A presença do riso na Capoeira Angola

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/14145731023820200041

Palavras-chave:

Malandragem, Capoeira Angola, Riso, Risível, Jogo

Resumo

Neste artigo analisamos a presença do riso na roda de Capoeira Angola, utilizando como principais campos de análises o arquétipo do malandro e a ética da malandragem. O riso constitui-se num fenômeno sócio antropológico que instaura o humor e o cômico nos absurdos da existência e na percepção da inadaptação ou da distração particular do indivíduo em relação aos costumes sociais. No imaginário popular o arquétipo do malandro evoca esperteza, sagacidade e engenhosidade e é bastante enaltecido entre os angoleiros. A malandragem na Capoeira Angola é aqui discutida a partir da dimensão corporal, com ênfase no jogo, na brincadeira e especialmente no riso. Analisamos o transcurso da malandragem como algo que se consolidou no Brasil no início do Século XX e tem influenciado sobremaneira a prática da capoeira até os dias atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renata de Lima Silva, Universidade Federal de Goiás (UFGO)

Doutora em Artes pela Unicamp. Professora do curso de Dança, do Programa de Pós-graduação em Artes da Cena  e do Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Performances Culturais, da Universidade Federal de Goiás. Capoeirista do Centro de Capoeira Angola Angoleiro Sim Sinhô.

José Luiz Cirqueira Falcão, Universidade de Goiás (UFG)

Professor aposentado da Universidade Federal de Goiás. Doutor em Educação pela UFBA.

Elderson Melo Miranda, Universidade Federal de Goiás (UFGO)

Pós-doutorado no Programa de Pós-graduação Interdisciplinar em Performances Culturais da Universidade Federal de Goiás.

Referências

ABIB, P. R. J. Capoeira Angola: cultura popular e o jogo dos saberes na roda. 2004. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, 2004.

ABREU, F. O barracão do mestre Waldemar. Salvador: Organização Zarabatana, 2003.

ALBERTI, V. O riso e o risível na história do pensamento. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011.

ALMEIDA, M. A. D. Memórias de um sargento de milícias. São Paulo: Klick, 1997.

BAKHTIN, M. A cultura popular na idade média e no renascimento: o contexto de François Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira. 8a. ed. Brasília: Hucitec, 2013.

BARNI, R. A Loucura de Isabela e outras Comédias da Commedia Dell`Arte. São Paulo: Iluminuras Ltda., 2003.

BASQUES, M. O riso como expressão de um modo de entendimento: do bergsonismo à antropologia. Scientiae Studia - Revista Latino-Americana de Filosofia e História da Ciência, São Paulo, 9, n. 1, p. 105-128, 2011. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/s1678-31662011000100006>. Acesso em: 4 set. 2019.

BERGSON, H. O riso – ensaio sobre a significação da comicidade. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

BRUM, J. T. O riso e a jubilação. In: KANGUSSU, O. I., et al. O cômico e o trágico. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008. Cap. 4, p. 56-58.

DAMATTA, R. A casa e a rua: espaço, cidadania, mulher e morte no Brasil. 5. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DIAS, A. A. Mandinga, manha & malícia: uma história sobre os capoeira na capital da Bahia (1910-1925). Salvador: EDUFBA, 2006.

FALCÃO, J. L. C. O jogo da capoeira em jogo e a construção da práxis capoeirana. 2004.Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2004.

LIGIÉRO, Z. Malandro divino: a vida e a lenda de Zé Pelintra, personagem mítico da lapa carioca. Rio de Janeiro: Record, 2004.

MOREIRA, A. Canjiquinha: alegria da capoeira. Salvador: A Rasteira, 1989.

MURICY, C. Viva Pastinha. Ministério da Cultura do Governo Brasileiro, 52 min., 1999.

PANTANO, A. A. A personagem palhaço. São Paulo: UNESP, 2007.

PAVIS, P. Dicionário de Teatro. Trad. Maria Lúcia Pereira e Jacob Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 1999.

REIS, L. V. S. O mundo de pernas para o ar: a capoeira no Brasil. São Paulo: Publisher Brasil, 1997.

SALVADORI, M. A. B. Pedaços de uma sonora tradição popular (1890–1950). Universidade Estadual de Campinas. Campinas, São Paulo, 1990.

SILVA, R. L. Mandinga da rua: a construção do corpo cênico a partir de elementos da cultura popular urbana. 2005. Dissertação (Mestrado em Artes) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Artes, Campinas, São Paulo, 2005. Disponível em: <http://www.repositorio.unicamp.br/handle/REPOSIP/284844>. Acesso em: 4 ago. 2019.

Downloads

Publicado

2020-09-24

Como Citar

SILVA, R. de L.; FALCÃO, J. L. C.; MIRANDA, E. M. A presença do riso na Capoeira Angola. Urdimento - Revista de Estudos em Artes Cênicas, Florianópolis, v. 2, n. 38, p. 1-23, 2020. DOI: 10.5965/14145731023820200041. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/urdimento/article/view/16857. Acesso em: 31 jan. 2023.