Rastros neoliberais no currículo de um curso de Design de Moda do interior do Rio Grande do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630412020010

Resumo

Este artigo tem por objetivo entender como a governamentalidade neoliberal está presente no Projeto Pedagógico e nas ementas das disciplinas do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda ofertado pelo do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) Campus Erechim. Parte-se de dois pressupostos: a) os currículos dos cursos acadêmicos são construídos a partir de determinadas abordagens e perspectivas teóricas e acabam por ensinar mais do que os conteúdos pretendidos: eles ensinam o estudante a ser e estar no tempo presente; b) a lógica neoliberal permeia múltiplos espaços socioculturais e se traduz, no currículo do referido curso, na ênfase à autonomia dos sujeitos, no imperativo da inovação, da concorrência e da flexibilização das mentes e do tempo de trabalho. Tais características – tidas como desejáveis nos sujeitos na contemporaneidade – direcionam as ações, as vontades e os desejos de docentes e discentes. É interessante perceber como a lógica neoliberal está presente nesses documentos a fim de formar os alunos orientando-os, primariamente, para o mercado.Este artigo tem por objetivo entender como a governamentalidade neoliberal está presente no Projeto Pedagógico e nas ementas das disciplinas do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda ofertado pelo do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS) Campus Erechim. Parte-se de dois pressupostos: a) os currículos dos cursos acadêmicos são construídos a partir de determinadas abordagens e perspectivas teóricas e acabam por ensinar mais do que os conteúdos pretendidos: eles ensinam o estudante a ser e estar no tempo presente; b) a lógica neoliberal permeia múltiplos espaços socioculturais e se traduz, no currículo do referido curso, na ênfase à autonomia dos sujeitos, no imperativo da inovação, da concorrência e da flexibilização das mentes e do tempo de trabalho. Tais características – tidas como desejáveis nos sujeitos na contemporaneidade – direcionam as ações, as vontades e os desejos de docentes e discentes. É interessante perceber como a lógica neoliberal está presente nesses documentos a fim de formar os alunos orientando-os, primariamente, para o mercado.

Biografia do Autor

Priscila Gil Wagner, Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Erechim Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Educação na Universidade Luterana do Brasil. Graduada em Design de Moda e Tecnologia pela Universidade Feevale (2009). Especialista em Marketing de Moda pela ESPM - Porto Alegre (2011). Atualmente atua como professora do Instituto Federal de Educação Campus Erechim.

Daniela Ripoll, Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil

É graduada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998), Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2001) e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2005), com Doutorado Sanduíche pela University of Plymouth (2004). Foi Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Luterana do Brasil (2009-2010) e, atualmente, é professora permanente e membro da Comissão Coordenadora do referido Programa. 

Referências

BRASIL, Ministério da Educação. Catálogo nacional de cursos superiores de tecnologia. Brasília, 2016. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/catalogo-nacional-dos-cursos-superiores-de-tecnologia-

DORNELAS, J. Empreendedorismo: transformando ideias em negócios. 5ª Edição. Rio de Janeiro: Empreende/LTC, 2014.

FERREIRA, R. K. Institutos Federais de Educação Ciências e Tecnologia: a Educação Profissional como Tecnologia de Governamento. Canoas: ULBRA, 2017. 132 f. Dissertação. Universidade Luterana do Brasil. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2017. Disponível em: https://servicos.ulbra.br/BIBLIO/PPGEDUM231.pdf.

FOUCAULT, M. Nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GARCIA, M. M. A. O sujeito emancipado das pedagogias críticas. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 26, n.2, p. 31-50, 2001. Disponível em http://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/26137.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIAS E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL. Projeto Pedagógico do Curso Superior de Tecnologia em Design de Moda. Campus Erechim – 2017.

KOTLER, P.; KELLER, K. L. Administração de marketing. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006.

PORTAL DA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL, CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA. Histórico. Atualizado em abril de 2016. Disponível em: http://redefederal.mec.gov.br/historico.

SANTAIANA, R. Educação Integral no Brasil: a emergência do dispositivo de intersetorialidade. Porto Alegre: UFRGS, 2015. 190 f. Tese. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Educação. Programa de Pós-Graduação em Educação, 2015. Disponível em: http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/131041/000980271.pdf?sequence=1, acesso em 18/10/2019.

SARAIVA, K. A aliança biopolítica educação-trabalho. Pro-posições, v. 25, n.2, p. 139-156, mai/ago. 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/pp/v25n2/08.pdf, acesso em 18/10/2019.

SIBILIA, P. A escola no mundo hiper-conectado: Redes em vez de muros? MATRIZes, Revista do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Comunicação da Universidade de São Paulo (USP), vol. 5, no. 2, p. 195-211; 2012. Acesso em 02. Mar. 2018. Disponível em: http://www.periodicos.usp.br/matrizes/article/view/38333, acesso em 18/10/2019.

SILVA, T. T. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. 3 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2010.

VEIGA-NETO, A. Educação e governamentalidade neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: CASTELO BRANCO, G.; PORTOCARRERO, V. (Org.). Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: Nau, 2000. Disponível em: http://www.lite.fe.unicamp.br/cursos/nt/ta5.13.htm, acesso em 18/10/2019.

Downloads

Publicado

2020-02-01

Como Citar

WAGNER, P. G.; RIPOLL, D. Rastros neoliberais no currículo de um curso de Design de Moda do interior do Rio Grande do Sul. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 11 - 29, 2020. DOI: 10.5965/25944630412020010. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/16355. Acesso em: 4 dez. 2021.