O auto-teatro de Hélio Oiticica: provocações de uma arte ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200007

Palavras-chave:

Arte ambiental, Corpo, Espaço, Performance, Convívio

Resumo

Este artigo propõe um debate atual sobre espaço cênico a partir do artista brasileiro Hélio Oiticica e de suas contribuições para a ampla noção de arte ambiental em suas invenções, através da aproximação da performance, com atenção ao corpo e ao convívio. O artista subverte os limites das linguagens artísticas, a fim de experimentar os conflitos evidenciados entre arte e realidade. Ao cunhar a noção de auto-teatro, é possível concluir, junto de outros autores, que Oiticica construiu um caminho das telas aos corpos, considerando a instauração do ambiente através da dimensão arquitetural que foi acionada por seu interesse pela tridimensionalidade. Em seguida ele tratará da libertação da cor de suportes estáticos até a compreensão do espaço enquanto fenômeno social junto da abertura radical para a invenção de outros participantes em suas proposições, indo além da participação.

Biografia do Autor

Everton Lampe de Araujo, UDESC

Arte Educador formado na Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP – G).  Licenciatura em Artes cênicas e dança na Université Lille 3. Mestrado no Programa de Pós-Graduação em Teatro e Doutorando em Teatro (PPGT – UDESC).

Referências

DADORNO, Theodor. Indústria cultural e sociedade / Theodor W. Adorno; seleção de textos Jorge Mattos Brito de Almeida. Trad. por Juba Elisabeth Levy... [et a1.]. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

BOURRIAUD, Nicolas. Estética Relacional. Buenos Aires: Ed. Adriana Hidalgo. 2007.

DOCTORS, Marcio. Espaço de Instalações Permanentes do Museu do Açude - Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Museu do Açude, 2000.

OITICICA FILHO, César; VIEIRA, Ingrid (Org.). Encontros Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial, 2010.

OITICICA, Hélio. “Uma arte sem medo” In: OITICICA FILHO, César; VIEIRA, Ingrid (Org.). Encontros Hélio Oiticica. Rio de Janeiro: Beco do Azougue Editorial, 2010.

KNAB, Ken. A alegria da Revolução. Trad. Railton Sousa Guedes e Coletivo Periferia. 2003.

FREITAS, Artur. Contra-Arte: vanguardas, conceitualismo e arte de guerrilha - 1969 -1973. Tese de Doutorado. Pós- Graduação em História. Universidade Federal do Paraná. 2007.

MOSTAÇO, Edélcio. O Sol do novo mundo. Hélio Oiticica e o teatro ambiental. In: PARANHOS, K. (Org.). História, Teatro e Política. São Paulo: Ed. Boitempo, 2012.

OITICICA, Hélio. Arquivo 0194.73, 1973. Disponível em: http://54.232.114.233/extranet/enciclopedia/ho/detalhe/docs/dsp_imagem.cfm?name=Normal/0194.73%20p08%20-%20484.JPG. Acesso em: 12 jan. 2019.

OITICICIA, Hélio. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

OITICICA, Hélio. Caderno de anotações de Hélio Oiticica: arquivo 0182.61. São Paulo, Itaú Cultural, 1961.

OITICICA, Hélio. Entrevista a Jary Cardoso. "Um mito Vadio". Folhetim, 05 nov. 1978.

SCHECHNER, Richard. Environmental Theater. The Applause Acting Series. New York. 1994.

SPERLING, David. Corpo + Arte = Arquitetura: Proposições de Hélio Oiticica e Lygia Clark. In: BRAGA, Paula (org.) Fios Soltos: a arte de Hélio Oiticica. São Paulo: Perspectiva, 2008. p.117 a 135.

TAYLOR, Diana. Hacia una definición de Performance. 2001. Disponível em: http://performancelogia.blogspot.mx/2007/08/hacia-una-definicin-de-erformance.html. Aceso em: 04 jan. 2017.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

ARAUJO, E. L. de. O auto-teatro de Hélio Oiticica: provocações de uma arte ambiental. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1-18, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200007. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/18092. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Dossiê Temático - Espaços: configurações na cena brasileira e latino-americana