Panorama Inclusivo na perspectiva do Ensino de Ciências em escolas de Nível Fundamental da cidade de Codó (MA)

Autores

  • Clara Virgínia Vieira Carvalho Oliveira Marques Universidade Federal do Maranhão
  • Evene Thais Austríaco Coelho Universidade Federal do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.5965/1984317812032016226

Palavras-chave:

Educação, Ciências, Ensino, Inclusão,

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo entender o universo do ambiente educacional no tocante processo de inclusão social de alunos com deficiências nas escolas de nível fundamental (6º ao 9º ano) da cidade de Codó – Maranhão. A partir deste trabalho, obteve-se uma visão panorâmica das condições de acessibilidade das escolas e a quantidade de alunos com deficiências que frequentam as mesmas. Os resultados evidenciaram que o processo de ensino-aprendizagem das ciências para alunos com deficiências no ensino regular segue-se a partir de medidas tradicionais abordadas pelos professores, uma vez que a falta de uma formação e ou capacitação profissional na área da educação especial ou educação inclusiva é considerada por unanimidade dos entrevistados com um dos maiores entraves para o desenvolvimento da inclusão nos ambientes educacionais.

Biografia do Autor

Clara Virgínia Vieira Carvalho Oliveira Marques, Universidade Federal do Maranhão

Professora Adjunta I da Coordenação do Curso de Licenciatura em Ciências naturais, pesquisadora na área de Ensino de Ciências - Coordenadora do grupo de Pesquisa em Ensino de Ciências naturais - Professora permanente do programa de pós-graduação em Ensino de Ciências e Matemática (PPECEM) e Programa de pós-graduação em Gestão da Educação Básica (PPEGEB)

Evene Thais Austríaco Coelho, Universidade Federal do Maranhão

Graduanda do Curso de Licenciatura em Ciências Naturais/Bio pela Universidade Federal do Maranhão - Campus Codó; Ex- Bolsista do Projeto de Extensão Universitária - Alfabetização e Letramento na Educação Especial desenvolvido na Instituição Pestalozzi de Codó-MA; atuou em diversas Atividades Culturais envolvendo a Comunidade Acadêmica e a Comunidade Escolar; Cursos na Área da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS.

Referências

ARRUDA, Ana Maria; BANQUINHO, Fátima Tereza; BUENO, Shirley Neves. Ciências no Ensino Fundamental. p. 117-210, 2006. Disponível em:http://www.curriculo-uerj.pro.br/imagens/docPub/05_ciencia_174.pdf>. Acesso em: 11 de Mar. 2015.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Resolução CBE/CEB nº 2, de 11 de Setembro de 2001.

BRASIL. ABNT NBR 9050, de 31 de Maio de 2004.

BRASIL. Constituição, 1988.

BRASIL. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948.

BRASIL. Declaração de Salamanca, 1994.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/livro01.pdf> Acesso em: 07 de Jul. 2015.

BELEI, Renata Aparecida; PASCHOAL, Sandra Regina. Et. al. O uso de entrevista, Observação e Videogravação em Pesquisa Qualitativa. Cadernos de Educação. Pelotas. P. 187 - 199, janeiro/junho 2008.

CARLETO, Eliane Aparecida; SOUSA Ivete Cristina. et. al. Sala de Recursos Multifuncionais. Inclusão ou Exclusão Escolar? Revista História e Diversidade, v.2, nº1, p.129 – 154. 2013.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 2 ed. Ijuí:Unijuí, 2002. 440p.

FOGLI, Bianca Fátima; FILHO, Lucindo Ferreira, OLIVEIRA, Margareth Maria. Inclusão na educação: uma reflexão crítica da prática. In: SANTOS, Mônica Pereira; PAULINO, Marcos Moreira. Inclusão em Educação: Cultura, Políticas e Práticas. São Paulo, 2008. P. 107 – 121.

GALLO, Emanuela Gerutti; ORSO, Kelen Daiane; FIÓRO, Franciane Barbieri. Análise da Acessibilidade das pessoas com deficiência física nas escolas de Chapecó-SC e o papel do fisioterapeuta no ambiente escolar. O Mundo da Saúde, São Paulo. P. 201-207.2011.

GOMES, Paulo; BASSO, Sabrina. O Ensino de Biologia mediado por Libras: Perspectivas de Licenciandos em Ciências Biológicas. Trilhas Pedagógicas, Botucatu, v. 4, n. 4, p. 40 – 63, Ago. 2014.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar. Disponível em: <http://portal.inep.gov.br/basica-censo-escolar-matricula>. Acesso em: 15 de Jul. 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: <http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/tabelas_pdf/total_populacao_maranhao.pdf>. Acesso em: 15 de Jul. 2015.

LÜDKE, Menga. (et al). Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

LIPPE, Eliza Mácia Oliveira; CAMARGO, Eder Pires de. O Ensino de Ciências e seus Desafios para a Inclusão: o papel do professor especialista. In: NARDI, R. (Org). Ensino de Ciências e Matemática, I: temas sobre a formação de professores. São Paulo: UNESP, 2009.p. 134 – 143.

LOVATTO, Ricardo Blattes. Direito à educação: subsídios para a gestão dos sistemas educacionais: orientações gerais e marcos legais. 2. ed. 343p. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

MANZINI, Eduardo José. Entrevista Semi-estruturada: análise de objetivos e de roteiros. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE PESQUISA E ESTUDOS QUALITATIVOS. 2, 2004, Bauru. A Pesquisa Qualitativa em Debate. Anais... Bauru: USC, 2004. CD-ROOM. P. 10.

MARQUES, Clara Virginia. Perfil dos Cursos de Formação de Professores dos Programas de Licenciatura em Química das Instituições Públicas de Ensino Superior da Região Nordeste do Brasil. São Carlos: SP, 2010. 291p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Química, Universidade Federal de São Carlos, Centro de Ciências Exatas e de Tecnologia Departamento de Química, São Carlos, 2010.

MACHADO, Andressa de Oliveira. PCN’s para Educação de Alunos com necessidades Especiais. Revista iTEC, v.2, n. 2, p. 39-44, Jul.2011.

MANTOAN, Maria. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003.

PELLEGRINELLI, Maria. Exercício do Respeito. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2004.

REIS, Isilene dos Santos; SILVA, Lucicléia Pereira. O ensino de ciências naturais para alunos surdos: concepções e dificuldades dos professores da escola Aloysio Chaves. Revista do EDICC, Concórdia/PA, v. 1, p. 1 – 10, Out/2012.

RODRIGUES, David. Questões preliminares sobre o desenvolvimento de políticas de Educação Inclusiva. Inclusão: R. Edc. Esp, Brasília, v. 4, nº 1, p. 33-40, Jan/Jun. 2008.

SILVA, Franciane da Silva. Análise panorâmica das práticas avaliativas utilizadas pelos professores de ciências da natureza do Ensino Fundamental no Município de Codó-MA. Codó: MA, 2015. 39p. TCC – Curso de Licenciatura em Ciências Naturais, Universidade Federal do Maranhão.

SANTOS, Mônica Pereira; PAULINO, Marcos Moreira. Inclusão em Educação: Cultura, Políticas e Práticas. São Paulo, 2008.

SASSAKE, Romeu Kazumi. Inclusão: Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 5º Edição, 2003.

SANMARTÍ, N. Avaliar para Aprender. Porto Alegre: Artemed, 2009.

SILVA, Tatiane; FRIEDERICHS, Myrna. et. al. A utilização de recursos didáticos no processo de ensino e aprendizagem de ciências de alunos com deficiência visual. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, São Cristóvão, v.13, n. 1, p. 32-47, 2014.

VLADO, Educação. Orientações Gerais: Educação em Direitos Humanos. São Paulo: Instituto Vladimir Herzog, 1 º Edição, 2015.

Downloads

Publicado

2016-12-01