Estratégias do ensino de física para estudantes surdos: uma revisão da literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/19843178172021e0010

Palavras-chave:

LIBRAS, ensino de física , metodologias de ensino, metodologia de ensino, inclusão da pessoa surda

Resumo

Os processos de ensino e aprendizagem para estudantes surdos têm alcançado maiores e melhores níveis no âmbito educacional nos últimos anos, mas os desafios ainda se mostram predominantes. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar as estratégias do ensino de física para estudantes surdos a partir de documentos já publicados. Para isso, foi realizada uma revisão sistemática da literatura sobre tema, e a busca foi delimitada com artigos publicados entre os anos de 2014 e 2019 a partir das bases de dados Scientific Electronic Library Online (SciELO) e Google Scholar, com os seguintes descritores: 1) ensino; 2) Física; 3) surdo; 4) inclusão; e 5) Libras. Avaliou-se como é tratado o ensino de Física para o estudante surdo, sob a óptica de formação humana integral e omnilateral, com base nos autores Karl Marx e Gramsci. Após a avaliação dos artigos, observa-se que os professores demonstram interesse e/ou preocupação na inserção do estudante surdo na disciplina de Física. Assim, o estudo aponta fatores que influenciam no processo de inserção dos estudantes surdos, como a insuficiência de recursos financeiros, carência de profissionais especializados na área de educação inclusiva para auxiliar os professores e a necessidade de formação continuada pelos profissionais da educação em geral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evaneide De Brito Feitosa Aguiar, Instituto Federal do Maranhão

Mestranda pelo Programa de Pós-Graducação em Educação profissional e Tecnológica - ProfEPT - IFTO Campus Palmas, Especialista em Atendimento Educacional Especializado, e Especializado em Libras, possui graduação em PEDAGOGIA pela Faculdade Geremário Dantas (2014). Atualmente é tradutor interprete de língua de sinais no Instituto Federal do Maranhão, e Professora de Libras pela Prefeitura de Imperatriz, tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Especial.

Weimar Silva Castilho, Instituto Federal do Tocantins

Possui Licenciatura em Física pela Universidade Federal de Goiás - (2003), pós-graduação Lato Sensu em Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Salgado de Oliveira (2005), Mestre em Sistemas Mecatrônicos pela Universidade de Brasília (2008) e Doutor em Sistemas Mecatrônicos pela Universidade de Brasília (2016), na área de concentração de materiais funcionais e estruturas adaptativas, com o foco da pesquisa em ligas com memória de forma. Atualmente é professor do Instituto Federal do Tocantins IFTO, Campus Palmas, onde atua no Mestrado Profissional em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT) e Professor do curso do curso de Licenciatura em Física.

Rivadavia Porto Cavalcante, Instituto Federal do Tocantins

Doutor em Linguística e Práticas Sociais pela Universidade Federal da Paraíba ? (PROLING/UFPB). Estágio de Doutorado Sanduiche (PDSE/CAPES) - Boursier d?excelence - pela Universidade de Genebra (UNIGE), Suíça. Mestre em Linguística e Práticas Sociais (PROLING/UFPB), Especialista em métodos de Ensino/Aprendizagem da língua inglesa pela Faculdade de Educação São Luiz, Jabotical/SP, Especialista em Docência Universitária pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Licenciado e Bacharelado em Letras pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Atua como Pesquisador de práticas sociais da lingua(gem) e dos gêneros de texto que as representam, com ênfase em Linguística Aplicada e Políticas Linguísticas.

Jair José Maldaner, Instituto Federal do Tocantins

Possui Doutorado (2016) e Mestrado (2009) em Educação pela Universidade de Brasília, Licenciatura em Filosofia pela Universidade de Passo Fundo (1996), Especialização em Filosofia pela Universidade Católica de Brasília(1999) e Especialização em Gestão Educacional e Metodologias de Ensino - Educon (2006). Atualmente é professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins -IFTO- Campus Palmas.

Referências

BAPTISTA, C. R. et al. Colóquio: Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Inclusão: Revista de Educação Especial, Brasília (DF), v. 4, n. 1, p. 18-32, 2008.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9394.htm. Acesso em: 13 dez. 2019.

BRASIL. Decreto Lei N.º 10.436 de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, 24 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 13 dez. 2019.

BRASIL. Decreto n.º 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei n.º 10.436 de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 13 dez. 2019.

CIAVATTA, M. A formação integrada à escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. Revista Trabalho Necessário, v. 3, n. 3, p. 1-20, 2005.

GALVÃO FILHO, Teófilo Alves. Tecnologia assistiva para uma escola inclusiva: apropriação, demanda e perspectivas. 2009. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2009.

GAMA, F. J. Iconographia dos signaes dos surdos-mudos. Rio de Janeiro: Tipografia Universal de E. & H. Laemmert, 1875.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

KITCHENHAM, B.; CHARTERS, S. Guidelines for performing systematic literature reviews in software engineering. Keele University and Durham University Joint Report, Tech. Rep. EBSE 2007-001, 2007.

LEITE, C. S. M.; SILVA, J. E. F.; TUYAROT, D. E. A integração do aluno surdo na sociedade, através do ensino e aprendizagem de português, física e matemática na escola pública. Seda-Revista de Letras da Rural-RJ, v. 3, n. 8, 2019.

LIMA, H. T. S. O papel do professor no contexto inclusivo: uma reflexão a partir da teoria de subjetividade. E-Revista Facitec, v. 4, n. 1, p. 1-13, 2010.

MAIOR, A. L. S.; BRASILEIRO, T. S. A. O ensino de física em uma perspectiva inclusiva: proposta de desenvolvimento de um aplicativo de termos técnicos para língua brasileira de sinais. Revista Ensino de Ciências e Humanidades-Cidadania, Diversidade e Bem Estar-RECH, v. 4, n. 1, p. 95-107, 2019.

MARX, K. Capital. 3. ed. New York: Vintage, 1981.

OLIVEIRA, C. S. KIPPER, L. M. Uso do design thinking para a produção de sinais em libras de conceitos de física: um estudo com estudantes surdos do primeiro ano do ensino médio. In: Salão de Ensino e de Extensão, 2019, Santa Cruz do Sul. Anais [...]. Unisc: Santa Cruz do Sul, 2019.

PERLIN, G. T. T. História dos surdos. (Caderno Pedagógico). Florianópolis: UDESC/CEAD, 2002.

PERLIN, G.; QUADROS, R. M. Estudos Surdos II. Petropolis, RJ: Arara Azul, 2007.

PESSANHA, M.; COZENDEY, S.; ROCHA, D. M. O compartilhamento de significado na aula de Física e a atuação do interlocutor de Língua Brasileira de Sinais. Ciência & Educação (Bauru), v. 21, n. 2, p. 435-456, 2015.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: Fundamentos Ontológicos e Históricos. Revista brasileira de educação, v. 12, n. 34, p. 152-165, 2007.

SILVEIRA, M. V.; BARTHEM, R. B.; SANTOS, A. C. Proposta didática experimental para o ensino inclusivo de ondas no ensino médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 41, n. 1, e20180084-3, 2019.

SOUZA, R. M.; GÓES, M. C. R. O ensino para surdos na escola inclusiva: considerações sobre o excludente contexto da inclusão. In: SKLIAR, C. (Org.) Atualidade da educação bilíngue para surdos. 1. ed. Porto Alegre: Mediação, 1999.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: Um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.

STOKOE, W. C. Sign language structure. Studies in Linguistics – Occasional Papers 8. Buffalo, NY: Department of Anthropology and Linguistics, University of Buffalo. MD: Linstock Press, 1960.

VARGAS, J. S.; GOBARA, S. T. Interações entre o aluno com surdez, o Professor e o Intérprete em aulas de física: Uma perspectiva vygotskiana. Revista brasileira de educação especial, v. 20, n. 3, p. 449-460, 2014.

VIGOTSKY, L. S. Fundamientos da Defctologia: Obras Escogidas V. Madri: Visor, 1997.

VIVAS, D. D. P.; TEIXEIRA, E. S.; CRUZ, J. A. L. Ensino de Física para surdos: um experimento mecânico e um eletrônico para o ensino de ondas sonoras. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 34, n. 1, p. 197-215, 2017.

VIVIAN, E. C. P.; LEONEL, A. A cultura surda e astronomia: Investigando as Potencialidades Dessa Articulação para o Ensino de Física. Revista Contexto & Educação, v. 34, n. 107, p. 154-173, 2019.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

27-07-2021

Como Citar

AGUIAR, Evaneide De Brito Feitosa; CASTILHO, Weimar Silva; CAVALCANTE, Rivadavia Porto; MALDANER, Jair José. Estratégias do ensino de física para estudantes surdos: uma revisão da literatura . Revista Educação, Artes e Inclusão, Florianópolis, v. 17, p. e0010, 2021. DOI: 10.5965/19843178172021e0010. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/arteinclusao/article/view/16948. Acesso em: 15 abr. 2024.