Portas Poéticas: espaço para a imprevisibilidade poética em cena

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200037

Palavras-chave:

Porta poética, Coletiva Teatro, Dispositivo performativo, Criação em coletivo

Resumo

Este artigo examina a ferramenta denominada porta poética como dispositivo performativo de abertura espaço-temporal para a imprevisibilidade poética coletiva em cena. Apresenta como foi desenvolvido, sua definição e exemplos aplicados nos espetáculos O Amor Que Habito (2018), Uma Sonata Familiar (2018) e Luar de Contos (2019) da Coletiva Teatro. Em espetáculo com encenação definida, abre-se espaço para desvios com o objetivo de intensificar o momento dramático, possibilitando múltiplas novas camadas de significação em tempo real que emergem no e do encontro entre artistas e público. Investiga-se o grau de liberdade poética e performativa do dispositivo bem como as condições necessárias e implicações dramatúrgicas do seu uso. Artista e público tornam-se reconfiguradores contínuos de singularidades poéticas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nitza Tenenblat, Universidade de Brasília (UnB)

Professora doutor do Departamento de Artes Cênicas e do Programa de Pós-graduação em Artes Cênicas da Universidade de Brasília.

Referências

ARAÚJO, Glauco Francisco Maciel de. O Som e o Silêncio: A Influência e Condução do Efeito Sonoro à Cena Filmográfica. Monografia de Pós-Graduação em Cinema e Linguagem Audiovisual. Brasília: Universidade Estácio de Sá, maio 2018.

BOGART, Anne e LANDAU, Tina. The Viewpoints Book: A Practical Guide To Viewpoints and Composition. New York: Theatre Communications Group, 2005;

COLETIVA TEATRO. O Amor Que Habito. Direção Nitza Tenenblat. Performers: Nei Cirqueira, Jorge Renan Mendes Marinho, Pedro Henrique Silva Lopes, Alexandre Batista da Silva e Iuri Pereira dos Santos. Brasília: Centro Cultural Banco do Brasil, abril de 2018;

COLETIVA TEATRO. Luar de Contos 1a Edição. Direção Nitza Tenenblat. Ator e Contador de Histórias: Jorge Renan Mendes Marinho. Brasília: Centro Cultural Banco do Brasil, maio de 2019;

COLETIVA TEATRO e TXST. Uma Sonata Familiar Amor Que Habito. Co-direção Nitza Tenenblat e Michael Rau. Performers: Nei Cirqueira, Jorge Renan Mendes Marinho, Pedro Henrique Silva Lopes, Alexandre Batista da Silva, Daniel Aguilar, Derek Miller, Ethan Santo, Laura Lane, Matthew Ngyuen. San Marcos, Texas, EUA: MainStage Theatre, julho de 2018;

FABIÃO, Eleonora. Performance e Teatro: poéticas e políticas da cena contemporânea. Sala Preta, São Paulo, USP, Volume 8, 235-246, novembro 2008.

FÉRAL, Josette. Por uma Poética da Performatividade: o Teatro Performativo. Sala Preta, São Paulo, USP, Volume 8, 197-210, novembro de 2008.

TENENBLAT, Nitza, CIRQUEIRA, Nei, MARINHO, Jorge Renan Mendes, LOPES, Pedro Henrique Silva e SILVA, Alexandre Batista da. O Amor Que Habito. Texto ainda não publicado, 2018.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

TENENBLAT, N. Portas Poéticas: espaço para a imprevisibilidade poética em cena. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1-30, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200037. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18144. Acesso em: 25 set. 2022.