O cultivo da arte dramática: A partir da filosofia existencial kierkegaardiana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103422021e0206

Palavras-chave:

Filosofia existencial, Pedagogia do teatro, Arte dramática, Primitividade, Søren Kierkegaard

Resumo

O presente artigo pretende analisar de que maneira as reflexões do filósofo dinamarquês Søren Kierkegaard (1813-1855) sobre a relação entre comunicação e existência podem servir como base conceitual para se desenvolver uma consideração a respeito do cultivo da arte dramática. Opondo as formas comunicativas objetivas àquelas da subjetividade, Kierkegaard vale-se do conceito de primitividade como forma de indicar um modo de ser em que os indivíduos se encontram diante do fenômeno de suas próprias existências. Utilizando reflexões teórico-práticas em pedagogia do teatro de Stanislávski, Knebel e Ward, buscaremos indicar como essa abordagem kierkegaardiana permite compreender o cultivo da arte dramática sob uma ótica existencial-comunicativa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deise Abreu Pacheco, Universidade de São Paulo (USP)

Doutorado em Artes Cênicas (Bolsa FAPESP/Capes, processo nº 2014/04101-9) pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), com estágio de pesquisa doutoral em filosofia no Søren Kierkegaard Research Centre (SKC), da Universidade de Copenhague (Dinamarca, 2015/BEPE/FAPESP, processo nº 2015/00330-6). Mestrado em Artes Cênicas pela mesma universidade. Graduada em Direção Teatral e mestrado em Artes Cênicas (ECA/USP). Professora Visitante do Programa de Pós-Graduação em Escrita Criativa da Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP).   

Lucas Piccinin Lazzaretti, Universidade Estadual de Campinas

Pós-Doutorando no Instituto de Estudos da Linguagem (IEL) da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP)-(Bolsa FAPESP, n. do processo: 19/27014-8). Doutorado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2019). Mestrado em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2015). Graduação em Direito pelo Centro Universitário Curitiba (2012). Recebeu a Kierkegaard House Foundation Fellowship no período de 2018/2019 na na Hong-Kierkegaard Library em St. Olaf, Northfield, onde também este como visiting scholar (2017) e como Summer Fellow researcher (2014).

Referências

BERTHOLD, Margot. História Mundial do Teatro. São Paulo: Perspectiva, 2001.

HADOT, Pierre. O que é a filosofia antiga? Tradução de Dion Davi Macedo. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

KIERKEGAARD, Søren. Søren Kierkegaards Skrifter. 28 vol. Ed. Niels-Jørgen Cappelørn et al. Copenhagen: Gad, 1997–2013.

KNEBEL, Maria. Análise-Ação: práticas das ideias teatrais de Stanislávski. Organização, adaptação e notas de Anatoli Vassíliev. Tradução e notas adicionais de Marina Tenório e Diego Moschkovitch. São Paulo: Ed. 34, 2016.

KOUDELA, Ingrid Dormien; ALMEIDA JR, José Simões. Léxico da Pedagogia do Teatro. São Paulo: Ed. Perspectiva: SP Escola de Teatro, 2015.

KOUDELA, Ingrid Dormien. Jogos Teatrais. São Paulo: Perspectiva, 1998.

LAZZARETTI, L. P. A crise e uma crise na vida de uma atriz, de Søren Kierkegaard. Cadernos de Literatura em Tradução, [S. l.], n. 22, p. 251-289, 2020. DOI: 10.11606/issn.2359-5388.i22p251-289. Acesso em: 27 jul. 2021.

LÜBCKE, Poul. Kierkegaard and Indirect Communication. In.: History of European Ideas. Vol. 12. No. 1, p.31-40, 1990.

MARTINS, Pedro Haddad. Pedagogia em performance: uma abordagem do ensino do teatro na escola básica. 2017. Tese (Doutorado em Pedagogia do Teatro) - Escola de Comunicações e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017. Acesso em: 11 nov. 2020.

MOREIRA, Virginia. Da máscara à pessoa: a concepção trágica de homem. Revista de Ciências Sociais, Fortaleza, v. 25, p. 21-31, 1994.

PAVIS, Patrice. Dicionário de Teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

ROSELFELD, Anatol. O Teatro Épico. São Paulo: Perspectiva, 2000.

MARIA THAIS. Cadernos de Registro Macu (Pesquisas), caderno 08, p. 16-17, s.d.

Acesso disponível pelo link:

https://www.macunaima.com.br/cadernos/caderno_08/caderno_08_dossie02.pdf

STANISLAVSKI, Konstantín. El trabajo del actor sobre sí mismo en el proceso creador de la vivencia. Trad. Jorge Saura. 3ª ed. Barcelona: Alba, 2010.

SÖDERQUIST, K. Brian. The Isolated Self. Irony as Truth and Untruth in Søren Kierkegaard´s On the Concepto f Irony. Copenhagen: SKC; C.A. Reitzel, Ltd, 2007.

WARD, Winifred. Creative Dramatics. New York: D. Appleton and Company, 1930.

WARD, Winifred. Theatre for Children. Anchorage, Kentucky: The Childre´s Theatre Press, 1950.

WARD, Winifred. Playmaking with Children (from Kindergarten through Junior High School). New York: Appleton-Century-Crofts, Inc., 1957.

WARD, Winifred. Stories to Dramatize. New Orleans: Anchorage Press, 1981.

VASCONCELLOS, Paulo Sérgio de. Persona poética e autor empírico na poesia amorosa romana. São Paulo: Editora Unifesp, 2016.

VOVOLIS, Thanos. Prosopon. The acoustical mask in Greek Tragedy and in Contemporary Theatre. Estocolmo: Dramatiska institutet, 2009.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

PACHECO, D. A.; LAZZARETTI, L. P. O cultivo da arte dramática: A partir da filosofia existencial kierkegaardiana. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 42, p. 1-27, 2021. DOI: 10.5965/1414573103422021e0206. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20817. Acesso em: 18 maio. 2022.