Ampliando repertórios e imaginários a partir da reflexão de uma abordagem pedagógica não hegemônica para o Ensino de Artes Visuais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/24471267732021054

Palavras-chave:

Ensino de Artes Visuais, Estudos Decoloniais, Pedagogia das Visualidades

Resumo

Existe uma insistente abordagem de (re)produções de discursos, visualidades e ideologias hegemônicas nos livros didáticos e nos currículos ofertados para o ensino de artes, fortalecendo assim, o imaginário excludente e preconceituoso acerca dos produtos culturais de outras temporalidades e regionalidades, que não as euro-norte-americanas e produções de artistas mulheres. Para tanto, neste trabalho buscamos refletir sobre caminhos possíveis de construir uma educação artística anti-racista, anti-machista, decolonial, horizontalizada, consciente sobre os preconceitos em relação à classe, gênero, raça, etnia, dentre outras diversidades, propondo uma mudança social e ampliação da visão de mundo. Analisamos os trabalhos da artista Gê Viana como uma possibilidade pedagógica que contribua para uma educação fortalecedora de sua criticidade e autonomia na construção de identidade e visão de mundo não hegemônicas. Consideramos, então, que a abordagem pedagógica é uma escolha política dos professores, podendo de traçar ou não, análises e reflexões com os alunos acerca dos contextos, intencionalidades, (re)construções contida das imagens, além de criar possibilidades para a ampliação do repertório visual e imagético. Sendo assim, os trabalhos da artista Gê Viana podem ser um caminho possível para trabalhar as questões de gênero, raça, história, entre outros, que ainda são pouco fortalecidas na história da arte e no seu ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lisa Miranda, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Professora de Artes, Mestranda em Arte (PPGArtes/UERJ). Especialista em Saberes e Fazeres no Ensino de Artes Visuais (PROPGPEC/Colégio Pedro II). Licenciada em Artes Visuais/UERJ. Integra o grupo PAVIS - Pesquisa em Artes e Visualidades UERJ/CNPq. email: lisagomes.miranda@gmail.com Lattes: http://lattes.cnpq.br/7500270095489408 Orcid: https://orcid.org/0000-0001-8729-5232

Thamires Burlandy, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Thamires Burlandy da Mota Chagas é professora de Artes do município de Rio das Ostras-RJ, mestranda em Artes (PPGArtes/UERJ), pós graduanda na especialização em Saberes e Fazeres no Ensino de Artes Visuais (PROPGPEC - Colégio Pedro II) e integrante do grupo de Pesquisa em Arte e Visualidade (PAVIS).

Ana Valéria de Figueiredo, Universidade do Estado do Rio de Janeiro - UERJ

Ana Valéria de Figueiredo da Costa é Docente Permanente do Programa de Pós-graduação em Artes e da Licenciatura em Artes Visuais ambos na UERJ; Líder do Grupo de Pesquisa em Arte e Visualidade (PAVIS UERJ)

Referências

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón. Introdução. Decolonialidade e pensamento afro diaspórico. In: BERNARDINO-COSTA,Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGUEL, Ramón (org.). Decolonialidade e pensamento afro diaspórico. Belo Horizonte: Autêntica, 2020. p. 9-26.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/. Acesso em: 09 nov. 2021.

BRUM, Eliane. A menina quebrada: e outras colunas de Eliane Brum. 1. ed. Porto Alegre: Arquipélago, 2013.

hooks, bell. Olhares negros: raça e representação. 1. ed. São Paulo: Elefante, 2019.

KILOMBA, Grada. Memórias da plantação: episódios de racismo cotidiano. 1. ed. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia dos sonhos possíveis. Ana Maria Araújo Freire (org.). 1. ed. São Paulo: Editora UNESP, 2001.

LEMOS, Beatriz. Catálogo Prêmio PIPA - Prize 2020 A janela para a arte contemporânea brasileira 2020. Instituto Pipa, Rio de Janeiro, v.11, p. 26-49, 2020. Disponível em: https://www.premiopipa.com/. Acesso em: 09 out. 2021.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n.3, p. 935 - 952, nov. 2014.

NOCHLIN, Linda. Por que não houve grandes mulheres artistas? 1. ed. São Paulo: Edições Autora/ Publication Studio São Paulo, 2016. Tradução de Juliana Vacaro.

MANHATTAN, Agrippina. Por que não houve grandes mulheres travestis?. Revista Desvio, Rio de Janeiro, v. 2 ,n. 3, p. 94-98, nov. 2017.

OLIVEIRA, Tory. Como abordar a história das mulheres durante todo o ano? Nova Escola, 2019. Disponível em: https://novaescola.org.br/conteudo/16097/como-abordar-a-historia-das-mulheres-durante-todo-o-ano. Acesso em: 04 set. 2021.

PEDROSA, Stella; COSTA, Ana Valéria de Figueiredo da. Fotografia e educação: possibilidades na produção de sentidos dos discursos visuais. Nuances: estudos sobre Educação, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 78-94, abr. 2017.

SARDELICH, Maria. Leitura de imagens, cultura visual e prática educativa. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v.36, n.128, p.451 - 472, ago, 2006.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de identidade: uma introdução às teorias

do currículo. 1. ed. Belo Horizonte, Autêntica, 1999.

VICTORIO FILHO, Aldo; PINTO, Maria. Um pouco mais sobre as imagens visuais na educação e na cultura visual contemporâneas. Revista Digital do LAV, Santa Maria, vol. 11, n. 1, p. 179-191, 17 set. 2015.

Downloads

Publicado

2022-03-08

Como Citar

MIRANDA, L. N. G. de; CHAGAS, T. B. da M.; COSTA, A. V. de F. da. Ampliando repertórios e imaginários a partir da reflexão de uma abordagem pedagógica não hegemônica para o Ensino de Artes Visuais. Revista Apotheke, Florianópolis, v. 7, n. 3, 2022. DOI: 10.5965/24471267732021054. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/apotheke/article/view/21137. Acesso em: 6 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Seção temática