O que é escrita performativa?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312915252020e0015

Palavras-chave:

Artes cênicas, Escrita e arte, Performance (Arte)

Resumo

Este texto é uma apresentação de formulações, modos e imagens a partir da pergunta-título ‘o que é escrita performativa?’, apresentando a coletânea de textos da proposta Do tema aos modos, reflexões e invenções: pesquisa em artes e as escritas da pesquisa, produzidos por artistas-pesquisadoras e pesquisadores de diferentes universidades brasileiras, que trazem consigo o interesse e exercício reflexivo da Pesquisa em Arte na e pela escrita, através de seus procedimentos e possibilidades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ines Saber de Mello, Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT/UDESC)

É doutoranda e mestra pelo Programa de Pós Graduação em Teatro da UDESC, graduada em Dança (UNESPAR) e em Letras Inglês (UFPR); professora-estudante, faz uma meta-pesquisa sobre e com corpo, escrita, dança, performance e poesia, buscando ações, espaços e experiências coletivas de outras escritas nas Pesquisas em Artes. inessaber@gmail.com

Franciele Machado de Aguiar, Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT/UDESC)

Franciele Machado de Aguiar é Bacharela em Teatro pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, mestra em Artes Cênicas pelo PPGAC-UFRGS e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Fran é atriz, professora, gosta de escutar as vozes das pessoas e prefere cantar a falar. Quando ainda podia contar a idade nos dedos de uma única mão, transformou em microfone um pedaço de cano de PVC. Ao encontrar dramaturgia na estante da biblioteca da escola, decidiu brincar de teatro e o fez. E o faz. Tem meia dúzia de gatos: uma delas se chama Cigana e gosta de acompanhar as escritas deitada sobre livros e anotações feitas à mão.

Jussara Belchior Santos, Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT/UDESC)

Jussara Belchior (Jussara Belchior Santos) é bailarina gorda e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Teatro da UDESC. Mestra em Teatro (2017) pelo mesmo programa e Bacharela em Comunicação das Artes do Corpo – Habilitação Dança, pela PUC/SP (2007). Em seu trabalho solo Peso Bruto (2017) investiga sobre os tabus e preconceitos sobre as gordas. Interessa-se poéticas e políticas de movimento e posicionamento através da dança

Luane Pedroso de Oliveira, Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT/UDESC)

Bacharela em Educação Física pela Universidade Estadual de Maringá (UEM), mestra em Teatro pelo PPGT-UDESC e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). É atriz, bailarina, gosta muito de teatro de bonecos. Arrisca-se em instrumentos percussivos e adora música brasileira. Nasceu em uma família de artistas, o que para ela foi de vital importância em sua formação, que se deu, sobretudo, do lado de fora da Academia. Ama cachorros e dias de sol. Prefere teatro a cinema. Não acredita no capitalismo. Gosta de escrever despretensiosamente. Tem a sorte de amar o que faz.

Matheus Abel Lima de Bitencourt, Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGAV/UDESC)

Matheus Abel é artista visual e mestrando em Processos Artísticos Contemporâneos na Universidade do Estado de Santa Catarina. Investiga processos de escrita e modos de leitura, propondo relações e tensões via a série de trabalhos mapas/esquemas/diagramas. Pensa o pensar o processo enquanto obra.

Tereza Franzoni, Universidade do Estado de Santa Catarina (PPGT/UDESC)

Possui graduação em Ciências Sociais, mestrado e doutorado em Antropologia Social pela Universidade Federal de Santa Catarina. Atualmente é professora do Departamento de Artes Cênicas e do Programa de Pós Graduação em Teatro da Universidade do Estado de Santa Catarina. Tem experiência nas áreas de Sociologia, Antropologia e Metodologia de Pesquisa, e atuado na área de Educação do Campo com projetos de extensão e pesquisa nessa área.

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. The danger of a single story. [S. l.: s. n], jul. 2009. 1 vídeo (18 min., 34 sec.). Website: TED Ideas Worth Spreading. Disponível em: https://www.ted.com/talks/chimamanda_ngozi_adichie_the_danger_of_a_single_story. Acesso em: 12 fev. 2020.

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte: Editora UFMG; 2005.

AGAMBEN, G. Signatura rerum: sobre o método. Barcelona: Anagrama, 2010.

ANZALDÚA, G. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Revista Estudos Feministas. Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 229-236, 2000. DOI: https://doi.org/10.1590/%25x. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view /9880/9106. Acesso em: 12 fev. 2020.

AUSTIN, J. L. Quando dizer é fazer: palavras e ação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

BASBAUM, R. R. Manual do artista – etc. Rio de Janeiro: Beco do Azougue, 2013.

BUTLER, J. Cuerpos que importan. Sobre los limites materiales y discursivos del “sexo”, In: TAYLOR, D.; FUENTES, M. (org). Estudios avanzados de performance, México: Fondo de Cultura Economica USA, 2011. p. 51-90.

CABALLERO, I. D. Cenários liminares: teatralidades, performances e política. Uberlândia: EDUFU, 2016.

EINSTEIN, A. A Teoria da Relatividade Especial e Geral. São Paulo: Atlas,1991.

FERNANDES, C. Pesquisa Somático-Performativa: sintonia, sensibilidade, integração. Art Research Journal, Natal, RN, v. 1, n. 2, p.76-95, jul./dez. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/5262/4239. Acesso em: 12 dev. 2020.

FORTIN, S.; GOSSELIN, P. Considerações metodológicas para a pesquisa em arte no meio acadêmico. Art Research Journal, Natal, RN, v. 1, n. 1, p. 1-17, jan./jun. 2014. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/artresearchjournal/article/view/5256/4314. Acesso em: 12 fev. 2020.

FOUCAULT, M.l. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 2012.

GOFFMAN, E. The presentation of self in everyday life. New York: Doubleday, 1959.

HASEMAN, B. Manifesto for Performative Research. Media International Australia incorporating Culture and Policy, Austrália, n. 118, feb. 2006. p. 98-106.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. 2. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

HOOKS, B. O feminismo é para todo mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2018. E-book. Disponível em: https://www.record.com.br/produto/o-feminismo-e-para-todo-mundo-2/. Acesso em: 12 fev. 2020.

LADDAGA, R. Estética da emergência: a formação de outra cultura das artes. São Paulo: Martins Fontes, 2012.

LAWRENCE, W. Weiner Lawrence interview: the means to answer questions. [S.l.: s.n], 17 mar. 2014. 1 vídeo (12 min., 29 sec.). Entrevista cedida ao canal Louisiana Channel. Disponível em: https://youtu.be/AscU8wKzbbE. Acesso em: 14 fev. 2020.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma Introdução à teoria do Ator-Rede. Salvador, BA : EDUFBA, 2012.

LYRA, L. de F. R. P. de. Guerreiras e Heroínas em performance: Da artetnografia à Mitodologia em Artes Cênicas. 2010. Tese (Doutorado em Artes Cênicas), Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2011. Disponível em: http://repositorio.unicamp.br/jspui/handle/REPO SIP/284426. Acesso em: 12 fev. 2020.

MONTAIGNE, M. de. Os Ensaios: livro I. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (org.). Pistas do método de cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.

RAGO, M. A aventura de contar-se: feminismos, escritas de si e invenções da subjetividade. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

RIBEIRO, D. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

ROCHA, T. O que é dança contemporânea? Salvador: Conexões criativas, 2016.

SANTOS, C. M. dos; BIANCALANA, G. R. Autoetnografia: um caminho metodológico para a pesquisa em artes performativas. Revista Aspas, São Paulo, v. 7, n. 2, p. 53-63, 2017. DOI: https://doi. org/10.11606 /issn.2238-3999.v7i2p53-63. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/aspas/article /view/137980 . Acesso em: 17 fev. 2020.

SCHECHNER, R. Performance studies: an introduction. 2. ed. New York : Routledge, 2006.

TAYLOR, D. O arquivo e o repertório: performance e memória cultural nas Américas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

ZAMBONI, S. A pesquisa em arte: um paralelo entre arte e ciência. Campinas, SP: Autores Associados, 1998.

Publicado

2020-10-20

Como Citar

SABER DE MELLO, I.; AGUIAR, F. M. de; BELCHIOR SANTOS, J.; PEDROSO DE OLIVEIRA, L.; BITENCOURT, M. A. L. de; FRANZONI, T. O que é escrita performativa?. DAPesquisa, Florianópolis, v. 15, n. esp., p. 01-24, 2020. DOI: 10.5965/1808312915252020e0015. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/17922. Acesso em: 22 jun. 2021.