Tecidos africanos e africanizados nos candomblés paulistas

Autores

  • Aymê Okasaki USP

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630532021279

Palavras-chave:

Așǫ Oke, Wax Print, Renda Africana

Resumo

Os tecidos vindos da África são fundamentais para pensar a estética dos candomblés
paulistas, pois suas trajetórias históricas demonstram uma complexa trama cultural que
questiona a noção de origem pura, sem deixarem de ser utilizados como símbolos de
identidades culturais africanas e afro-brasileiras. Este trabalho analisa a motivação do
uso de tecidos específicos vindos do continente africano pelos candomblés paulistas. O
objetivo é relatar essa história e discutir, desde o continente africano até a atualidade, as
presenças do tecido Așǫ Oke, produzido pelos yorùbá; do tecido estampado industrialmente
Wax Print; e das rendas industriais nigerianas-austríacas. Buscou-se identificar a presença
desses têxteis em imagens do século XX e em terreiros de São Paulo, para a análise no
contemporâneo. Descobriu-se processos distintos que motivaram esse uso: o Wax Print
ganhou uma carga de conexão com o que se veste no continente africano atualmente. Já o
Așǫ Oke se relaciona com a ideia de tradição, enquanto o consumo das rendas importadas
da Nigéria mescla uma alusão à indumentária das negras crioulas com a importação
contemporânea de tecidos industrializados que passam pelo continente africano. A maior
dificuldade da pesquisa foi encontrar as confluências de narrativas dos produtores dos
tecidos, revendedores e usuários; além da escassez de pesquisadores brasileiros que se
dedicaram ao tema. Por fim, a importância desta pesquisa reside em uma nova análise
desses têxteis no contexto cultural, social, artístico e religioso dos candomblés paulistas,
que os denota como parte indissociável da estética que compõe o ethos do povo de axé.

Referências

ADAMS, John. Remarks on the country extending from Cape Palmas to the River Congo: including observations on the manners and customs of the inhabitants, with appendix containing na account of the European trade with the West coast of Africa. Londres: G. & W. B. Whittaker, 1823.

ADEGBITE, Stephen Akinade; ILORI, Matthew Olugbemiga; ADEREMI, Helen Olubunmi. Innovations in the Indigenous textile weaving firms. International Journal of Business and Management, Ontario, v. 6, n. 12, p. 243253, dez. 2011. DOI 10.5539/ijbm.v6n12p243.

AMARAL, Rita. Xirê: o modo de crer e de viver no candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2002.

BESERRA, Rafael. [Sem título]. 18 out. 2019. 1 fotografia. Disponível em: https://www.facebook.com/oduduwatemplodosorixas/photos/1658895137568403. Acesso em: 23 jun. 2020.

CANCISSU, Eduardo. Axé Ilê Obá. [S.l.], 2019a. Facebook: @axeileoba. Disponível em: https://www.facebook.com/axeileoba/photos/2714693905247354 Acesso em: 23 jun. 2020.

CANCISSU, Eduardo. Patuá Confecções [S.l.], 2019b. Instagram: @patuaconfeccoes. Disponível em: CLARKE, Duncan. Adire African Textiles. 2020. Disponível em: https://www. adireafricantextiles.com/. Acesso em: 22 jun. 2020.

CLARKE, Duncan. The art of African textiles. San Diego: Thunder Bay Press, 1997.

GROSFILLEY, Anne. African wax print textiles. New York: Prestel Publishing, 2018. https://www.instagram.com/p/B0gKyB9AcAy/. Acesso em: 23 jun. 2020.

INSTITUTO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL DA BAHIA. Pano da Costa. Cadernos do

IPAC, 1. Salvador: Fundação Pedro Calmon, 2009.

JULIÃO, Carlos; CUNHA, Lygia da Fonseca Fernandes da. Riscos illuminados de figurinhos de brancos e negros dos uzos do Rio de Janeiro e Serro do Frio. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro, 1960.

LIMA, Celso. “Fancy-print”: o pano da África. Celso Lima Estamparia, [S. l.], 25 jul. 2013. Disponível em: http://celsolima.zip.net/arch2013-07-21_2013-07-27.htm. Acesso em: 9 set. 2019.

PEREIRA, Elizabeth Firmino. Ilê Axé Oduduwa: o processo de reafricanização do candomblé no Brasil. Um estudo dos elementos formais e estéticos. In: Livro do 7º Congresso Ibérico de Estudos

Africanos. Lisboa: Centro de Estudos Africanos: Instituto Universitário de Lisboa, v. 1, 2010. p. 203204.

PEREIRA, Hanayrá. O axé nas roupas: indumentária e memórias negras no candomblé angola do

Redandá. 2017. 133p. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Pontifícia Universidade

Católica de São Paulo, São Paulo, 2017.

PERES, Andréia. O império das mães de santo. Claudia, São Paulo, n. 431, p. 17, ago. 1997.

PLANKENSTEINER, Barbara. African Lace: an industrial fabric connecting Austria and Nigeria. Anthrovision, Gottingen, v. 1, n. 2, 2 ago. 2013. DOI 10.4000/anthrovision.679

PLANKENSTEINER, Barbara; ADEDIRAN, Nath Mayo (eds.). African Lace: Eine Geschichte des Handels, der Kreativität und der Mode in Nigeria. Ghent: Snoeck, 2010.

PRADO, Georgia. Odò Iná. [S. l.], 2019. Instagram: @odoinan. Disponível em: https://www.instagram.com/p/B0jA6JSHisE/. Acesso em: 9 set. 2019.

SILVA, Dandara Maia da. A estampa wax hollandais como objeto de etnicidade. In: COLÓQUIO DE MODA, 13., 2017, Bauru. Anais […]. Bauru: Abepem, 2017. Disponível em: http://www.coloquiomoda.com.br/anais/Coloquio%20de%20Moda%20-%202017/COM_ORAL/co_3/co_3_A_estampa_wax_hollandais.pdf. Acesso em: 29 jul. 2021.

SPRING, Chris. African Textiles Today. Washington: Smithsonian Books, 2012.

VLISCO. World of Vlisco. 2019. Disponível em: https://www.vlisco.com/fabric_story/the-eye-of-my--rival/. Acesso em: 9 set. 2019.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Como Citar

OKASAKI, A. Tecidos africanos e africanizados nos candomblés paulistas. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 5, n. 3, p. 279-300, 2021. DOI: 10.5965/25944630532021279. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/20132. Acesso em: 8 dez. 2021.