Pesquisa de tendências de moda na indústria catarinense

uma análise a partir dos conceitos de colonialismo e eurocentrismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/18083129152021e0018

Palavras-chave:

Moda, Pesquisa de mercado, Vestuário - Indústria - Santa Catarina, Movimentos sociais

Resumo

O presente artigo tem foco na pesquisa de tendências de moda realizada na indústria catarinense, relacionando com conceitos de colonialismo e eurocentrismo. Por meio de um questionário aplicado a estilistas e designers de moda, observou-se que estes têm a Europa como principal referência de pesquisa, mas que também valorizam a análise e o lançamento de tendências nacionais. Para entender este fenômeno, a revisão de literatura apresenta um apanhado histórico do surgimento das tendências de moda e da centralização da moda na Europa. Somado a isso, são estudados os conceitos de colonialismo e eurocentrismo, difundidos na América Latina por teóricos como Aníbal Quijano (2005) e Edgardo Lander (2005). O artigo busca pontuar as possíveis consequências da hegemonia da moda europeia na pesquisa de tendências realizada pela indústria catarinense, já que dessa forma expõe-se ao risco de perder autonomia e identidade na moda lançada pelo estado, tornando deficitário o quesito inovação e diferenciação de mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isadora Guercovich, Centro Universitário Católica de Santa Catarina

Graduada em Design de Moda pela Católica de Santa Catarina (2020), com passagem pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI (2015-2017). Tem formação técnica no SENAI de Blumenau em Produção de Moda. Trabalhou com desenvolvimento de produto e pesquisa na Dalila Têxtil por 7 anos (2013-2020).

Carlos Alberto Silva, Universidade Regional de Blumenau

Possui graduação em Letras pela Fundação Universidade Regional de Blumenau (1997), mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (2003) e doutorado em Ciências da Linguagem pela Universidade do Sul de Santa Catarina (2016). Professor substituto da Universidade Regional de Blumenau (2002 a 2018 e atualmente de 09/2020), professor colaborador da Universidade do Estado de Santa Catarina (2018), professor colaborador da Universidade Federal do Recôncavo da
(2019). Membro associado da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros (ABPN), diretor de imprensa e comunicação do Sindicato dos Servidores Públicos do Ensino Superior de Blumenau (2010 a 2018) e coordenador do Núcleo de Estudos Afro-brasileiro (Neab) da Universidade Regional de Blumenau (2014 a 2018). Apresentador do programa Batuque na Cozinha pela FURB FM (2006 a 2018) e apresentador do programa Cidadania em Debate pela FURB TV (2010 a 2018), ambos do Núcleo de Rádio e TV Educativa da Universidade Regional de Blumenau. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em arte; cultura; publicidade; propaganda, jornalismo; redação publicitária e redação jornalística; crônica; narrativa; revista; publicidade; propaganda e experiência na área de Letras, com ênfase em literatura infanto-juvenil e língua portuguesa, diversidade, cultura e educação das relações étnico-raciais.

Thaissa Schneider, Unifebe - Centro Universitário de Brusque e Centro Universitário Católica de Santa Catarina

Possui mestrado em Design pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (2013), MBA em Comunicação e Marketing em Mídias Digitais pela Universidade Estácio de Sá (2017), especialização em Design de Moda pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (2005) e graduação em Moda pela Universidade do Estado de Santa Catarina - UDESC (2002). É professora dos cursos de Design, Design de Moda e da Pós-Graduação em Gestão e Criação de Moda do Centro Universitário - Católica de Santa Catarina, em Jaraguá do Sul. Atua nas disciplinas de Produção de Moda, Fotografia Digital, Comunicação de Moda, Desenvolvimento de Coleção, Projetos Integradores e também é professora responsável de Estágio e TCC. É também professora no curso de Design de Moda da Unifebe, em Brusque SC, atuando nas disciplinas de Produção de Moda, Pesquisa de Tendências, Projeto de Moda: Coleção de Vestuário e Projeto de Moda: Coleção de Calçados e Acessórios.

Referências

ANDRIGHI, O. Análise do comércio externo da indústria têxtil-confecções de Santa Catarina: 1996-2005. Trabalho de Conclusão de Curso (Bacharelado em Economia) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007. Disponível em: http://tcc.bu.ufsc.br/Economia293523. Acesso em: 20 mar. 2020.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DA INDÚSTRIA TÊXTIL E DE CONFECÇÃO. O Poder da Moda: cenários, desafios , perspectivas. agenda de competitividade da indústria têxtil e de confecção brasileira 2015 a 2018. São Paulo: ABIT, 2019. Disponível em: https://www.abit.org.br/cont/cartilha-o-poder-da-moda. Acesso em: 20 mar. 2020.

BERGAMO, A. A Experiência do status: roupa e moda na trama social, São Paulo, Ed. Unesp, 2007.

CAMPOS, A. Q. Expertise e legitimidade: os bureaux de style e a moda contemporânea. dObra[s], São Paulo, v. 12, n. 27, p. 193-205, set./dez. 2019. DOI: https://doi.org/10.26563/dobras.v12i27.989. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/989. Acesso em: 11 mai. 2021.

CAMPOS, A. Q. Tendências globais? Pesquisa acerca das sedes dos bureaux de style. Tríades em Revista, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 1-14, 2017. Disponível em: https://triades.emnuvens.com.br/triades/article/download/70/35/. Acesso em: 20 maio. 2020.

ERNER, G. Sociologia das tendências. São Paulo: GG Moda, 2015.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODART, F. Sociologia da moda. São Paulo: SENAC-SP, 2010.

LANDER, E. Ciências sociais: saberes coloniais e eurocêntricos. In: LANDER, E. (org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires : CLACSO, 2005. p. 21-53. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/lander/pt/lander.html. Acesso em: 10 jun. 2020

LANDER, E. Marxismo, eurocentrismo y colonialismo. In: BORON, A. A.; AMADEO, J.; GONZÁLEZ, S. (comp.). La teoría marxista hoy: problemas y perspectivas. Buenos Aires, CLACSO, 2006. p. 209-246

LUCLKTENBERG, I. A indústria têxtil catarinense e o caso da Cia. Hering. 2004. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2004.

MARTINO, L. M. S. Métodos de pesquisa em comunicação: projetos, ideias, práticas. Rio de Janeiro: Vozes, 2018.

MICHETTI, M. Moda brasileira e mundialização: mercado mundial e trocas simbólicas. 2012. Tese ( Doutorado em Sociologia) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas, São Paulo, 2012.

MICHETTI, M. Moda e globalização no Brasil contemporâneo dObra[s], São Paulo, v. 3, n. 5, p. 62-67, 10 fev. 2009. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras/article/view/310. Acesso em: 15 maio 2020.

MICHETTI, M. Por que a “moda brasileira” quer ser global? Desigualdade das trocas simbólicas mundiais e ethos dos atores da moda nacional. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 515 – 533, ago. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/sant/v5n2/2238-3875-sant-05-02-0515.pdf. Acesso em: 20 maio 2020.

MIRANDA, A. P. Consumo de moda: a relação pessoa-objeto. Barueri: Estação das Letras e Cores, 2008.

NO MERCADO desde 2000, Use Fashion lança nova plataforma de pesquisa. In: MARIOTTI, A. (ed.). Website FFW, São Paulo, 14 set. 2018. NEWS. Disponível em: https://ffw.uol.com.br/noticias/moda/no-mercado-desde-2000-use-fashion-lanca-nova-plataforma-de-pesquisa/. Acesso em: 10 jun. 2020

PERES, A. L. N.; GHIZZO, M. R. O imperialismo da moda europeia. DAPesquisa, Florianópolis, v. 14, n. 23, p. 124-141, ago. 2019. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/1808312914232019124. Acesso em: 20 maio 2020.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: LANDER, E. (org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Buenos Aires : CLACSO, set. 2005. p. 227-278. Disponível em: http://biblioteca.clacso.edu.ar/ar/libros/lander/pt/lander.html. Acesso em: 10 jun. 2020

RECH, S. R. ; PERITO, R. Z. Sobre Tendências de Moda e Sua Difusão. DAPesquisa , v. 2, Florianópolis, p. 01-07, 2009. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/14239. Acesso em: 20 maio 2020.

RECH, S. R. Cadeia Produtiva da Moda: um modelo conceitual de análise da competitividade no elo confecção. 2006. Tese (Doutorado em Engenharia de Produção ) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

RETANA, C. Las artimañas de la moda: la ética colonial/imperial y sus vínculos con el vestido moderno. Revista de Filosofía de la Universidad de Costa Rica, Costa Rica, v. 47, n. 122, p. 87-96, set./dez. 2009. Disponível em: https://revistas.ucr.ac.cr/index.php/filosofia/article/view/7340. Acesso em: 15 mar. 2020.

SANT'ANNA, M. R. Sociabilidades coloniais: entre o ver e o ser visto. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2017.

SANT'ANNA, M. R. Teoria de Moda: sociedade, imagem e consumo. Barueri: Estação das Letras, 2017.

SANT’ANNA, P.; BARROS, A. R. Pesquisa de tendências para moda. In: COLÓQUIO DE MODA, 7., 2011. Anais [...] São Paulo: ABEPEM, 2011. p. 1-10. Disponível em: http://coloquiomoda.com.br/anais/Coloquio%20de %20Moda%20-%202011/GT02/GT/. Acesso em: 15 mar. 2020.

SANTOS, H. H. O. Uma análise teórico-política decolonial sobre o conceito de moda e seus usos. ModaPalavra, Florianópolis, v. 13, n. 28, p. 164–190, abr./jun. 2020. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/modapalavra/article/view/15948. Acesso em: 20 maio 2020.

Publicado

2021-05-27

Como Citar

GUERCOVICH, I. M.; SILVA, C. A.; SCHNEIDER, T. . Pesquisa de tendências de moda na indústria catarinense: uma análise a partir dos conceitos de colonialismo e eurocentrismo . DAPesquisa, Florianópolis, v. 16, p. 01-23, 2021. DOI: 10.5965/18083129152021e0018. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/19291. Acesso em: 24 out. 2021.