Esboços autoficcionais no teatro brasileiro: a escrita do eu andradino

Autores

  • Carlos Gontijo Rosa Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.5965/1414573102352019326

Resumo

Este texto levanta algumas questões que nos instigam a ler teoria e textos de Jorge Andrade para além do seu lugar reconhecido e confortável: Por que retomar as memórias de Jorge Andrade em seus textos? É possível ler a obra de Jorge Andrade através da teoria da autoficção? É produtivo estabelecer pontos de comparação entre a narrativa e a dramaturgia? Neste texto, busca-se entender o uso da memória e da vida pessoal como fonte de imaginário poético para construção dos textos e, no caso de Jorge Andrade, a influência do ingresso na família da esposa, uma tradicional família quatrocentona como recurso poético autoficcional de composição do ciclo Marta, a árvore e o relógio (1951-1970).

Biografia do Autor

Carlos Gontijo Rosa, Universidade de São Paulo

Pós-doutorando em Literatura Brasileira pela USP. Doutor em Literatura Portuguesa pela mesma Universidade. Mestre em Teoria e História Literária e Bacharel em Artes Cênicas pela UNICAMP.

Downloads

Publicado

2019-09-20

Como Citar

Rosa, C. G. (2019). Esboços autoficcionais no teatro brasileiro: a escrita do eu andradino. Urdimento - Revista De Estudos Em Artes Cênicas, 2(35), 326-343. https://doi.org/10.5965/1414573102352019326