Vigor de sementes de trevo vermelho submetidas a estresse salino

Autores

  • Giselle Regina Rodolfo Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Cileide Maria Medeiros Coelho Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Natalia Carolina Moraes Ehrhardt-Brocardo Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Clovis Arruda de Souza Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Karla Katy Belizário Universidade do Estado de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711942020414

Palavras-chave:

Trifolium pratense, qualidade fisiológica, leguminosa forrageira, solução salina.

Resumo

O teste de envelhecimento acelerado é de grande importância para expressar o potencial fisiológico das sementes. O objetivo do trabalho foi determinar o vigor de sementes de trevo vermelho das cultivares Quiniquelli e Estanzuela 116 pelo teste do envelhecimento acelerado sob estresse hídrico e salino.  Para tal, as sementes foram expostas a solução hídrica e salina com NaCl (40%) nos tempos de 12, 24, 36, 48 e 72 h a 42 °C e, em seguida, avaliadas pelo teste de envelhecimento acelerado. Foram medidos os comprimentos de 15 plântulas normais de cada uma das quatro repetições de ambas as cultivares e determinada a massa seca das plântulas (48 h /60 °C). Após 12, 24 e 36 h de envelhecimento em solução salina o vigor foi superior à média de 84,5% para ambas cultivares. No teste conduzido com água, o tempo de 36 h foi suficiente para estressar as sementes. O tempo de envelhecimento acelerado que melhor caracterizou o vigor de sementes das cultivares Quiniquelli e Estanzuela 116 foi o de 48 h sob temperatura de 42 °C com o uso de solução saturada de NaCl, sendo o mais indicado para as sementes de trevo vermelho.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BELLÉ C et al. 2014. Yield and quality of wheat seeds as a function of desiccation stages and herbicides. Journal of Seed Science 36: 63-70.

BRAGA DB et al. 2015. Metodologias de envelhecimento acelerado para avalição do vigor de sementes de trevo vermelho. Enciclopédia Biosfera 11: 1279-1289.

BRASIL. 2009. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Regras para análise de sementes. Secretaria de Defesa Agropecuária. Brasília: Mapa/ACS. 399p.

CARVALHO PCF et al. 2010. Forrageiras de Clima Temperado. In: FONSECA DM & MARTUSCELLO JA. Plantas Forrageiras. Viçosa: UFV. p. 494-537.

FONTANELI RS et al. 2012. Forrageiras para Integração Lavoura-Pecuária-Floresta na Região Sul-brasileira. Brasília: Embrapa. 542p.

FREITAS RMO et al. 2018. Accelerated aging of arugula seeds. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 13: 1-6.

JAIN N et al. 2006. Effect of Accelerated Aging on Seeds of Radish (Raphanus sativus L.). Asian Journal of Plant Sciences 5: 461-464.

JIANHUA Z & McDONALD MD. 1996. The saturated salt accelerated aging test for small-seeded crops. Seed Science and Technology 25: 123-131.

MAPA. 2005. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Trevo Vermelho (Trifolium pratense L.) e Inscrição no Registro Nacional de Cultivares – RNC. Brasília: MAPA. 399p.

MARCOS FILHO J. 1999. Teste de envelhecimento acelerado. In: KRZYZANOWSKI FC et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p.3.1-3.24.

MONTARDO DP et al. 2003. Análise de trilha para rendimento de sementes em trevo-vermelho (Trifolium pratense L.). Revista Brasileira de Zootecnia 32: 1076-1082.

NAKAGAWA J. 1999. Testes de vigor baseados no desempenho das plântulas. In: KRZYZANOWSKI FC et al. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES. p.2.1-2.24.

NERY MC et al. 2012. Produção de Sementes de Forrageiras. Lavras: UFLA. p.1-47. (Boletim técnico 88).

PEREIRA MFS et al. 2015. Teste de envelhecimento acelerado para avaliação do potencial fisiológico em sementes de coentro. Semina: Ciências Agrárias 36: 595-606.

RADKE AK et al. 2016. Alternativas metodológicas do teste de envelhecimento acelerado em sementes de coentro. Ciência Rural 46: 95-99.

RODO AB et al. 2000. Metodologia alternativa do teste de envelhecimento acelerado para sementes de cenoura. Scientia Agricola 57: 289-292.

ROSSI RF et al. 2017. Vigor de sementes, população de plantas e desempenho agronômico de soja. Revista de Ciências Agrárias 60: 215-222.

SANTOS HP et al. 2012. Gramíneas forrageiras perenes de inverno. In: FONTANELI RS et al. Forrageiras para integração lavoura-pecuária-floresta na Região Sul-Brasileira. Brasília: EMBRAPA. p.231-246.

SILVA CB et al. 2017. Accelerated aging as vigor test for sunn hemp seeds. Ciência Rural 47: 1-6.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

RODOLFO, Giselle Regina; COELHO, Cileide Maria Medeiros; EHRHARDT-BROCARDO, Natalia Carolina Moraes; SOUZA, Clovis Arruda de; BELIZÁRIO, Karla Katy. Vigor de sementes de trevo vermelho submetidas a estresse salino. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 4, p. 414–419, 2020. DOI: 10.5965/223811711942020414. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/17463. Acesso em: 13 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>