Museus e identidades no tempo presente

Autores

  • Aline do Carmo Universidade de Passo Fundo
  • Maria Goreti Baptista Betencourt

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180311262019486

Resumo

Pretende-se, aqui, levantar algumas discussões sobre o fazer História do Tempo Presente, com o intuito de dialogar com um fato marcante acontecido em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul: o fechamento precoce da exposição Queermuseu – Cartografias da Diferença na Arte, com mais de 270 obras de arte, instalada no Santander Cultural. O grupo de pessoas que pediu o encerramento da exposição reivindicou pura e simplesmente a supressão do seu objeto de desgosto em "arena pública", parecendo ser a nova forma que assume a censura em nosso tempo recente: não mais a decisão do Estado, mas o clamor mais ou menos anônimo, reverberado pelas redes sociais digitais, contra a mera existência do que desagrada uma parcela da sociedade, no caso, as obras com temas sobre a diversidade, corpo e religião.

Palavras-chave: História do Tempo Presente. Artes Visuais. Arte Contemporânea. Queer.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aline do Carmo, Universidade de Passo Fundo

Doutoranda em História

Mestre em História

Faculdade de Artes e Comunicação

Referências

CORBIN, Alain Corbin. (orgs.) História do Corpo 3: as mutações do olhar: O século XX. In: MICHAUD, A., Visualizações: o corpo e as artes visuais. 2. Ed. Petropolis, RJ: Vozes. 2008.

DEL PRIORI, Mary. Histórias Íntimas – Sexualidade e Erotismo na História do Brasil. SÃO PAULO: PLANETA, 2011.

DOSSE, François. Renascimento do acontencimento: um desafio para o historiador: entre Esfinge e Fênix. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

ECO, Umberto. A definição da arte (1955 a 1963). Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Record, 2016.

FIDELIS, Gaudêncio (Org). Queermuseu: Cartografias da Diferença da Arte Brasileira. São Paulo: Santander Cultural, 2017.

HARTOG, François. Regime de historicidade: presentismo e experiências do tempo. 1. Ed.; 2. reimp. Belo Horizonte: Autêntica, 2015.

HEIDEGGER, M. A origem da obra de arte (1936). Tradução de Maria da Conceição Costa. Lisboa: Edições 70, 1999.

LARROSA, Jorge. A operação ensaio: sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. Educação & Realidade [dossiê Michel Foucault], Porto Alegre, v. 29, n.1, 2004.

RAMALHO E OLIVEIRA, Sandra. Imagem também se Lê. 2. Ed. São Paulo: Rosari, 2009.

REMOND, Rene. Introdução a Historia do Nosso Tempo Lisboa: Gradiva, 1994.

RIOUX, Jean-Pierre. Pode-se fazer uma história do presente? In: CHAUVEAU, A., TÉTART, P. (orgs.). Questões para a história do presente. Bauru, SP: EDUSC, 1999.

www.mbl.org.br – Acessado em 01/12/2017

www.huffpostbrasil.com - Acessado em 12/09/2017

www.zh.clicrbs.com.br - Acessado em 15/09/2017

ZERNER, Henri (orgs.). História do Corpo Vol. 2: Da revolução a grande guerra. Ed. Petropolis, RJ: Vozes. 2005.

Downloads

Publicado

2019-04-15

Como Citar

CARMO, A. do; BETENCOURT, M. G. B. Museus e identidades no tempo presente. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 11, n. 26, p. 486 - 507, 2019. DOI: 10.5965/2175180311262019486. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180311262019486. Acesso em: 1 dez. 2022.