A relação surdo-ouvinte e seu impacto na inclusão de estudantes surdos: um estudo a partir da percepção dos intérpretes de LIBRAS

Autores

Palavras-chave:

Inclusão Educacional, Língua Brasileira de Sinais, Relação surdo-ouvinte, Educação, Inclusão.

Resumo

A inclusão de pessoas surdas na sociedade requer considerar a relação que estas pessoas estabelecem com o mundo oralizado. Requer, também, compreender a relação interpessoal surdo-ouvinte, tendo em vista que a inclusão não é um processo que se dá isoladamente na sociedade. Esta pesquisa teve o objetivo de identificar a percepção dos intérpretes da Língua Brasileira da Sinais (LIBRAS) acerca do impacto da relação surdo-ouvinte no processo de inclusão do estudante surdo. Apoiada na abordagem qualitativa, a pesquisa utilizou como instrumento a entrevista semiestruturada e teve como público-alvo os intérpretes de Libras do Instituto Federal de Brasília (IFB). Os dados foram categorizados com a utilização de um programa de apoio à análise qualitativa e foram estruturados de acordo com as questões de pesquisa. Ficou evidenciada a importância da Libras na interação surdo-ouvinte e sua proeminência como instrumento a serviço da inclusão do aluno surdo e da consolidação de seus direitos no espaço escolar e também na sociedade em geral.

Biografia do Autor

Claudio Nei Nascimento da Silva, Instituto Federal de Brasília - IFB

Pedagogo, Mestre em Educação, Doutor em Ciência da Informação

Karla Viviane Veloso Gomes, Instituto Federal de Brasília - IFB

Estudante do curso de Licenciatura em Letras/Espanhol - IFB

Referências

ALVES, G. S.; MOREIRA, T. U. C. B. Os direitos alcançados pelas pessoas com deficiência auditiva no Brasil. Revista Eletrônica da UNIVAR, v. 2, n. 16, p. 74–80, 2016. Disponível em: <http://www.univar.edu.br/revista/index.php/interdisciplinar/article/view/544/436>. Acesso em: 3 set. 2017.

ASPILICUETA, P.; LEITE, C. D.; ROSA, E. C. M.; CRUZ, G. de C. A questão linguística na inclusão escolar de alunos surdos: ambiente regular inclusivo versus ambiente exclusivamente ouvinte. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 19, n. 3, p. 395–410, set. 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbee/v19n3/07.pdf>. Acesso em: 2 set. 2017.

BRASIL, Lei no 10.436, de 24 de Abril de 2002. Brasília: Diário Oficial da União (DOU), 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10436.htm>. Acesso em: 17 maio. 2017.

BRITO, F. B. de. O movimento surdo no Brasil: a busca por direitos. Journal of Research in Special Educational Needs, v. 16, p. 766–769, ago. 2016. Disponível em: <http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1111/1471-3802.12214/pdf>. Acesso em: 28 out. 2017.

FÉLIX, A. Surdos e ouvintes em uma sala de aula inclusiva: interações sociais, representações e construções de identidades. 2008. Universidade Estadual de Campinas, 2008. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/269683/1/Felix_Ademilde_D.pdf>. Acesso em: 17 jul. 2017.

FREITAS, M. C. de. O ouvinte e sua relação com a língua de sinais e com a surdez. In: III Seminário de Língua Portuguesa e Ensino. I Colóquio de Línguística, Discurso e Identidade, Ilhéus/BA. Anais... Ilhéus/BA: UESC, 2008. Disponível em: <http://www.uesc.br/eventos/selipeanais/anais/marlenecatarina.pdf>. Acesso em: 12 set. 2017.

LACERDA, C. B. F. de. O que dizem/sentem alunos participantes de uma experiência de inclusão escolar com aluno surdo. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 13, p. 257–280, 2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382007000200008>. Acesso em: 19 out. 2017.

LIMA, V. A. P. A inclusão dos alunos surdos nas escolas regulares da rede pública de educação: uma questão linguística. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, 2010.

MALLMANN, F. M.; CONTO, J. de; BAGAROLLO, M. F.; FRANÇA, D. M. V. R. A Inclusão do Aluno Surdo no Ensino Médio e Ensino Profissionalizante: um Olhar para os Discursos dos Educadores. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 20, n. 1, p. 131–146, 2014. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/S1413-65382014000100010>. Acesso em: 15 ago. 2017.

NOVAES, R. G. de; TRUGILLO, E. A. O aluno surdo no contexto do ensino regular. Revista Eventos Pedagógicos v. 2, n. 2, p. 210–219, 2011. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2017.

OLAH, L. V. de A. S.; OLAH, N. C. S. O intérprete de Libras e a inclusão do surdo. Revista Pandora Brasil, n. 24, p. 1–6, 2010. Disponível em: <http://revistapandorabrasil.com/revista_pandora/inclusao/interprete_libras.pdf>. Acesso em: 20 out. 2017.

OLIVEIRA, K. K. de F.; PÔRTO, C. M. V. Comunicação entre acadêmicos surdos e ouvintes na mediação da aprendizagem no ensino superior. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, v. 22, n. 2, p. 335–345, 2014. Disponível em: <http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/1067>. Acesso em: 12 ago. 2017.

PERLIN, G.; STROBEL, K. Fundamentos da educação de surdos. [S.l: s.n., 2000?]

SILVA, K. S. X.; OLIVEIRA, I. M. de. O Trabalho do Intérprete de Libras na Escola: um estudo de caso. Educação & Realidade, v. 41, n. 3, p. 695–712, 2016. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/2175-623661085>.

SUBIRATS, J. Democracia, participación ciudadana y transformación social. Democracia participativa y desarrollo humano, v. 12, p. 1–10, 2005.

UNESCO. Declaração de Salamanca. Conferência Mundial Sobre Necessidades Educativas Especiais: Acesso E Qualidade, p. 49, 1994. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf>. Acesso em: 21 out. 2017.

Downloads

Publicado

2018-07-01