Práticas teatrais no MST

Autores

  • Márcia Pompeo Nogueira Udesc
  • Guilherme Rótulo Udesc

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312902042007082

Palavras-chave:

Teatro em comunidade, MST, místicas, CTO, teatro do oprimido

Resumo

Esta pesquisa visa investigar o fazer teatral do Movimento dos trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). No panorama proposto, incluímos as Místicas, que existem desde a criação do MST, em 1984, e o Teatro, sistematizado em 2001 a partir da parceria com o Centro do Teatro do Oprimido. Analisamos como a apropriação do teatro por este movimento político gera uma organização que favorece a disseminação de forma articulada dessa prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

STEDILE, João P. FERNANDES, Bernardo M. Brava Gente: a trajetória do MST e a luta pela Terra no Brasil. São Paulo: Perseu Abramo, 1999.

MORISSAWA, Mitsue. A História da Luta pela Terra e o MST. São Paulo: Expressão Popular, 2001. PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2005.

BOAL, Augusto. Jogos para Atores e Não Atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. LIMA, Eduardo Sales de. “A Celebração do Mistério” in: Jornal Brasil de Fato, Ano 5 – nº 225, 2007.

ESTEVAM, Douglas. “Teatro e Movimentos Sociais: trajetória de uma estética política na luta de classes”.

Brigada de Teatro Patativa do Assaré – MST. (Não publicada).

Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. “Teatro Popular, Território e Movimento” http://www.mst.org.br/mst/pagina.php?cd=2207.

Centro do Teatro do Oprimido. “MST - Patativa do Assaré”. In: http://www.ctorio.org.br/mst.htm.

-----, “Teatro do Oprimido e MST”. In: http://www.ctorio.org.br/historico.htm.

BÔAS, Rafael. “Sem Terra Identificam suas lutes em experiências teatrais do MST”. In: http://www.mst.org.br/mst/pagina.php?cd=1500.

-----, “Teatro e Reforma Agrária: a inserção do Teatro do Oprimido no MST”. In: http://www.mst.org.br/mst.

Downloads

Publicado

2019-11-26

Como Citar

NOGUEIRA, M. P.; RÓTULO, G. Práticas teatrais no MST. DAPesquisa, Florianópolis, v. 2, n. 4, p. 082-089, 2019. DOI: 10.5965/1808312902042007082. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/15974. Acesso em: 30 jul. 2021.

Edição

Seção

Artes Cênicas