CUSTOS DA PREVENÇÃO E RECONSTRUÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS: UM ESTUDO DE DOIS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ (SC)

##plugins.themes.bootstrap3.article.main##

Marino Luiz Eyerkaufer
Alex da Cunha

Resumo

Este trabalho trata de riscos de emergências e desastres que atingem a população de dois Municípios no Alto Vale do Itajaí/SC e, ao mesmo tempo discute os custos da prevenção e reconstrução na gestão desses riscos. Foram entrevistados envolvidos com riscos eminentes nos Municípios pesquisados e também responsáveis pela segurança nas empresas que mantém mais de 50 funcionários. Muitas vezes a população está exposta a riscos, mas não os conhece. Os dados revelam que ainda não há uma gestão eficiente dos riscos nos municípios pesquisados muito embora haja a presença de situações de risco. As informações relacionadas não são consistentes e muitas vezes negligenciadas pelos entes públicos. Conclui-se que ainda se investe muito em consertar os estragos causados pelos desastres ao invés de preveni-los ou mitigá-los, que seguramente teria investimentos inferiores e com possibilidade de programação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.themes.bootstrap3.article.details##

Como Citar
Eyerkaufer, M. L., & Cunha, A. da. (2013). CUSTOS DA PREVENÇÃO E RECONSTRUÇÃO EM GESTÃO DE RISCOS: UM ESTUDO DE DOIS MUNICÍPIOS DO ALTO VALE DO ITAJAÍ (SC). Revista Brasileira De Contabilidade E Gestão, 2(3), 22-32. Recuperado de https://www.revistas.udesc.br/index.php/reavi/article/view/3441
Seção
Artigos
Biografia do Autor

Marino Luiz Eyerkaufer, UDESC

Possui graduação em ciências contábeis pela Universidade do Oeste de Santa Catarina UNOESC (2000). É especialista em Administração/Marketing pela mesma universidade (2004) e mestre em Ciências Contábeis pela Universidade Regional de Blumenau - FURB (2007). Atualmente é Professor do Departamento de Ciências Contábeis do Centro de Ensino Superior do Alto Vale de Itajaí - UDESC de Ibirama e Diretor do centro. Tem experiência administrativa tendo atuado em cooperativa agropecuária e de consumo, empresa e instituição de ensino superior em cargos como gerência de setor, controladoria e direção. A experiência pedagógica inclui participação em Núcleo Docente Estruturante de Curso (NDE), coordenação de Comissão Própria de Avaliação (CPA) e do Centro de Aperfeiçoamento Docente (CAD) além da manutenção de documentos e sistemas de informação do MEC/INEP/SINAES. Ministra aulas, cursos e palestras nas áreas de custos, gerencial, finanças, planejamento e orçamento bem como na área rural.
(Texto informado pelo autor)

Referências

ALBINO, Lisangela. Reconstrução de Municípios afetados por desastres ambientais: estudo de caso do Município de Ilhota – SC.Florianópolis, 2011. Disponível em: http://www.pergamum.udesc.br/dados-bu/000000/000000000013/0000135B.pdf acessado em: 13/07/2012.

ALMEIDA, Lutiane Queiroz; PASCOALINO, Aline. Artigo: Gestão de risco, desenvolvimento e (meio) ambiente no Brasil: um estudo de caso sobre os desastres naturais em Santa Catarina – 2009. Disponível em: http://www.ceped.ufsc.br/sites/default/files/projetos/ gestao_de_risco_desenvolvimento_e_meio_ambiente_no_brasil.pdf acessado em: 13/07/2012.

BRASIL. Constituição federal. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constitui%C3%A7ao.htm acessado em: 30/07/2012.

BRASIL. Lei n. 12.608, de 10 de abril de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12608.htm. Acessado em: 15/04/2013.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Defesa Civil. Brasília: Secretaria Nacional de Defesa Civil, 2007. Disponível em: http://www.defesacivil.gov.br/publicacoes/publicacoes/ pndc.asp acessado em: 17/07/2012.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria Nacional de Defesa Civil. Gestão de riscos e de desastres: contribuições da psicologia.CEPED – UFSC. Florianópolis, 2010.Disponível em: http://www.defesacivil.pb.gov.br/arquivos/downloads/livros/gestao.pdf acessado em: 23/07/2012.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria Nacional de Defesa Civil. Instrução normativa nº 1. 2012. Disponível em: http://www.defesacivil.pr.gov.br/ arquivos/File/publicacoes/InstrucaoNormativa24082012.pdfacessado em 28/11/2012.

CASTRO, Antônio Luiz Coimbra de. Manual de desastres:desastres humanos.Brasília: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. 2005

Manual de planejamento em Defesa Civil. Volume I Brasília: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. 2005

Manual de planejamento em Defesa Civil. Volume II Brasília: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. 2004.

Manual de planejamento em Defesa Civil. Volume III Brasília: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. 2005.

. Manual de planejamento em Defesa Civil. Volume IV Brasília: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. 2004.

Segurança global da população. Brasília: Ministério da Integração Nacional, Secretaria Nacional de Defesa Civil. 2005.

CEPED – UFSC. Institucional. 2010. Disponível em: http://www.ceped.ufsc.br/institucional acessado em: 10/09/2012.

CORREIA, Francisco Nunes; FORDHAM, Maureen; SARAIVA, Maria da Graça; BERNARDO,Fátima. Flood hazard assessment and management: interface with thePublic.1998. Kluwer Academic Publishers. Printed in the Netherlands.

DIAS, Emerson de Paulo. Conceitos de gestão e administração: uma revisão crítica. Revista eletrônica de administração. Ed.01, 2002.

FOLHA DE SÃO PAULO. Gastos com prevenção são minimizados. São Paulo. 2011. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff1401201114.htm acessado em: 25/072012.

FRAGA, Nilson Cesar. Enchentes urbanas no Vale do Itajaí, Brasil. 25 anos da enchente catástrofe de 1983 – Reflexos socioambientais e culturais no século XXI.2009. Disponível em: http://egal2009.easyplanners.info/area07/7165_FRAGA_NC.pdf. Acessada em 12/07/2012.

MOÇAMBIQUE. Ministério para a coordenação da acção ambiental. Avaliação das capacidades de gestão do risco de desastres.Maputo, 2005. Disponível em: http://www.convambientais.gov.mz/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=15 acessado em: 22/07/2012.

NOGUEIRA, Christiane Wenck; GONÇALVES, Mirian Buss; OLIVEIRA, Daniel de. O enfoque da logística humanitária no desenvolvimento de uma rede dinâmica para situações emergenciais: O caso do Alto Vale do Itajaí em Santa Catarina.Dissertação - UFSC, 2009. Disponível em: http://www.anpet.org.br/ssat/interface/content/autor/trabalhos/publicacao/ 2009/27_AC.pdf Acessado em: 02/07/2012.

SÁNCHEZ, Luis Enrique. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Editora Oficina de Textos, 2008. 495p

SANTOS, Rozely Ferreira dos. Vulnerabilidade ambiental. Brasília: Ministério do meio ambiente, 2007. Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/45734425/Vulnerabilidade-Ambiental- Livro-MMA acessado em: 24/072012.

THOMAS, Janet M.; CALLAN, Scott.Economia ambiental: aplicações, políticas e teoria. São Paulo: Editora Cencage Learning, 2010. 556p.

Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Universitário de Pesquisa e Estudos sobre Desastres. Capacitação básica em Defesa Civil. 2° Ed. Florianópolis: CAD UFSC, 2013.