Direito à diferença e pluriversalidade dos povos indígenas: tempo-espaço Kanhgág

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180315402023e0102

Palavras-chave:

direito, diferença, povos indígenas, historicidades, kanhgág

Resumo

Sabe-se que os povos indígenas no Brasil são populações diferenciadas, porém, o que isso representa para a disciplina História? Este artigo pensar essa questão por meio do direito à diferença e à pluriversalidade relacionadas ao passado irrevogável. Desse modo, é possível refletir sobre as histórias indígenas a partir das filosofias próprias envolvidas nesses processos. Para tanto, vale trazer o exemplo da etnia Kanhgág a partir de sua historicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maira Damasceno, Universidade do Vale do Rio dos Sinos

Doutora em Estudos Históricos Latino-Americanos no Programa de Pós Graduação em História; possui Mestrado em Políticas e Práticas Sociais pelo Programa de Pós Graduação em Ciências Sociais e licenciada em História, todos pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos. Atua em temas que envolvem as sociedades indígenas, em especial os Kanhgág; História da América Latina; História do Brasil; História indígena do Sul do Brasil; Educação Étnico racial; Educação Popular; Interculturalidade crítica; Pensamento decolonial; Direitos Humanos; Violência colonial; Reparação histórica; colonização; conflito agrário.

Referências

ALBERNAZ, Pablo de Castro; CARVALHO, José Jorge de. Encontro de saberes: por uma universidade antirracista e pluriepistêmica. Horizontes Antropológicos, v. 28, n. 63, p. 333-358, 2022.

AMORIM, Gabriel Chaves. Associativismo indígena e sua presença na Assembleia Nacional Constituinte (1985-1988): um tratado de paz com o Estado Nacional. In: FERRARINI, Adriane et al. (org.). Temas emergentes das Ciências Sociais. São Leopoldo: Oikos, 2021.

AMORIM, Gabriel Chaves. Jẽnkamũ régre ‒ dinheiro parente: economia kanhgág. Orientador: Sergio Baptista da Silva. 2023. 148 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2023.

BANIWA, Gersem Luciano. Antropologia colonial no caminho da antropologia indígena. Revista do PPGCS – UFRB – Novos Olhares Sociais, v. 2, n. 1, p. 22-40, 2019.

BANIWA, Gersem Luciano. História indígena no Brasil independente: da ameaça do desaparecimento ao protagonismo e cidadania diferenciada. Araucaria: Revista Iberoamericana de Filosofía, Política, Humanidades y Relaciones Internacionales, n. 51. p. 263-290, 2022a.

BANIWA, Gersem Luciano. Resistência resiliência. Vídeo (3 min. 45 s.). 1 jan. 2022b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=gYcuwIqpev0. Acesso em: 18 dez. 2023.

BEVERNAGE, Berber. History, memory, and State-sponsored violence. New York: Routledge, 2011.

BRAGA, Danilo. A história dos Kaingang na luta pela terra no Rio Grande do Sul: do silêncio, à reação, a reconquista e a volta para casa (1940-2002). 2015. 153 f. Dissertação (Mestrado em História) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Câmara aprova projeto do marco temporal para demarcação das terras indígenas. 30 maio 2023a. Disponível em: https://www.camara.leg.br/noticias/967344-CAMARA-APROVA-PROJETO-DO-MARCO-TEMPORAL-PARA-DEMARCACAO-DAS-TERRAS-INDIGENAS. Acesso em: 18 dez. 2023.

CÂMARA DOS DEPUTADOS. Para a deputada Célia Xakriabá, marco temporal pode provocar a revisão de territórios já demarcados. [Entrevista cedida a] Rádio Câmara. 30 maio 2023b. Disponível em: https://www.camara.leg.br/radio/programas/966906-para-a-deputada-celia-xakriaba-marco-temporal-pode-provocar-a-revisao-de-territorios-ja-demarcados/. Acesso em: 18 dez. 2023.

CARDOSO. Dorvalino Refej. Aprendendo com todas as formas de vida do planeta: educação oral e educação escolar Kanhgág. Orientadora: Maria Aparecida Bergamaschi. 2014. 39 f. Monografia (Graduação em Pedagogia) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

CARDOSO, Dorvalino Refej. Kanhgág jykre kar: filosofia e educação Kanhgág e a oralidade ‒ uma abertura de caminhos. Orientadora: Magali Mendes de Menezes. 2017. 90 f. Dissertação (Mestrado em Educação) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

CLAUDINO, Zaqueu Key. Kamë e Kajru: a dualidade fértil na cosmologia Kaingang. In: BERGAMASCHI, Maria Aparecida (org.). Povos indígenas & educação. Porto Alegre: Mediação, 2012.

CLAUDINO, Zaqueu Key. A formação da pessoa nos pressupostos da tradição: educação indígena Kanhgág. Orientadora: Maria Aparecida Bergamaschi. 2013. 119 f. Dissertação (Mestrado em Educação) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

DAS ARTES. Museu do Brooklyn repatria artefatos pré-colombianos para a Costa Rica. 7 jul. 2021. Disponível em: https://dasartes.com.br/de-arte-az/museu-do-brooklyn-repatria-artefatos-pre-colombianos-para-a-costa-rica/. Acesso em: 18 dez. 2023.

FERNANDES, Pádua. Povos indígenas, segurança nacional e a Assembleia Nacional Constituinte: as Forças Armadas e o capítulo dos índios da Constituição brasileira de 1988. InSURgência, v. 1, n. 2, 142-175, 2015.

FERREIRA, Bruno. Educação Kaingang: processos próprios de aprendizagem e educação escolar. Orientador: Maria Aparecida Bergamaschi. 2014. 99 f. Dissertação (Mestrado em Educação) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

FERREIRA, Bruno. Descolonizando a escola: em busca de novas práticas. Avá: Revista de Antropología, n. 33, p. 165-184, 2018.

FERREIRA, Bruno. ŨN SI AG TŨ PẼ KI VẼNH KAJRÃNRÃN FÃ. O papel da escola nas comunidades kaingang. Orientadora: Maria Aparecida Bergamaschi. 2020. 190 f. Tese (Doutorado em Educação) ‒ Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2020.

KRENAK, Ailton. Índio cidadão? Grito 3 Ailton Krenak. Vídeo (4 min. 2 s.). 4 set. 1987, Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=kWMHiwdbM_Q Acesso em: 18 dez. 2023.

.KRENAK, Ailton. Antes o mundo não existia. In: NOVAES, A. (org.). Tempo e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1994. p. 201-204.

JANKÉLÉVITCH, Vladimir. L’irréversible et la nostalgie. Paris: Flammarion, 1974.

JEKUPÉ, Olívio. Roubaram o gravador do Juruna. Tellus, v. 10, n. 19, p. 225-228, 2010.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter. The invention of the human and the three pillars of colonial matrix of power: racism, sexism and nature. In: MIGNOLO, Walter D.; WALSH, Catherine E. (ed.). On decoloniality: concepts, analytics, praxis. Durham: Duke University Press, 2018.

MOURA, Onório Isaías de. Mitologia kaingang: a oposição e a complementaridade como um processo de educação intercultural e humanização. Orientadora: Ana Luisa Teixeira de Menezes. 2021. 107 f. Dissertação (Mestrado em Educação) ‒ Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul, 2021.

MUNDURUKU, Daniel. O caráter educativo do movimento indígena brasileiro (1970-1990). São Paulo: Paulinas, 2012.

NASCIMENTO, Diana. A resiliência do sistema agrícola tradicional kaingang frente ao avanço do agronegócio: o caso da Terra Indígena Nonoai-RS. Orientadora: Ludivine Eloy Costa Pereira. 2017. 100 f. Dissertação (Mestrado Profissional em Desenvolvimento Sustentável) ‒ Universidade de Brasília, Brasília, 2017.

NOGUERA, Renato. Denegrindo a educação: um ensaio filosófico para uma pedagogia da pluriversalidade. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 18, p. 62-73, 2012.

NOGUERA, Renato. Introdução à filosofia a partir da história e culturas dos povos indígenas. Revista Interinstitucional Artes de Educar, v. 1, n. 3, p. 394-407, 2015.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: LANDER, Edgardo (org.). Colonialidad del saber, eurocentrismo y ciencias sociales. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. p. 107-130.

RAMOSE, Mogobe. Sobre a legitimidade e o estudo da filosofia africana. Ensaios Filosóficos, v. IV, p. 6-25, 2011.

REIS, Maurício de Novais. Ensino de filosofia. Do universo eurocêntrico ao pluriverso epistêmico. Porto Alegre: Fi, 2020.

SALLES MACHADO, Juliana. Histórias roubadas: (des)encontros entre arqueólogos, sítios, coleções arqueológicas e os Laklãnõ-Xokleng no Alto Vale do Itajaí, SC. Hawò, v. 2, 2021.

SILVA, Sérgio Baptista da. Produção e transmissão de conhecimentos em coletivos kaingang. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi ‒ Ciências Humanas, v. 17, n. 2, e20200135, 2022.

SOTTILE, Zoe. Museu de Londres devolverá bronzes roubados em 1897 à Nigéria. 8 ago. 2022. Disponível em: https://www.cnnbrasil.com.br/lifestyle/museu-de-londres-devolvera-bronzes-roubados-em-1897-a-nigeria/. Acesso em: 18 dez. 2023.

SOUZA, Alfredo Mendonça de. História da Arqueologia brasileira. Pesquisas: Antropologia, n. 46, p. 1-157, 1991.

TOMMASINO, Kimiye. Território e territorialidade kaingáng. Resistência cultural e historicidade de um grupo Jê. In: MOTA, L. T.; NOELLI, F. S.; TOMMASINO, K. (org.). Uri e Wãxi. Estudos interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: Ed. UEL, 2000.

TÖNIGES, Sven; LEHNEN, Christine. Da Saxônia-Anhalt ao México: arte pilhada maia retorna. 27 maio 2021. Disponível em: https://www.dw.com/pt-br/dasax%C3%B4nia-anhalt-ao-m%C3%A9xico-arte-pilhada-maia-retorna/a-57691236. Acesso em: 18 dez. 2023.

WERNZ, Maria Cristina Graeff. De maneira sagrada e em celebração: apontamentos sobre uma pequena participação no fim dos “cem anos de silêncio”. 15 mar. 2021. Disponível em: https://sites.unipampa.edu.br/cienciacao/2021/03/15/de-maneira-sagrada-e-em-celebracao-apontamentos-sobre-uma-pequena-participacao-no-fim-dos-cem-anos-de-silencio/. Acesso em: 18 dez. 2023.

XAKRIABÁ, Célia. Discurso contra PL 490/07. Vídeo (33 min. 45 s.). 2 jun. 2023. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=5TdyPoSZ1wk. Acesso em: 18 dez. 2023.

Downloads

Publicado

2023-12-29

Como Citar

DAMASCENO, Maira. Direito à diferença e pluriversalidade dos povos indígenas: tempo-espaço Kanhgág. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 15, n. 40, p. e0102, 2023. DOI: 10.5965/2175180315402023e0102. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180315402023e0102. Acesso em: 18 abr. 2024.