O ensino de libras como experiência fundamental para o design inclusivo: projeto gráfico de material complementar para a alfabetização bilíngue de crianças surdas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630732023e3948

Palavras-chave:

design editorial inclusivo, crianças surdas, ensino de Libras

Resumo

No início do século XXI, o ensino de Libras se tornou obrigatório para os cursos de licenciatura nas universidades públicas e particulares no Brasil. Uma medida necessária para diminuir a desigualdade social entre pessoas com surdez e ouvintes. Já para um curso que forma bacharéis em Design Gráfico, a disciplina de Libras tem status de optativa, embora também forneça ao estudante subsídios relevantes para o desenvolvimento de projetos que visam tornar o mundo mais inclusivo. É o caso dos dois TCC em Design que este artigo apresenta. Por intermédio de pesquisa qualitativa de natureza exploratória e de caráter aplicado, os estudantes desenvolveram produtos editoriais para crianças surdas com o intuito de ampliar as possibilidades de acesso à informação. Em ambos os trabalhos, a metodologia do Design Participativo orientou os procedimentos de coleta e interpretação de dados. As pesquisas resultaram em um livro infantil ilustrado bilíngue sobre as festas juninas locais e em um material didático complementar para a alfabetização bilíngue de crianças com surdez.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Germana de Araujo, Universidade Federal de Sergipe

Doutora em Cultura e Sociedade (UFBA). Mestre em Desenho Cultura e Interatividade (UEFS). Graduada em Desenho Industrial (UFPB). Professora Efetiva da Universidade Federal de Sergipe (UFS) vinculada ao Curso de Graduação em Design Gráfico do Departamento de Artes Visuais e Design (DAVD-UFS) e ao Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI-UFS).

Raquel Lima, Universidade Federal de Sergipe

Mestra em Letras Língua Portuguesa (UFS). Especialista em Libras (FANESE). Graduada em Língua Portuguesa (UFRN) e Libras (UFS). Professora na Universidade Federal de Sergipe (UFS) lotada no Departamento de Libras. 

Referências

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/cCivil_03/LEIS/2002/L10436.htm. Acesso em: 15 jun. 2023.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Brasília, DF: Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm. Acesso em: 15 jun. 2023.

COSTA, B. R.; PAES, C. A. Design de material didático complementar para o auxílio da alfabetização de crianças surdas. Orientadora: Germana Gonçalves de Araujo. Coorientadora: Raquel P. Lima. 2023. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Design Gráfico) — Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2023.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

FÉLIX, J. S.; ASSIS, V. P. A voz do desenho: produção de livro ilustrado para crianças surdas. Orientadora: Germana Gonçalves de Araujo. Coorientadora: Raquel P. Lima. 2022. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Design Gráfico) — Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2022.

FROST, Adam. Exemplos da escrita em SignWriting com base em padrões da palma de mão e dedos. 26 ago. 2018. 1 fotomontagem. Citado por Almir Cristiano. Disponível em: https://www.libras.com.br/ct__images/artigos/signwriting/exemplos-de-sinais-escritos-em-signwriting.png. Acesso em: 21 jun. 2023.

HISTÓRIA da Libras: saiba como surgiu a Língua Brasileira de Sinais. Academia de Libras, [S. l.], 2019. Disponível em: https://academiadelibras.com/libras/historia-da-libras/. Acesso em: 2 jun. 2023.

INSTITUTO LOCOMOTIVA. Raio-X da surdez no Brasil. São Paulo, set. 2019. Disponível em: https://brasil.estadao.com.br/blogs/vencer-limites/wp-content/uploads/sites/189/2019/09/RaioXSurdez_InstitutoLocomotiva_30setembro2019_blogVencerLimites.pdf. Acesso em: 1 ago. 2023.

MARGOLIN, V. O Designer Cidadão. Revista Design em Foco, [s. l.], v. III, n. 2, jul./dez., p. 145-150, 2006.

PEREIRA, A. Libras 2020. 2020. Fonte tipográfica. Disponível em: https://www.dafont.com/font-comment.php?file=libras_2020. Acesso em: 1 jun. 2023.

PRIMEIRA escola de surdos no Brasil 1857 (INES). Academia de Libras, [S. l.], 2019. Disponível em: https://academiadelibras.com/blog/primeira-escola-de-surdos-no-brasil-1857/. Acesso em: 2 jun. 2023.

RODRIGUES, V. A. Design no âmbito social da contemporaneidade: discurso, política e engajamento. Orientador: Luís Américo Silva Bonfim. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Design Gráfico) — Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2019.

SALLES, H. M. M. L. et al. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília: MEC/SEESP, 2005. v. 1. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/lpvol1.pdf. Acesso em: 12 dez. 2022

SANTA ROSA, J. G.; MORAES, A. M. Design Participativo: técnicas para a inclusão de usuários no processo de ergodesign de interfaces. Rio de Janeiro: Rio Book’s, 2012.

SOUZA, E. L. Educação inclusiva: os desafios das crianças surdas no processo de alfabetização. Monografias Brasil Escola, [s. l.], 2019. Disponível em: https://monografias.brasilescola.uol.com.br/educacao/educacao-inclusiva-os-desafios-das-criancas-surdas-no-processo-alfabetizacao.htm. Acesso em 2 jun. 2023.

SOUZA, G. F. Processo de alfabetização bilingue para surdos: garantindo direitos, efetivando a educação. 2014. Orientadora: Aluska Peres Araújo. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Pedagogia) — Universidade Estadual da Paraíba, Guarabira, 2016.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE. Resumo do componente curricular (Língua Brasileira de Sinais – Libras). Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas. São Cristóvão, SE, c2009-2023. Disponível em: https://www.sigaa.ufs.br/sigaa/public/departamento/componentes.jsf. Acesso em: 20 jun. 2023.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Tradução de Daniel Bueno. Revisão técnica de Dirceu da Silva. Porto Alegre: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2023-10-01

Como Citar

DE ARAUJO, Germana; LIMA, Raquel. O ensino de libras como experiência fundamental para o design inclusivo: projeto gráfico de material complementar para a alfabetização bilíngue de crianças surdas. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 7, n. 3, p. 1–26, 2023. DOI: 10.5965/25944630732023e3948. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/23948. Acesso em: 29 fev. 2024.