Grupo Teatral Desencanto de Trindade, Goiás: entre cenas, reuso e sustentabilidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/25944630332019113

Resumo

Este trabalho teve como objetivo analisar como as ações de sustentabilidade são utilizadas no processo de produção dos figurinos do Grupo Teatral Desencanto. Este grupo iniciou suas atividades no ano de 1988 e, desde então, organiza os principais movimentos culturais da cidade de Trindade, em Goiás, e se apresenta em eventos regionais, nacionais e internacionais. O Desencanto trabalha com várias questões sociais, seja nos processos de construção das vestimentas, nas apresentações culturais ou na qualificação profissional. O problema deste artigo desenrolou-se em torno da seguinte questão: como as ações de sustentabilidade são utilizadas no processo de produção dos figurinos do Grupo Teatral Desencanto? A metodologia seguiu a abordagem qualitativa e interpretativa, associada à pesquisa bibliográfica e ao estudo de caso.  A relevância da pesquisa situa-se na perspectiva de fomentar reflexões que contribuam para uma melhor compreensão da sustentabilidade na construção de figurinos teatrais. A análise permite afirmar que, durante o processo de criação e produção dos figurinos, acessórios, alegorias e cenários, o Grupo desenvolve ações sustentáveis, em sua maioria de forma inconsciente, já que as pratica tendo em vista o viés financeiro, para a economia de recursos.  

Biografia do Autor

Poliene Soares dos Santos Bicalho, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Doutora em História Social (UnB), Docente do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER-UEG) e do Curso de História da Universidade Estadual de Goiás, Campus de Ciências Socioeconomicas e Humanas de Anápolis.

Nélia Cristina Pinheiro Finotti, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade de Brasília (2011) e Graduação em Design de Moda pela Universidade Salgado de Oliveira (2006). Discente do Programa de Pós-Graduação Strito Sensu em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER-UEG)

Josana de Castro Peixoto, Universidade Estadual de Goiás (UEG)

Possui graduação em Ciências Biológicas, modalidade bacharelado pela Universidade Federal de Goiás (2001) e licenciatura pela Universidade Estadual de Goiás (2000). Mestrado (2001), doutorado em Biologia (2010) e estágio pós-doutoral pela Universidade Federal de Goiás (2015) em parceria com o Programa en Biología y Ecología Aplicada na Universidade de La Serena, La Serena, Chile. Docente da Universidade Estadual de Goiás (UEG) E do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER)

Referências

ABRANTES, Samuel. Heróis e Bufões: o figurino encena. Rio de Janeiro: Agora da Ilha, 2001.

BARTHES, Roland. Imagem e Moda. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BERLIM, Lilyan. Moda e sustentabilidade: uma reflexão necessária. São Paulo: Estação das Letras e Cores. 2016.

BERTHOLD, Margot. História mundial do teatro. 6ed. São Paulo: perspectiva, 2014.

BERZBACH, Frank. Psicologia para criativos. São Pulo: G.Gili, 2013.

BICALHO, Poliene Soares dos Santos. Se pinta e se veste: segunda pele indígena. 2018. Disponível em: https://dobras.emnuvens.com.br/dobras | e-ISSN 2358-0003. Acesso em: 20 de janeiro de 2019.

CARLI, Ana Mery S. de; VENZON, Bernadete L. S. Moda, sustentabilidade e emergências. Caxias do Sul, RS: Educs, 2012.

CIDREIRA, Renata Pitombo. O Sentido da Moda: vestuário, comunicação e cultura. São Paulo: Annablume, 2005.

CONRADO, Guido. Conceitos de Moda / Guido Conrado, Vânia Polly, Lu Caitora. Rio de Janeiro: SENAI/CETIQT, 2010.

DA MATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. 6º ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

FLETCHER, Kate; GROSE, Linda. Moda e Sustentabilidade, design para mudança. Editora Senac. São Paulo, 2011

GODART, Frédéric. Sociologia da moda. Tradução Lea P. Zylberlicht. São Paulo: SENAC São Paulo, 2010.

GWILT, Alison. Moda sustentável: guia prático. 1. ed. São Paulo: GG.2014.

JATOBÁ, Waldick. Desafios do design sustentável brasileiro. São Paulo: Versal Editores, 2014.

LAVER, James. A roupa e a moda: Uma história concisa. São Paulo: Schwarcz, 1989.

LINKE. Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2013/trabalhos/ 188_ trabalho. pdf. Acesso em 15 de janeiro de 2019.

LIPOVETSKY, Gilles. O Império do efêmero: a moda e seus destinos nas sociedades modernas. 2. Ed. Companhia das Letras. 2003.

MANZINI, Ezio; VEZZOLI, Carlo. O desenvolvimento de produtos sustentáveis. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2016.

MARTIN, Macarena San; Curso Prático: Designer de Moda. Escala Ltda; São Paulo, 2012.

MÜLLER, Florence. Arte & Moda. São Paulo: Cosac & Naify Edições, 2000.

MUNARI, Bruno. Das coisas nascem coisas. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

PALOMINO, Erika. A moda. São Paulo: Publifolha, 2003.

SALCEDO, Helena. Moda ética para um futuro sustentável. São Paulo: GG, 2014.

SANT’ANNA, Maria Rubia. Sociabilidades Coloniais: entre o ver e o ser visto. São Paulo: Estação das Letras e Cores,2016.

SEIVEWRIGHT, Simon; Pesquisa e design - Fundamentos de design de moda. Porto Alegre: Bookman, 2015.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SIMILI, Ivana Guilherme; VASQUES, Ronaldo Salvador. Indumentária e moda: caminhos investigativos. Maringá: Ed. Universidade Estadual de Maringá, 2013.

SVENDSEN, Lars. Moda uma filosofia. Tradução Maria Luiza X. de A. Borges. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

TREPTOW, Doris. Inventando moda: planejamento de coleção. Brusque: D. Treptow, 2003.

VIANA, Fausto; MUNIZ, Rosane. Diário de pesquisadores: Traje de Cena. São

Paulo: Estação das Letras e Cores, 2012.

VIANA, Fausto; BASSI, Carolina, Rosane. Traje de Cena, Traje de Folguedo. São Paulo: Estação das Letras e Cores, 2014.

Downloads

Publicado

2019-11-28

Como Citar

BICALHO, P. S. dos S.; FINOTTI, N. C. P.; PEIXOTO, J. de C. Grupo Teatral Desencanto de Trindade, Goiás: entre cenas, reuso e sustentabilidade. Revista de Ensino em Artes, Moda e Design, Florianópolis, v. 3, n. 3, p. 113 - 133, 2019. DOI: 10.5965/25944630332019113. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/ensinarmode/article/view/15790. Acesso em: 4 dez. 2021.