012. Caracterização morfológica das plântulas de cinco espécies arbóreas da floresta estacional semidecidual, Brasil. Revista Floresta, 42: 105-114.

MACEDO MC et al. 2009. Biometria de frutos e sementes e germinação de Magonia pubescens ST. Hil (Sapindaceae). Revista Brasileira de Sementes 31: 202-211.

MAGUIRE JD. 1962. Speed of germination-aid selection and evaluation for seedling emergence and vigor. Crop Science 2: 176-177.

MARCOS FILHO J et al. 2009. Métodos para avaliação do vigor de sementes de soja, incluindo a análise computadorizada de imagens. Revista Brasileira de Sementes 31: 102-112.

MARTINS L & LAGO AA. 2008. Conservação de semente de Cedrela fissilis: teor de água da semente e temperatura do ambiente. Revista Brasileira de Sementes 30: 161-167.

MATHEUS MT & LOPES JC. 2007. Morfologia de frutos, sementes e plântulas e germinação de sementes de Erythrina variegata L. Revista Brasileira de Sementes 29: 8-17.

MMA - Ministério do Meio Ambiente. 2014. Lista Nacional Oficial de Espécies da Fauna Ameaçadas de Extinção. Portaria nº 444 de 17 de dezembro de 2014 - Anexo I. Diário Oficial da União - Seção 1, 18/12/2014.

MUNIZ MFB et al. 2007. Influência da assepsia e do substrato na qualidade de sementes e mudas de espécies florestais. Revista Brasileira de Sementes 29: 140-146.

NAVROSKI MC et al. 2016. Procedência e adubação no crescimento inicial de mudas de cedro. Pesquisa Florestal Brasileira 85: 17-24.

OLIVEIRA EC. 1993. Morfologia de plântulas. In: AGUIAR IB et al. Sementes florestais tropicais. Brasília: ABRATES. p.175-214.

PASSOS MAA et al. 2008. Luz, substrato e temperatura na germinação de sementes de cedro-vermelho. Pesquisa Agropecuária Brasileira 43: 281-284.

PEDRON FA et al. 2004. Parâmetros biométricos de fruto, endocarpo e semente de butiazeiro. Ciência Rural 34: 585-586.

PEREIRA PC et al. 2008. Influência do tamanho de sementes na qualidade de mudas de tamarindeiro. Bioscience Journal 24: 73-79.

RESSEL K et al. 2004. Ecologia morfofuncional de plântulas de espécies arbóreas da Estação Ecológica do Panga, Uberlândia, Minas Gerais. Revista Brasileira de Botânica 27: 311-323.

RITCHIE GA et al. 2010. Assessing plant quality. In: LANDIS TD et al. Seedling Processing, Storage and Outplanting. Washington: Department of Agriculture Forest Service. p. 17-81.

RODERJAN CV et al. 2002. As Unidades Fitogeográficas do Estado do Paraná, Brasil. Ciência & Ambiente 24: 78-118.

SANTOS FS et al. 2009. Biometria e qualidade fisiológica de sementes de diferentes matrizes de Tabebuia chrysotricha (Mart. Ex A. DC.) Standl. Scientia Forestalis 37:163-173.

SEO M et al. 2009. Interaction of light and hormone signals in germinating seeds. Plant Molecular Biology 69: 463-472.

WIELEWICKI AP et al. 2006. Proposta de padrões de germinação e teor de água para sementes de algumas espécies florestais presentes na região sul do Brasil. Revista Brasileira de Sementes 28: 191-197.

Downloads

Publicado

2018-01-24

Como Citar

PEREIRA, Mariane de Oliveira; NAVROSKI, Marcio Carlos; HOFFMANN, Pablo Melo; GRABIAS, Jeniffer; BLUM, Christopher Thomas; NOGUEIRA, Antonio Carlos; ROSA, Diego Pereira. Qualidade de sementes e mudas de Cedrela fissilis Vell. em função da biometria de frutos e sementes em diferentes procedências. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 4, p. 376–385, 2018. DOI: 10.5965/223811711642017376. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/7730. Acesso em: 28 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)