A história sem presente e o ensino sem futuro: representação do tempo no ensino de História pelos alunos da Educação Básica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180313332021e0109

Resumo

Este artigo analisa como um conjunto de alunos e alunas do 9º Ano da Educação Básica de uma escola pública representa o tempo na história ensinada em sala de aula. Como procedimento metodológico para atingir esse objetivo foi aplicado um questionário durante as atividades realizadas no âmbito do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (PIBID) na Faculdade de História (Fahist) da Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (Unifesspa), pelo qual os estudantes puderam registrar um conjunto de informações sobre o ensino de História, em especial no que se refere às suas relações com a compreensão de tempo. A partir dos registros produzidos pelos alunos/as, percebeu-se que a história ensinada se relaciona predominantemente ao passado, praticamente sem vínculo ou relação com o presente e sem conexões com projeções de futuro.

Palavras-chave: História; ensino; tempo; educação básica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erinaldo Vicente Cavalcanti, Universidade Federal do Sul e Sudeste do Pará (UNIFESSPA)

Diretor da Associação Brasileira de História Oral - Regional Norte (Biênio 2018/2020). Licenciado em História pela Universidade de Pernambuco, Mestre e Doutor pela Linha de Pesquisa Cultura e Memória do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Pernambuco, com Estágio Doutoral (PDSE/Capes) pela Universidad General San Martin em Buenos Aires, Argentina. É autor dos Livros Didáticos: "Pernambuco de Muitas Histórias: História do Estado de Pernambuco" (2012), e "História e Geografia de Pernambuco" (2015) publicados pela Editora Moderna. Também é autor de "Relatos do Medo: a ameaça comunista em Pernambuco - Garanhuns 1958-1964, (EdUFPE, 2012), e autor e organizador de "A história e suas práticas de escritas: relatos de pesquisa", (EdUFPE, 2013), "A história e suas práticas de escritas: narrativas e documentos" (EdUFPE, 2014); "A história e suas práticas de escritas: leituras do tempo, (EdUFPE, 2016), "História: demandas e desafios do tempo presente - produção acadêmica, ensino de história e formação docente" pela EdUFMA (2018) e "Ditadura militar no Brasil: entre práticas e representações" pelas editoras FGV e EdUFPE (2017). Coordena o laboratório e grupo de pesquisa Interpretação do Tempo: ensino, memória, narrativa e política (iTemnpo - CNPq/Unifesspa), atua principalmente nos seguintes temas: Teoria; Ditadura Militar; Ensino de História, Livro Didático e Formação Docente. É Diretor de Pós-Graduação da Unifesspa e também é membro do Comitê Gestor Institucional de Formação Inicial e Continuada de Profissionais do Magistério da Educação Básica - COMFOR, é parecerista de revistas especializadas como a Revista História Hoje (ANPUH-Brasil). É professor e coordenador do PPGHIST/Unifesspa (Mestrado Acadêmico).

Referências

BENITO, Agustín Escolano. A escola como cultura: experiência, memória e arqueologia. Campinas: Alínea, 2017.

BITTENCOURT, Circe. Capitalismo e cidadania nas atuais propostas curriculares de História. In: BITTENCOURT, Circe (org.). O saber histórico em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2017. p. 11-27.

CAVALCANTI, Erinaldo. A história encastelada e o ensino encurralado: reflexões sobre a formação docente dos professores de história. Educar em Revista, Curitiba, v. 34, n. 72, p. 249-267, 2018.

CAVALCANTI, Erinaldo. O futuro do passado no tempo presente: memórias e narrativas amazônicas nas Encruzilhadas do tempo. Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, v. 12, n. 1, p. 24-43, 2019a.

CAVALCANTI, Erinaldo. Ensino de história, livro didático e formação docente de professores de História no Brasil. Enseñanza de las Ciencias Sociales, Barcelona, v. 18, p. 49-61, 2019b.

CAVALCANTI, Erinaldo. La formación docente inicial del profesor de historia en Brasil: temas, reflexiones y desafíos. Revista Ciencias Sociales y Educación, Medellín: Universidad de Medellín, v. 9, n. 18, p. 113-135, 2020.

CAIMI, Flávia Eloisa. A licenciatura em história frente às atuais políticas públicas de formação de professores: um olhar sobre as definições curriculares. Revista Latino-Americana de História, São Leopoldo, v. 2, n. 6, p. 13-209, 2013.

CECILIA, Linare; CUESTA, Virginia. El sentido de la enseñanza y el aprendizaje de la historia para los jóvenes estudiantes de Brasil, Argentina, Uruguay y Chile. Revista Clio & Asociados, Santa Fe, v. 20, n. 21, p. 27-42, 2015.

CHARTIER, Roger. A aventura do livro: do leitor ao navegador. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo: Editora Unesp, 1998.

CHARTIER, Roger. Defesa e ilustração da noção de representação. Fronteiras, Dourados, v. 13, n. 24, p. 15-29, 2011.

CHARTIER, Roger. Textos, impressos, leituras. In: A HISTÓRIA CULTURAL: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 2002. p. 121-139.

DELACROIX, Christian. A história do tempo presente, uma história (realmente) como as outras? Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 10, n. 23, p. 39-79, 2018

DOSSE, François. A história. São Paulo: Editora Unesp, 2012a.

DOSSE, François. História do tempo presente e historiografia. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 4, n. 1, p. 5-22, 2012b.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente: desafios. Cultura Vozes, Petrópolis, v. 94, n. 3, p. 111-124, 2000.

FERREIRA, Marieta de Moraes. História, tempo presente e história oral. Topoi, Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, p. 314-332, 2002.

GABRIEL, Carmen Teresa. Pesquisa em ensino de história: desafios contemporâneos de um campo de investigação. In: MONTEIRO, Ana Maria; RAJELO, Adriana (org.). Cartografias da pesquisa em ensino de história. Rio de Janeiro: Mauad X, 2019. p. 143-162.

GOMES, Ângela de Castro (org.). Escrita de si, escrita da história. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

GOMES, Ângela Maria de Castro; LUCA, Tânia Regina de. Apresentação: dossiê o ensino de história e o tempo presente. Revista História Hoje, São Paulo, v. 2, n. 4, p. 13-17, 2013.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. As injunções do tempo presente no relato histórico. experimentar a contemporaneidade. In: NOGUEIRA, Antônio Gilberto Ramos; SILVA FILHO, Antônio Luiz Macedo. História e historiografia: perspectivas e abordagens. Recife: Editora da UFPE, 2014b. p. 41-59.

GUIMARÃES NETO, Regina Beatriz. História e escrita do tempo: questões e problemas para a pesquisa histórica. In: DELGADO, Lucilia de Almeida Neves; FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente. Rio de Janeiro: FGV, 2014a. p. 35-64.

GUIMARÃES, Selva. Didática e prática de ensino de história: experiências, reflexões e aprendizados. São Paulo: Papirus, 2012.

JULIA, Dominique. A cultura escolar como objeto histórico. Revista Brasileira de História da Educação, Maringá, v. 1, n. 1, p. 9-43, 2001.

KANTOVITZ, Geane. As apropriações do saber histórico por meio do livro didático de história da rede Salesiana de escola. História & Ensino, Londrina, v. 20, n. 1, p. 171-195, 2014.

KOSELLECK, Reinhart. Estratos do tempo: estudos sobre história. Rio de Janeiro: Contraponto: Editora PUC-Rio, 2014.

KUSNICK, Marcos Roberto e CERRI, Luís Fernando. Ideias de estudantes sobre a história - um estudo de caso a partir das representações sociais. Revista Cultura histórica & Patrimônio, Alfenas, v. 2, n. 2, p. 30-54, 2014.

LEE, Peter. Em direção a um conceito de literacia histórica. Revista Educar, Curitiba, v. 22. Curitiba, p. 107-146, 2006. Número especial.

LEE, Peter. O ensino de história: algumas reflexões do Reino Unido. [Entrevista cedida a] Cristiani Bereta da Silva. Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 216-250, 2012.

MONTEIRO, Ana Maria F. da Costa. Aulas de história: questões do/no tempo presente. Educar em Revista, Curitiba, v. 31, n. 58, p. 165-182, 2015.

MORENO, Concha Fuentes. Concepciones de los alumnos sobre la historia. Educar em Revista, Curitiba, p. 219-139, 2006. Número especial.

NADAI, Elza. O ensino de história no Brasil: trajetória e perspectiva. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 13, n. 25/26, p. 143-162, 1993.

PENNA, Fernando. A total dúvida sobre o amanhã e o desafio de ensinar história: concepções de tempo na produção textual de alunos. História e Perspectivas, Uberlândia v. 28, n. 53, p. 71-97, jan./jun. 2015.

PINTO, Neuza Bertoni. História das disciplinas escolares: reflexão sobre aspectos teórico-metodológicos de uma prática historiográfica. Revista Diálogos Educacionais, Curitiba, v. 14, n. 41, p. 125-142, 2014.

RAMOS, Márcia Elisa Teté; ALVES, Ronaldo Cardoso. Representações de história em jovens da escola básica e da universidade: um estudo sobre pensamento histórico e identidade. Antíteses, Londrina, v. 9, n. 18, p. 118-152, 2016.

REIS, Aaron S. Cerqueira. As concepções de jovens estudantes sobre assuntos históricos. Revista História Hoje, São Paulo, v. 8, n. 16, p. 70-89, 2019.

RICŒUR, Paul. A metáfora viva. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

ROCHA, Helenice. A presença do passado na sala de história. In: MAGALHÃES, Marcelo et al. (org.). Ensino de história: usos do passado, memória e mídia. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014. p. 33-52.

ROUSSO, Henry. A última catástrofe. a história, o presente, o contemporâneo. Rio de Janeiro, FVG, 2016.

ROUSSO, Henry. Sobre a história do tempo presente. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 201-216, 2009.

SILVA, Cristiani Bereta. Que memória? que história? usos do passado em ensino de história a partir do tempo presente. In: Gonçalves, Janice (org.). História do tempo presente: oralidade, memória, mídia. Itajaí: Casa Aberta, 2016. p. 117-140.

SILVA, Daniel Pinha. O lugar do tempo presente na aula de História: limites e possibilidades. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 9, n. 20, p. 99-129, 2017.

Downloads

Publicado

2021-08-31

Como Citar

CAVALCANTI, E. V. A história sem presente e o ensino sem futuro: representação do tempo no ensino de História pelos alunos da Educação Básica. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 13, n. 33, p. e0109, 2021. DOI: 10.5965/2175180313332021e0109. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180313332021e0109. Acesso em: 7 dez. 2021.