Pessoal grotesco

Autores

  • Antonio Vargas Udesc
  • Vinicius Pereira Udesc

DOI:

https://doi.org/10.5965/1808312904062009371

Palavras-chave:

grotesco, sexo explícito, violência em cena

Resumo

O presente trabalho aborda grupos e artistas cênicos que utilizam sexo explícito e violência real (tanto física quanto psicológica) como estratégias do grotesco. Procuro entender que relação esperam estabelecer com a recepção de seu trabalho colocando em risco e expondo seu corpo dessa maneira. Parece comum se associar o grotesco no teatro à distorção física, em detrimento às referências reais, ao que se espera normal e harmônico. Entretanto, o tipo de composição cênica que pesquiso parece trazer outra concepção da relação entre corpo e sensação/emoção do ator; carrega consigo uma noção pós-moderna de personagens e de jogo cênico. Muitos grupos e artistas cênicos têm trabalhado com aspectos grotescos em suas produções não meramente de maneira ilustrativa, mas com grande ênfase em seu ato arriscado, em sua exposição factual, como se quisessem colocar à prova todo seu arsenal cênico, aproximando-o cada vez mais de uma não-ficção. Este é um dado importante no âmbito artístico contemporâneo; estudá-lo é buscar caminhos para sua compreensão não somente artística (digamos, estética e poética), mas também abre brechas para seu entendimento na esfera social, em sua comunicação externa enquanto obra artística e encontro social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-11-12

Como Citar

VARGAS, A.; PEREIRA, V. Pessoal grotesco. DAPesquisa, Florianópolis, v. 4, n. 6, p. 271-377, 2018. DOI: 10.5965/1808312904062009371. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/dapesquisa/article/view/14193. Acesso em: 27 set. 2021.

Edição

Seção

Artes Visuais