Processo criativo, projetual e científico pela gestão do conhecimento: origem familiar para procura do eu

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630412020108

Resumo

Este artigo dissemina alguns resultados do Projeto Integrador, denominado: “A origem familiar e a procura do Eu”, da primeira série do curso de graduação em Design de Moda, e seu sistema de gestão que está sendo aprimorado desde 2010. Os articulistas utilizam do método dedutivo, com abordagem qualitativa de natureza exploratória e descritiva na formulação do sistema de gestão e nos estudos de caso de natureza interpretativa, para averiguar os resultados da aplicação do Sistema de Desenvolvimento de Projetos pela Gestão do Conhecimento do processo cognitivo, criativo, projetual e método científico, guiado pelo design thinking. Como resultado tangível apresenta-se os artefatos vestíveis e o diário discente. Conclui-se que envolver emocional e cognitivamente o discente, auxilia-o no entendimento do processo de design

Biografia do Autor

Seila Cibele Sitta Preto, Universidade Estadual de Londrina Departamento de Design Universidade Pitágoras UNOPAR Departamento de Design

Doutora em Design pela FAAC - UNESP, na linha de pesquisa de Ergonomia e Inovação. Mestre em Design pelo Programa de Pós-graduação em Design e Expressão Gráfica pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Pós-graduada em Marketing, Propaganda e Publicidade em 2006 e em 2010 em Arquitetura de Interiores: Projeto de Ambientes e Qualidade de Vida ,ambas pela Universidade Filadélfia - UNIFIL. Pós-graduada em Moda: Produto e Comunicação pela Universidade Estadual de Londrina - UEL. Graduada em Desenho Industrial - Programação Visual pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR (2002). Atualmente docente da Universidade Estadual de Londrina - UEL no curso de Design Gráfico e Design de Moda e docente da Universidade Norte do Paraná - UNOPAR nos cursos de Desenho Industrial, Design Gráfico e Design de Moda. Atua também como designer e professora de treinamentos de computação gráfica. Possui experiência na área de Desenho Industrial e Design Gráfico e Design Digital atuando nas modalidades de Design de Moda, Gestão de Design, Design de Embalagens, Design Social, Identidades Corporativas, Design Editorial e Técnicas Digitais.

Cleuza Ribas Bittencourt Fornasier, Universidade Estadual de Londrina Departamento de Design

PhD pela Universidade Politécnica de Valencia, no Departamento de Engenharia Gráfica (2014- bolsista CNPq), Doutora em Engenharia e Gestão do Conhecimento pela Universidade Federal de Santa Catarina (2011), Mestre em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina (2005), especialista em: Arquitetura de Interiores (UNIFIL, 1998), Moda (UEL, 1999) e Design de Moda (CDI de Montivideo em cooperação com o Centro di Analisi Sociali e Progetti da Italia de 2000, como bolsista e recebendo Premiação); Graduada em Desenho industrial pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC 1980). Professora (desde 1985) adjunto da Universidade Estadual de Londrina, atualmente ministra aulas na Graduação de Design de Moda e pós-gradução lato sensu Moda: Produto e Comunicação e Gestão Estratégica de Design. Com experiência na área de Design e Comunicação e como pesquisadora tem participado de vários projetos de pesquisa com ênfase em Gestão de Design e Cultura Visual principalmente nos seguintes temas: gestão do conhecimento, cultura visual de moda, design de moda, pesquisa e criação em design, aplica suas pesquisas na área de indústria de confecção, agricultura familiar e ensino. Possui 6 artigos publicados em revistas Qualis, publicou 6 capítulos em livros e vários artigos científicos completos publicados em eventos nacionais e internacionais de moda, design e comunicação. Possui uma patente de softerware. Faz parte da rDis- Red Internacional de Investigación en Diseño Sistémico, com sede na Universidade Politécnica de Valencia, desde Julho de 2015 e do Núcleo Labconde- Laboratório de Conhecimento em Design Estratégico e conexões na Universidade Estadual de Londrina, desde sua criação em 2014. Participa de comissões científicas de eventos nacionais e internacionais da área de design e moda, faz parte do Comitê Científico da revista Projética, do Departamento de Design da Universidade Estadual de Londrina. Avalia artigos das revistas Discursos Fotográficos (Comunicação-UEL), Estudos dos Domínios da Imagem (LEDI-UEL), da revista Estudos em Design (PUC-RJ) e da revista Icônica da UTFPR- Apucarana.

Referências

ABRANCHES, Ana Margarida. As ciências cognitivas e a nova cultura do conhecimento. In: realizadas no Pólo de Viseu da Universidade Católica Portuguesa, em 29 e 30 de Abril de 2004. Disponível em: http://z3950.crb.ucp.pt/biblioteca/mathesis/mat14/mathesis14_311.pdf .

BAXTER, Mike. Projeto de produto: guia prático para o design de novos produtos. São Paulo: E. Blucher, 2011.

BERTALANFFY, Ludwig Von. Teoria geral dos sistemas. Petrópolis (RJ ): Vozes, 1973.

BROWN, Tim. Change by design: how design thinking transforms organizations and inspires innovation. New York: HarperCollins, 2009.

CAVALCANTI, Carolina Costa e FILATRO, Andrea. Design thinking: na educação presencial, a distância e corporativa. São Paulo: Saraiva, 2016.

CHOO, C. W. . A organização do conhecimento: como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. São Paulo: Senac, 2003.

CROSS, Nigel. Design Thinking. Oxford: Berg, 2011.

DAHER, Margareth Anna Zekvel, et al. O projeto Político Pedagógico do Curso de Design de Moda da Universidade Estadual de Londrina: uma construção coletiva. In: Anais do 7० Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. Curitiba, 2006.

DELLORS, Jacques et al. Educação: um tesouro a descobrir. 3ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 1999.

DE MASI, Domenico. Criatividade e grupos criativos. Rio de Janeiro: Sextante, 2003.

DEMARCHI, Ana Paula Perfetto; FORNASIER, Cleuza Bittencourt Ribas. A burocracia weberiana presente na sociedade criativa em rede. In: ROVER, Aires José; CARVALHO, Mariza (org.). O sujeito do conhecimento na sociedade em rede. Florianópolis: Fundação José Arthur Boiteux, 2010, v.1, p. 302-338. ISBN: 9788578400.

____________ . O uso do design thinking em um microcosmos do Museu de Londrina para a melhoria da aprendizagem. In: ANAIS DO XIX ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO. Londrina: ENANCIB, 2018, pp. 860-878.

DUAILIBI, Robert.e SIMONSEN JUNIOR. H. Criatividade & Marketing. São Paulo: McGrawHill, 1990.

FORNASIER Cleuza B. R., MARTINS, Rosane, F.F., DEMARCHI, Ana Paula. O ensino da disciplina de desenvolvimento de projetos como sistema de gestão do conhecimento. In: PIRES, Dorotéia Baduy. Design de moda: olhares diversos. São Paulo: Estação da Letras, 2008, pp.127-152.

GIANESI, Irineu G. N. e CORRÊA, Henrique Luiz. Administração estratégica de serviços: Operação para a satisfação do cliente. São Paulo: Atlas, 1994.

GOMES, Luis Vidigal Negreiros. Criatividade, projeto, desenho produto. Santa Maria: sCHDs, 2001.

NONAKA, Ikujiro; TAKEUCHI, Hirotaka. Criação de conhecimento na empresa. 5 ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MICHEL, Maria Helena. Metodologia e Pesquisa Científica em Ciências Sociais: um guia prático para acompanhamento da disciplina e elaboração de trabalhos monográficos. 2 edição, São Paulo: Atlas, 2009.

PAZMINO, Ana Verônica. Como se cria: 40 métodos para design de produto. São Paulo: Blucher, 2015.

POLANYI, Michael. Personal knowledge: Towards a Post-critical philosophy. New York: Harper Torchbook, 1964.

POPPER, Karl Raimund. Conhecimento objetivo: uma abordagem evolucionária. São Paulo: Belo Horizonte, 1975.

RICHARDSON, Roberto J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 2010.

Downloads

Publicado

2020-02-01

Como Citar

PRETO, S. C. S.; FORNASIER, C. R. B. Processo criativo, projetual e científico pela gestão do conhecimento: origem familiar para procura do eu. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 108 - 130, 2020. DOI: 10.5965/25944630412020108. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/16434. Acesso em: 18 jan. 2022.