Alterações fisiológicas de matrizes suínas criadas nas condições climáticas do semiárido mineiro

Autores

  • Thaís Emanuele Soares UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS
  • Cinara da Cunha Siqueira Carvalho UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS
  • Camila Maida de Albuquerque Maranhão UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS
  • Geruza Cardoso da Silva UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS
  • Thamara Amaral Diniz UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS
  • Kátia Cristiane Borges Pereira UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS
  • Maria Cecilia Magalhães Gonçalves UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711632017302

Palavras-chave:

ambiência, conforto térmico, suinocultura.

Resumo

A criação de suínos na região do semiárido mineiro possui caráter inicial, porém há perspectivas de crescimento, entretanto devido às altas temperaturas verificadas ao longo do ano a produção é reduzida. Diante disso, o objetivo deste trabalho foi avaliar o efeito do ambiente climático sobre os parâmetros fisiológicos de matrizes suínas antes e após o parto. O experimento foi conduzido em uma Granja representativa na criação de suínos localizada na região do Projeto Gorutuba, município de Nova Porteirinha, MG. Foram utilizadas seis matrizes alojadas em baias individuais. As variáveis climáticas temperatura de ar, umidade relativa do ar, temperatura de ponto de orvalho e temperatura de globo negro foram monitoradas por meio do uso de dois dataloggers. Os parâmetros fisiológicos avaliados foram: temperatura de superfície corporal, frequência respiratória, frequência cardíaca e temperatura retal. As variáveis ambientais e fisiológicas foram coletadas às 8:00, 11:00, 13:00, 15:00 e 17:00 h. Os dados foram submetidos à análise de variância, e quando significativos foram submetidos ao teste de Tukey a 5% de probabilidade para comparação entre as médias. De posse dos dados coletados verificou-se que entre às 13:00 h e 17:00 h e durante o período após o parto os animais ficaram expostos ao ambiente de desconforto térmico sendo este o fator responsável pela alteração na frequência respiratória, principalmente quando associado à ingestão de alimentos. Os valores médios (p<0,05) de temperatura de superfície corporal e retal foram superiores no período após o parto, porém não expressaram desconforto térmico das matrizes suínas. A criação desses animais na região do semiárido mineiro é possível, porém é necessário que sejam adotadas medidas como o uso de ventiladores e manejo de cortinas para minimizar o estresse calórico dos animais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Emanuele Soares, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

Atualmente é Mestranda do curso de Zootecnia da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Atuando nas áreas de Ambiência e Bem-estar na Produção Animal

 

Cinara da Cunha Siqueira Carvalho, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

Possui graduação (2003) e mestrado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Lavras (2005), doutorado (2009) e pós-doutorado em Engenharia Agrícola pela Universidade Federal de Viçosa (2010). Atualmente é professora na Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Tem experiência na área de Engenharia Agrícola, com ênfase em Engenharia Agrícola, atuando principalmente nos seguintes temas: ambiência para a produção animal, máquinas e mecanização agrícola, tecnologia de aplicação de defensivos, ergonomia e segurança no trabalho.

Camila Maida de Albuquerque Maranhão, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

possui graduação, mestrado e doutorado em Zootecnia pela Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Em 2014 fez pós doutorado na Universidade Federal da Bahia. Atualmente é professora de Experimentação animal no curso de graduação em zootecnia e Estatística Aplicada nos cursos de Pós Graduação em Zootecnia e Pós Graduação em Produção Vegetal na Universidade Estadual de Montes Claros. Tem experiência na área de Zootecnia, atuando principalmente nos seguintes temas: Estatística Experimental e Forragicultura.

Geruza Cardoso da Silva, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

Atualmente é Mestranda do curso de Zootecnia da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Atuando nas áreas de Ambiência e Bem-estar na Produção Animal

Thamara Amaral Diniz, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

Graduanda em Zootecnia pela Universidade Estadual de Montes Claros. Experiências na área de bem-estar animal

Kátia Cristiane Borges Pereira, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

Atualmente é Mestranda do curso de Zootecnia da Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Atuando nas áreas de Ambiência e Bem-estar na Produção Animal

Maria Cecilia Magalhães Gonçalves, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MONTES CLAROS

Graduanda em Zootecnia pela Universidade Estadual de Montes Claros. Experiências na área de bem-estar animal

PARÂMETROS FISIOLÓGICOS DE MATRIZES SUÍNAS NA FASE DE MATERNIDADE DURANTE O OUTONO NO NORTE DE MINAS

Downloads

Publicado

2017-09-25

Como Citar

SOARES, T. E.; SIQUEIRA CARVALHO, C. da C.; DE ALBUQUERQUE MARANHÃO, C. M.; DA SILVA, G. C.; DINIZ, T. A.; BORGES PEREIRA, K. C.; MAGALHÃES GONÇALVES, M. C. Alterações fisiológicas de matrizes suínas criadas nas condições climáticas do semiárido mineiro. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 16, n. 3, p. 302-307, 2017. DOI: 10.5965/223811711632017302. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/223811711632017302. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

Artigo Completo - Ciência de Animais e Produtos Derivados