Formação de espectadores na escola: mediações e desdobramentos estéticos do espetáculo “Axé Nzinga”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573101342019204

Resumo

Este artigo apresenta a descrição e análise das mediações realizadas com estudantes espectadores do Centro de Ensino Médio Urso Branco (Núcleo Bandeirante – Brasília/DF) a partir da recepção teatral de “Axé Nzinga”, de Jonas Sales, em 2017, no auditório da escola. Apresenta o contexto escolar, a sinopse do espetáculo e as mediações realizadas pelo ator, pela professora de Arte e pelos graduandos bolsistas do PIBID-Teatro da Universidade de Brasília. Propõe um diálogo entre a Pedagogia da Autonomia (Freire, 2006), o Método Recepcional (Aguiar e Bordini, 1993), a Pedagogia do Espectador (Desgranges, 2008) e a Estética do Oprimido (Boal, 2009), em prol da ampliação de leitura de mundo dos estudantes-espectadores. Encontra neste diálogo caminhos possíveis para a formação de espectadores oprimidos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Martha Lemos de Moraes, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Pedagogia do Teatro pela Universidade de São Paulo (orientador: Flávio Desgranges); professora voluntária na Universidade de Brasília; professora de Arte na Secretaria de Educação do Distrito Federal.

Downloads

Publicado

2019-04-04

Como Citar

MORAES, Martha Lemos de. Formação de espectadores na escola: mediações e desdobramentos estéticos do espetáculo “Axé Nzinga”. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 1, n. 34, p. 204–223, 2019. DOI: 10.5965/1414573101342019204. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/1414573101342019204. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Pedagogia das Artes Cênicas: desafios e resistência