Adição da macroalga Kappaphycus alvarezii em rações de frangos de corte na fase inicial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/223811711942020446

Palavras-chave:

Alga, Aminoácidos, Desempenho, Digestibilidade, Qualidade óssea

Resumo

Foi realizado um experimento para avaliar a digestibilidade de nutrientes, o desempenho zootécnico e parâmetros de qualidade óssea de frangos de corte alimentados, de um a 21 dias de idade, com rações contendo níveis crescentes da macroalga Kappaphycus alvarezii. O total de 150 frangos da linhagem Cobb 500® foram distribuídos em um delineamento experimental inteiramente casualizado, com cinco tratamentos, seis repetições e cinco aves por repetição. O ensaio de metabolismo utilizado foi o de coleta total de excretas, do 15º ao 20º dia. Os parâmetros ósseos avaliados foram o índice de Seedor, resistência a quebra e cinzas ósseas. A macroalga seca e moída foi adicionada às rações de frango de corte nos valores de 0%, 0,5%, 1,0%, 1,5% e 2,0%; em substituição ao inerte caulim. A adição de Kappaphycus alvarezii não influenciou os parâmetros de desempenho, os parâmetros de qualidade óssea e os coeficientes de retenção de cinzas e do fósforo. Na avaliação da digestibilidade das rações foram observadas reduções (p<0,05) na energia metabolizável aparente e nos coeficientes de digestibilidade da matéria seca, da proteína bruta e da energia bruta com a inclusão da alga. A alga Kappaphycus alvarezii apresenta potencial como aditivo nas rações de frangos de corte, mas deve ser considerada a possível diminuição da digestibilidade da dieta.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABUDABOS AM et al. 2013. Nutritional Value of Green Seaweed (Ulva Lactuca) for Broiler Chickens. Italian Journal of Animal Science 12: e.28.

AOAC. 1995. Association of Official Analytical Chemistry. Official methods of analysis. 16.ed. Arlington: AOAC International.

BRITO MS et al. 2008. Polissacarídeos não amiláceos na nutrição de monogástricos - Revisão. Acta Veterinaria Brasilica 2: 111-117.

BRUNO LDG. 2002. Desenvolvimento ósseo em frangos: influência da restrição alimentar e da temperatura ambiente. Tese (Doutorado em Zootecnia). Piracicaba: UNESP. 77p.

CORNISH ML & GARBARY DJ. 2010. Antioxidants from macroalgae: potential applications in human health and nutrition. Algae 25: 155-171.

DILELIS F et al. 2019. Metabolizable energy of rice bran, cottonseed meal and wheat bran for slow-growing broilers at two ages. Ciência Animal Brasileira 20: e46537.

EL GAMAL AA. 2012. Biological importance of marine algae. In: Se-Kwon Kim (Ed.) Handbook of marine macroalgae: biotechnology and applied phycology. Nova Jersey: John Wiley & Sons.

FAITARONE ABG et al. 2012. Qualidade óssea de poedeiras comerciais leves alimentadas com rações suplementadas com diferentes óleos vegetais. Veterinária e Zootecnia 19: 356-365.

FAO. 2012. The state of world fisheries and aquaculture. Rome: FAO. 210p.

HARMUTH-HOENE A & SCHWERDTFEGER E. 1979. Effect of Indigestible Polysaccharides on Protein Digestibility and Nitrogen Retention in Growing Rats. Annals of Nutrition and Metabolism 23: 399-407.

IJI PA & KADAM MM. 2013. Prebiotic properties of algae and algae-supplemented products A2 In: DOMÍNGUEZ H. (Ed.) Functional Ingredients from Algae for Foods and Nutraceuticals. Cambridge: Woodhead Publishing. p.658-670.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. 2008. Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Adolfo Lutz. 1020p.

KRÁS RV et al. 2013. Effect of dietary fiber, genetic strain and age on the digestive metabolism of broiler chickens. Brazilian Journal of Poultry Science 15: 83-90.

KUMAR KS et al. 2015. Seasonal variation in nutritional composition of Kappaphycus alvarezii (Doty) Doty-an edible seaweed. Journal of Food Science and Technology 52: 2751-2760.

MATTERSON LS et al. 1965. The metabolizable energy of feed ingredients for chickens. Storrs: Agricultural Experiment Station Research Report 7: 11.

MELO TV et al. 2008. Calidad del huevo de codornices utilizando harina de algas marinas y fosfato monoamónico. Archivos de Zootecnia 57: 313-319.

NECAS J & BARTOSIKOVA L. 2013. Carrageenan: a review. Veterinarni Medicina 58: 187-205.

PRABHA V et al. 2013. Analysis of Bioactive compounds and Antimicrobial activity of Marine algae Kappaphycus alvarezii using Three Solvent Extracts. International Journal of Pharmacy and Pharmaceutical Sciences and Research 4: 306-310.

PUSHPARAJ A et al. 2014. An Antibacterial activity of the Green Seaweed Caulerpha Sertularioides using Five Different Solvents. International Journal of ChemTech Research 6: 1-5.

QADRI SSN et al. 2019a. Production performance, immune response and carcass traits of broiler chickens fed diet incorporated with Kappaphycus alvarezii. Journal of Applied Phycology 31: 753-760.

QADRI SSN et al. 2019b. Physico-biochemical and microbial characteristics of broiler chicken meat fed diet incorporated with Kappaphycus alvarezii. Journal of Applied Phycology 31: 3949–3955.

ROSTAGNO HS et al. 2017. Tabelas brasileiras para aves e suínos: composição de alimentos e exigências nutricionais de aves e suínos. 4.ed. Viçosa: UFV. 488p.

SEEDOR JG et al. 1991. The biophosphonate alendronate (MK-217) inhibits boné loss due to ovariectomy in ratas. Journal of Bone and Mineral Research 6: 339-346.

SYAMSUDDIN R et al. 2019. Weight gain and carrageenan content of Kappaphycus alvarezii (Rhodophyta, Solierisceae) polycultured with Sargassum polycystum (Paeophyta, Sargassaceae). In: IOP Conf. Series: Earth and Environmental Science. p.253.

VAN SOEST PJ et al. 1991. Methods for dietary fiber, neutral detergent fiber, and nonstarch polysaccharides in relation to animal nutrition. Journal of Dairy Science 74: 3583-3597.

XIREN GK & AMINAH A. 2017. Kappaphycus alvarezii found in the waters of Langkawi and Sabah, Malaysia. International Food Research Journal 24: 1255-1260.

Downloads

Publicado

2020-12-14

Como Citar

QUIRINO, S. M. de B. M.; QUARESMA, D. V.; DILELIS, F.; FREITAS, L. W. de; MACHADO, C. A.; VELLOZO, E.; LIMA, M. F. de; LIMA, C. A. R. de. Adição da macroalga Kappaphycus alvarezii em rações de frangos de corte na fase inicial. Revista de Ciências Agroveterinárias, Lages, v. 19, n. 4, p. 446 - 453, 2020. DOI: 10.5965/223811711942020446. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/agroveterinaria/article/view/17258. Acesso em: 8 jun. 2023.

Edição

Seção

Artigo de Pesquisa - Ciência de Animais e Produtos Derivados

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)