Tradições Inventadas e Criação de Espaço de Pertencimento: Uma revisão de literatura

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573103422021e0201

Palavras-chave:

Tradição, Taquaruçu, Bonecos Gigantes

Resumo

O presente trabalho teve como intuito apresentar as ideias iniciais que estão sendo desenvolvidas em uma pesquisa realizada no âmbito do Doutorado em Artes Cênicas da UNB. A pesquisa teve como objetivo expor as concepções da Festa dos Bonecos Gigantes, que acontecem no município de Taquaruçu, no Tocantins, para defender a hipótese de que a mesma se constitui como uma tradição inventada, a qual foi pensada com o intuito de designar um espaço de pertencimento até então inexistente para seus fazedores. Aqui, foram discutidos conceitos de diversos campos de conhecimento para fundamentar primeiro o conceito de pertencimento enquanto uma instituição ontológica e inerente ao ser humano em sociedade. Posteriormente, foi discutido o conceito de tradições inventadas, e por fim, apresentado o lócus de pesquisa e a afetação deste trabalho: a festa supracitada. É possível compreender a Aldeia TabokaGrande como um espaço inventado para se sentir pertencente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adailson Costa dos Santos, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Tocantins

Doutorando em Artes Cênicas pela Universidade de Brasília UnB). Mestrado em Performances Culturais pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Bacharel e Licenciado em Teatro pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professor EBTT do Curso de Licenciatura em Teatro e da Especialização em Arte Educação do Instituto Federal do Tocantins.ela Universidade Federal da Paraíba. 

Graça Veloso, Universidade de Brasilia (UnB)

Pós-Doutor em Arte e Cultura Visual pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Doutor em Artes Cênicas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA - 2005).  Mestre em Artes Cênicas pela mesma universidade (2001). Graduação em Comunicação Social, pelo Centro Universitário de Brasília (1978) e Licenciatura Plena em Educação Artística: Artes Cênicas, pela Faculdade de Artes Dulcina de Moraes (2006). Professor adjunto II na Universidade de Brasília (UnB).

Referências

BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasília, n. 11, p.89-117, maio - agosto de 2013.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2001.

BEZERRA, N. A. A migração em Palmas/TO: a felicidade no imaginário social. Porto Nacional, TO: UFT, 2013.

BIÃO, Armindo. A vida ainda breve da Etnocenologia: uma nova perspectiva transdisciplinar para as artes do espetáculo. Cátedra de Artes, n. 10, 2011. Faculdad de Artes. Pontifícia Universidad Católica de Chile, 2011. Disponível em: http://catedradeartes.uc.cl/pdf/catedra%2010/la%20aun%20breve%20vida%20de%2 0la%20estnoescenologia.pdf

BIÃO, Armindo. Um léxico para a Etnocenologia: proposta preliminar. In: BIÃO, Armindo. Etnocenologia e a cena baiana: textos reunidos, Salvador: P&A Gráfica e Editora, 2009, p.33-44. Disponível:

http://www.teatro.ufba.br/gipe/arquivos_pdf/ETNOCENOLOGIA1.pdf.

BIÃO, Armindo. Etnocenologia e a cena baiana: textos reunidos. Salvador: P&A Editora, 2009.

CASTRO-GOMEZ, Santiago. La hybris del punto cero: ciencia, raza e ilustración en la Nueva Granada, Bogota: Editorial Pontificia Universidad Javeriana, 2005.

HOBSBAWM, Eric; RANGER, Terence. A invenção das tradições. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

MAIA, Tatiana. Modos de pertencimento, fontes de guerra: nacionalismo e identidade religiosa nos séculos XX e XXI. Revista História: Debates e Tendências, v. 19, n. 4, p.666-680, 23 dez. 2019.

MAFFESOLI, Michel. Pós-modernidade. Comunicação e Sociedade, [S. l.], v. 18, p. 21-25, 2010. Disponível em:

https://revistacomsoc.pt/index.php/revistacomsoc/article/view/1471. Acesso em: 18 dez. 2020.

MAFFESOLI, Michel. O Tempo das Tribos - O declínio do individualismo nas sociedades de massa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006.

MOURAO, Ada Raquel Teixeira; CAVALCANTE, Sylvia. O processo de construção do lugar e da identidade dos moradores de uma cidade reinventada. Estudos de Psicologia, Natal, v.11, n.2, p.143-151, 2006.

NUNES, Wertemberg. Vida, Obra e Aldeia TabokaGrande. Autor Adailson Costa dos Santos. Entrevista concedida para realização de pesquisa de doutoramento do pesquisador Adailson Costa dos Santos. Online: Via Google Meet, 2020.

PERTENCER. In: DICIONÁRIO da língua portuguesa. Lisboa: Priberam Informática, 2020. Disponível em: http://www.priberam.pt/dlDLPO. Acesso em: 12 dez. 2020.

RAÍZES do Tocantins. Taquaruçu - Bonecos Gigantes da Aldeia TabokaGrande. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=viJKbo2QsTk

SOUZA, Bárbara Oliveira. Aquilombar-se: panorama histórico, identitário e político do Movimento Quilombola Brasileiro. 2008. Dissertação (Mestrado e Antropologia Social) - Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

VELOSO, Graça. Bendito, divino, consagrado: velhos mestres e novos foliões. Brasília: Trampolim, 2018.

ZAOUAL, H. Nova economia das iniciativas locais: uma introdução ao pensamento pós-global. Tradução de Michel Thiollent. Rio de Janeiro: DP&A: Consulado Geral da França/COOPE/UFRJ, 2006.

Downloads

Publicado

2021-12-13

Como Citar

SANTOS, A. C. dos; VELOSO, J. das G. . Tradições Inventadas e Criação de Espaço de Pertencimento: Uma revisão de literatura. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 3, n. 42, p. 1-21, 2021. DOI: 10.5965/1414573103422021e0201. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/20433. Acesso em: 18 maio. 2022.