Influência de diferentes intervalos de processamento de milho doce sobre características quantitativas e qualitativas

Autores

  • Rodrigo da Silva Richieri Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano – Campus Morrinhos
  • Franciso Gilderlan Silva Costa UNICAMPO - Cooperativa de Trabalho dos Profissionais de Agronomia, Maringá, PR.
  • Juliana Nascimento Silva Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.
  • Clarice Aparecida Megguer Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Goiano, Morrinhos, GO.
  • Luiz Fernandes Cardoso Campos Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.
  • Abadia dos Reis Nascimento Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO.

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811712012021060

Palavras-chave:

Zea mays, rendimento industrial, pós-colheita., var. saccharata

Resumo

O milho doce se diferencia do milho comum devido a menores concentrações de amido em relação à sacarose em seu endosperma, característica essa que confere a cultivares deste segmento um sabor adocicado único para essa espécie vegetal. Devido à alta perecibilidade deste produto, recomenda-se que o intervalo entre a colheita e seu processamento seja o menor possível, a fim de preservar tanto características quantitativas como as de ordem qualitativa. Portanto, objetivou-se com esse trabalho estudar os efeitos ocorridos em ordem quantitativa e qualitativa em milho doce quando este é colhido e submetido ao processamento tardio, ou seja, em períodos não recomendados. O experimento foi conduzido em delineamento experimental de blocos ao acaso, com cinco repetições. Adotou-se como períodos de processamento das espigas 0, 4, 8, 12, 16, 20 e 24 horas após a colheita. Características como peso fresco da espiga com palha, sem palha, somente do sabugo e somente dos grãos oriundos do processamento foram anotados bem como seu rendimento industrial. Também foram avaliados a umidade da amostra, teor de sólidos solúveis, acidez titulável, teor de sacarose e de açúcares redutores. Durante os períodos de armazenamento pós-colheita e pré-processamento das espigas de milho doce não foi verificado ganhos ou perdas em caráter quantitativo. Verificou-se uma redução de 15,6% na concentração de sólidos solúveis, em função do período de processamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AROUCHA EMM et al. 2010. Acidez em frutas e hortaliças. Revista Verde 5: 1-4.

BRAZ RF et al. 2006. Perda de peso pós-colheita de espigas de milho-verde em função de diferentes formas de acondicionamento. Revista Brasileira de Milho e Sorgo 5: 139-144.

CAMILO JS et al. 2015. Aceitação sensorial de híbridos de milho doce e híbridos de milho verde em intervalos de colheita. Revista Ceres 62: 1-8.

CARDOSO MRD et al. 2014. Classificação climática de Köppen-Geiger para o estado de Goiás e o Distrito Federal. Acta Geográfica 16: 40-55.

CHITARRA MIF & CHITARRA AB. 2005. Perdas pós-colheita. In: CHITARRA MIF & CHITARRA AB. Pós-colheita de frutas e hortaliças: fisiologia e manuseio. Lavras: UFLA. p.151-202.

DUBOIS M et al. 1956. Colorimetric method for determination of sugars and related substances. Analytical Chemistry 28: 350-356.

EMBRAPA. 2013. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. 3.ed. Brasília: Embrapa.

FRANÇOSO ILT et al. 2008. Alterações físico-químicas em morangos (Fragaria anassa Duch.) irradiados e armazenados. Ciência e Tecnologia de Alimentos 28: 614-619.

JESUS AA et al. 2016. Análise econômica da produção do milho doce cultivado com aplicação de bioestimulante via semente. Revista de la Facultad de Agronomía 115:119-127.

KERBAUY GB. 2008. Fisiologia Vegetal. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara Koogan.

KWIATKOWSKI A & CLEMENTE E. 2007. Caracterização do milho doce (Zea mays L.) para industrialização. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial 1: 93-103.

LUZ JMQ et al. 2014. Produtividade de genótipos de milho doce e milho verde em função de intervalos de colheita. Horticultura Brasileira 32: 163-167.

MAMEDE AMGN et al. 2009. Conservação pós-colheita de espigas de milho verde minimamente processado sob diferentes temperaturas. Ciência e Agrotecnologia 33: 200-206.

MORETTI CL & HENZ GP. 2002. Manuseio pós-colheita de milho doce. In: PEREIRA FILHO IA. (Ed.). O cultivo do milho-verde. Brasília: Embrapa. p.195-204.

NELSON NA. 1944. Fotometric adaptaion of Somogyi method for the determination of glucose. Journal of Biological Chemistry 153: 375-380.

PARENTONI SN et al. 1990. Milho doce. Informe Agropecuário 14: 17-22.

PERFEITO DGA et al. 2017. Caracterização pós-colheita de milho doce submetido ao parcelamento de fertirrigação nitrogenada. Brazilian Journal of Food Technology 20: e2016140.

PEREIRA FILHO IA & TEIXEIRA FF (Ed.). 2016. O cultivo do milho-doce. Brasília: Embrapa.

PINTO UM et al. 2019. Deterioração microbiana dos alimentos. In: JOSÉ JFBS & ABRANCHES MVI. Microbiologia e higiene de alimentos: teoria e prática. Rio de Janeiro: Rubio. p.33-54.

SILVA MF et al. 2020. Selection indexes for agronomic and chemical traits in segregating sweet corn populations. Horticultura Brasileira 38: 71-77.

SOUZA EJ et al. 2016. Características da espiga do milho doce produzido sob diferentes lâminas de irrigação e doses nitrogenadas. Engenharia na Agricultura 24: 50-62.

VENDRUSCOLO et al. 2018. Viabilidade econômica do cultivo de milho doce submetido à inoculação com Azospirillum brasilense e soluções de tiamina. Revista de Ciências Agrárias 61: 1-7.

XIAOLONG S & YUNFEI L. 2011. Quality control of fresh sweet corn in controlled freezing-point storage. African Journal of Biotechnology 10: 14534-14542.

ZÁRATE NAH et al. 2009. Produção e renda líquida de milho verde em função da época de amontoa. Semina: Ciências Agrárias 30: 95-100.

ZUCHARELI C et al. 2012. Doses e épocas de aplicação de nitrogênio em cobertura na qualidade fisiológica de sementes de milho doce. Revista Brasileira de Sementes 34: 480-487.

Downloads

Publicado

2021-03-29

Como Citar

RICHIERI, R. da S.; COSTA, F. G. S.; SILVA, J. N.; MEGGUER, C. A.; CAMPOS, L. F. C.; NASCIMENTO, A. dos R. Influência de diferentes intervalos de processamento de milho doce sobre características quantitativas e qualitativas. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 20, n. 1, p. 060 - 068, 2021. DOI: 10.5965/223811712012021060. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/17264. Acesso em: 25 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Plantas e Produtos Derivados