A Imagem como estímulo no processo de imersão e a memória como o regente no trabalho do ator.

Autores

  • Priscila Silva da Rosa Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312909122014017

Palavras-chave:

Processo artístico, Fotografia, Teatro

Resumo

O presente artigo relata o processo artístico experimental teórico-prático desenvolvido no ano de 2013, referente à montagem do conto “O Espelho”, da obra Primeiras Estória, de João Guimarães Rosa. Este processo artístico experimental se propôs a investigar a relação do termo memória, de Henri Bérgson, em seu ensaio “Matéria e Memória” (1999), para tanto, são utilizadas as fotografias de Brooke Shaden [1] como principal estímulo para a criação com a imagem fotográfica nesse processo. Portanto, com esse relato busca-se poder dividir com o leitor o que o laboratório prático e os ensaios possibilitaram ao espetáculo e, principalmente, ao trabalho da atriz.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Priscila Silva da Rosa, Universidade Federal de Santa Maria

Acadêmica do curso de Bacharelado em Interpretação, do Departamento de Artes Cênicas, na Universidade Federal de Santa Maria.

Downloads

Publicado

2014-12-04

Como Citar

DA ROSA, P. S. A Imagem como estímulo no processo de imersão e a memória como o regente no trabalho do ator. DAPesquisa, Florianópolis, v. 9, n. 12, p. 17 - 23, 2014. DOI: 10.5965/1808312909122014017. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/3727. Acesso em: 24 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos