O emprego de suportes historicamente rejeitados pela tradição artística no ensino de Artes Visuais

Autores

  • Glenda Maíra Silva Melo Universidade do Estado de Minas Gerais

Palavras-chave:

Ruptura, Ensino de Arte, Artes visuais, Arte povera,

Resumo

Este pesquisa analisa a metodologia de ruptura do suporte elaborada para o ensino de artes visuais na E.M.E.B “Engenheiro Agrônomo Urbano de Andrade Junqueira” da cidade de Guará. O objetivo desta pesquisa é identificar abordagens de ensino capazes de suplantar a falta de recursos materiais, informacionais e instrumentais e de aproximar o universo das artes visuais da realidade sociocultural dos educandos. A proposta metodológica desenvolvida consistiu na utilização de materiais historicamente rejeitados pela tradição artística na produção de esculturas, pinturas, desenhos e gravuras. Tal metodologia teve inspiração no movimento italiano da arte povera, que defendia a utilização de suportes não convencionais como forma de promover o fim da barreira entre a arte e o proletariado. A pesquisa-ação correspondeu à metodologia empregada durante todo o percurso investigativo. Os resultados obtidos apontam que a falta de material e instalações adequadas não deve se transformar em empecilho para o ensino de artes visuais, já que o emprego de materiais diversos e de variedade técnica permitiu o enriquecimento das experiências artísticas vivenciadas pelos alunos. A relevância deste estudo está em fornecer subsídios a professores que não dispõem de recursos importantes para o ensino de artes visuais nas instituições onde atuam.

Biografia do Autor

Glenda Maíra Silva Melo, Universidade do Estado de Minas Gerais

Sou docente dos cursos de Design de Moda e Ciências Contábeis da Universidade do Estado de Minas Gerais. Possuo bacharelado em estilismo em Moda (Uel), licenciatura em Educação Artística (Unifran), especialização em arte e Criatividade (Unifran), especialização em ensino de Artes visuais (Ufmg) e mestrado em Têxtil e Moda. Atuo nas áreas de ensino (Artes e Moda) e pesquisa (ensino de Artes, aspectos antropológicos do vestuário e restauração e conservação de têxteis).

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. Arte Moderna: do iluminismo aos movimentos contemporâneos. 2ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

BUORO, Anamélia Bueno. O Olhar em Construção: uma experiência de ensino e aprendizagem da arte na escola. 3 ed. São Paulo: Cortez, 2000.

CONTE, Lara; MARANIELLO, Gianfranco; PENONE, Ruggero. Limites sem limites: desenhos e traços da Arte Povera. Porto Alegre: Fundação Iberê Camargo, 2014. 120 p. Catálogo de exposição, 22 ago - 02 nov. 2014. Fundação Iberê Camargo.

FISHER, Ernest. A necessidade da arte. 9 ed. Rio de Janeiro. Guanabara, 1987.

GERMANO, Beta. A obra de Mario Merz em 5 tempos: Mostra reúne trabalhos importantes do artista. Disponível em: < http://casavogue.globo.com/Colunas/Gemada/noticia/2015/07/obra-de-mario-merz-em-5-tempos.html > Acesso em 21 Abr. 2016.

IAVELBERG, Rosa. Para gostar de aprender arte: sala de aula e formação de professores. Porto Alegre: Artmed, 2003.

MARTÍ, Silas. Kounellis criou arte da presença incomoda. Folha de São Paulo, São Paulo, 18 fev. 2017, Caderno Ilustrada, C.5.

PIMENTEL, Lucia Gouvêa. O ensino de arte e sua pesquisa: possibilidades e desafios. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Caderno do professor: arte, ensino fundamental – 5a série, vol. 01. São Paulo: SEE, 2008.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Caderno do professor: arte, ensino fundamental – 7a série, vol. 01. São Paulo: SEE, 2008.

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO. Caderno do professor: arte, ensino fundamental – 7a série, vol. 02. São Paulo: SEE, 2008.

SOUZA, Alcídio M. Artes Plásticas na Escola. 2 ed. Rio de Janeiro: Bloch, 1970.

STRICKLAND, Carol. Arte comentada: da pré-história ao pós-moderno. 3 ed. Rio de Janeiro: 1999.

TATE MODERNO GALLERY. Zero to infinity: Art Povera 1962 – 1972. London: Tate Moderno Gallery, 2001. Catálogo de exposição. 31 mai - 19 Ago. 2001. Tate Moderno Gallery.

VENDRAMI, C. O imaterial do material: um relato sobre questões éticas que envolvem a escultura de Luciano Fabro. Eletras, vol. 18, n.18, jul. 2009. Disponível em < http://www.utp.br/eletras/ea/eletras18/texto/AV_resumo_18.1_Carla_Vendrami_O_imaterial_do_material.pdf > Acesso em: 06 mar. 2010.

Downloads

Publicado

2018-10-01