Reinhart Koselleck e a análise das metáforas: sobre as possibilidades para além do conceitual

Autores

  • André da Silva Ramos Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175180311262019431

Resumo

Este artigo explora – em diálogo com estudos recentes no âmbito da teoria da história e história intelectual, especialmente seguindo as perspectivas de Hans Ulrich Gumbrecht e Elías Palti –, os limites da história dos conceitos (Begriffsgeschichte) e a possibilidade da sua dinamização frente à abertura para a análise das metáforas. Pretendo compreender a especificidade da importância conferida por Reinhart Koselleck à análise das “metáforas espaciais” em seu projeto intelectual, diferenciando as perspectivas do autor das de Hans Blumenberg. Evidencio como Koselleck articulou a importância das metáforas em face à centralidade conferida à sua teoria da modernização. Por fim, a intenção será matizar a relevância das contribuições de Koselleck para os estudos historiográficos perante a necessidade da abertura para desafios que não se limitem ao conceitual, como colocado em destaque pela bibliografia especializada contemporânea.

Palavras-chave: História dos Conceitos. Teoria da Modernização. Teoria da Não Conceitualidade. Linguagem. Metáforas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André da Silva Ramos, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri

Doutorando em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). Pesquisador integrante do Núcleo de História da Historiografia e Modernidade (NEHM) e membro da Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia (SBTHH). Pesquisou no mestrado a modernização da experiência processada na cultura histórica britânica e luso-brasileira, tendo como eixo interlocutor os escritos do historiador britânico Robert Southey, sob a orientação do Professor Valdei Lopes de Araujo. Atualmente, pesquisa no doutorado as tensões entre experiência da história e linguagem a partir da obra de Machado de Assis, novamente sob a orientação do Professor Valdei Lopes de Araujo. Realizou estágio de pesquisa em Lisboa, durante os meses de outubro e novembro de 2012, contando com o auxílio financeiro da Cátedra Jaime Cortesão/USP - Instituto Camões e supervisão do Professor Sérgio Campos Matos da Universidade de Lisboa. Realizou o doutorado sanduíche em Stanford University, sob a orientação do Professor Hans Ulrich Gumbrecht, contando com o financiamento da Fulbright/Capes. Também foi pesquisador visitante no Center for Humanities da Wesleyan University, sendo orientado pelo Professor Ethan Kleinberg. Lecionou na condição de Professor Substituto cursos nas áreas de História da Historiografia Brasileira, Teoria da História e História da Historiografia no Departamento de História da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP), durante o ano letivo de 2013. Posteriormente, no ano letivo de 2014, lecionou na mesma instituiçao, na condição de doutorando vinculado ao PPGHIS-UFOP, ofertando disciplinas facultativas nas áreas de Teoria da História e História da Historiografia. Também possui experiência com ensino à distância, tendo atuado entre os anos de 2014 e 2015 como tutor do curso de Pós-Graduação Especialização em Práticas Pedagógicas, ofertado pelo CEAD-UFOP.

Referências

ARAUJO, Valdei Lopes de. A experiência do tempo: conceitos e narrativas na formação nacional brasileira (1813-1845). São Paulo: Hucitec, 2008a.

ARAUJO, Valdei Lopes de. História da historiografia como analítica da historicidade. História da historiografia, Ouro Preto, n. 12, p. 34-44, ago., 2013.

ARAUJO, Valdei Lopes de. História dos conceitos: problemas e desafios para uma releitura da modernidade Ibérica. Almanack Braziliense (Online), v. 7, p. 47-55, 2008b.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Observando a observação: sobre a descoberta do clima histórico e a emergência do cronótopo historicista, c. 1820. In: CARVALHO, José Murilo; CAMPOS, Adriana Pereira. (Orgs.). Perspectivas da cidadania no Brasil Império. 1ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011a. p. 281-304.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Para além da autoconsciência moderna: a historiografia de Hans Ulrich Gumbrecht. Varia História, v. 22, p. 314-328, 2006.

ARAUJO, Valdei Lopes de. Sobre a permanência da expressão história magistral vitae no século XIX brasileiro. In: NICOLAZZI, Fernando; MOLLO, Helena Miranda; ARAUJO, Valdei Lopes de. Aprender com a história? o passado e o presente de uma questão. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 2011b. p. 131-147.

ARAUJO, Valdei Lopes de; RAMOS, André da Silva. A emergência de um ponto de vista cosmopolita: a experiência da história de Portugal na Universal History. Almanack, v. 10, p. 479-491, 2015.

ARAUJO, Valdei Lopes de; RAMOS, André da Silva. Disputas pela história contemporânea de Portugal: a polêmica político-historiográfica entre José Agostinho de Macedo e Hipólito da Costa. Revista Maracanan, v. 19, p. 197-215, 2018.

ARAUJO, Valdei Lopes de; RANGEL, Marcelo de Mello. Apresentação: teoria da história e história da historiografia: do giro-linguístico ao giro ético-político. História da historiografia, Ouro Preto, n. 17, p. 318-332, abr. 2015.

BEVERNAGE, Berber; LORENZ, Chris. Negotiating the borders between present, past and future. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2013.

BEVERNAGE, Berber. History, memory, and state-sponsored violence: time and justice. New York: Routledge, 2012.

BEVERNAGE, Berber. História, memória e violência de Estado: tempo e justiça. Tradução: André Ramos; Guilherme Bianchi. Serra: Editora Milfontes/Mariana: SBTHH, 2018.

BLUMENBERG, Hans. Shipwreck with spectator: paradigm of a metaphor for existence. Massachusetts: Massachusetts Institute of Technology, 1997.

BLUMENBERG, Hans. Teoria da não conceitualidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

FERES JR; JASMIN, Marcelo Gantus. História dos conceitos: debates e perspectivas. Rio de Janeiro: Editora Puc-Rio: Editora Loyola: IUPERJ, 2006.

GOSH, Ranjan; KLEINBERG, Ethan (Orgs.). Presence: philosophy, history, and cultural theory for the twenty-first century. Ithaca, New York.: Cornell University Press, 2013.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Atmosphere, mood, stimmung: on a hidden potential of literature. Califórnia: Stanford University Press, 2012.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Pirâmides do Espírito. Sobre a rápida ascensão, as dimensões invisíveis e o súbito esmorecimento da história dos conceitos. Graciosidade e estagnação. Rio de Janeiro: Contraponto; Rio de Janeiro: Puc-Rio, 2012. p. 15-60.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto; Rio de Janeiro: Puc-Rio, 2010.

JORDHEIM, Helge. Against Periodization: Koselleck’s theory of Multiple temporalities. History and theory, v. 51, n. 2, p. 151-171, 2012.

KLEINBERG, Ethan. Back to where we’ve never been: Heidegger, Levinas and Derrida on tradition and history. History and theory, v. 51, p. 114-135, 2012.

KLEINBERG, Ethan. Haunting history: for a deconstructive approach to the past. Stanford: Stanford University Press, 2017.

KLEINBERG, Ethan; RAMOS, André da Silva. Ethan Kleinberg: theory of history as hauntology. História da historiografia, Ouro Preto, n. 25, p. 212-228, dez. 2017. Entrevista concedida a André da Silva Ramos.

KOSELLECK, Reinhart. The practice of conceptual history: timing history, spacing concepts. California: Stanford University Press, 2002.

KOSELLECK, Reinhart. Revolución como concepto e como metáfora. Sobre la semântica de una palavra en un tiempo enfática. In: KOSELLECK, Reinhart. Historia de conceptos: estudios sobre semântica y pragmática del linguaje político y social. Madrid: Trotta, 2012. p. 161-170.

PALTI, Elías José. Ideas, conceptos e metáforas: La tradición alemana de la historia intelectual y el complejo entramado del linguaje. In: SEBASTIÁN, Javier Fernández y MIGUEL, Gonzalo Capellán (Orgs.). Lenguaje, tempo y modernidade: Ensayos de historia conceptual. Chile: Globo Editores, 2011.

PALTI, Elías José. From ideas to concepts to metaphors: the german tradition of intelectual history and the complex fabric of language. History and theory, v. 49, p. 194-211, 2010.

PHILIPS, Mark Salber. On historical distance. New Haven & London: Yale University Press, 2013.

PHILIPS, Mark Salber. Society and sentiment: genres of historical writing in britain, 1740-1820. Princeton University Press, 1997.

RAMOS, André da Silva. Machado de Assis e a experiencia da história: climas e espectralidade. 2018. Tese (Tese em História) – Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2018.

RAMOS, André da Silva. Robert Southey e a experiência da história de Portugal: conceitos, linguagens e narrativas cosmopolitas (1795-1829). 2013. Dissertação (Mestrado em História) − Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2013.

RAMOS, André da Silva; RODRIGUES, Thamara de Oliveira. Narrativas sobre a experiência da história contemporânea do império Luso-Brasileiro: Hipólito da Costa e Francisco Solano Constâncio (1808-1810). Revista do instituto histórico e geográfico brasileiro, n. 463, p. 13-37, jun. 2014.

RANGEL, Marcelo de Mello. O período regencial e o clima histórico: pessimismo e esperança na poesia de Gonçalves de Magalhães. ArtCultura, Uberlândia, v. 15, n. 26, p. 169-186, jan.-jun. 2013.

RANGEL, Marcelo de Mello. Romantismo, Sattelzeit, melancolia e ‘clima histórico’ (Stimmung). Revista expedições: teoria da história & historiografia, v. 5, n. 2, p. 53-62, jul-dez., 2014.

RANGEL, Marcelo de Mello. Poesia, história e economia política nos suspiros poéticos e saudades e na revista Niterói: os primeiros românticos e a civilização do império do Brasil. 2011. Tese (Doutorado em história social) – Pontificia Universidade Católica - Rio, Rio de Janeiro, 2011.

RODRIGUES, Thamara de Oliveira. A independência de Portugal: história, progresso e decadência na obra de Francisco Solano Constâncio. 2014. Dissertação (Mestrado em História) − Universidade Federal de Ouro Preto, Mariana, 2014.

RUNIA, Eelco. Moved by the Past: discontinuity and historical mutation. New York: Columbia University Press, 2014.

SEBASTIÁN, Javier Fernández. Hacia una historia atlántica de los conceptos políticos. In: SEBASTIÁN, Javier Fernández. (Dir.). Diccionario politico y social del mundo iberoamericano: conceptos políticos en la era de las revoluciones, 1750-1850. Madrid: Fundación Carolina, 2009a. p. 23-45.

SEBASTIÁN, Javier Fernández. Conceptos y metáforas en la política moderna: algunas propuestas para una nueva historia político‐intelectual. In: CANAL, Jordi y LUZÓN, Javier Moreno (Orgs.). Historia cultural de la política contemporânea. Madrid: Centro de estudios políticos y constitucionales, 2009b. p. 11‐30.

SEBASTIÁN, Javier Fernández. Introducción: tiempos de transición en el atlântico ibérico: conceptos políticos en revolución. In: (Dir.). Diccionario politico y social del mundo iberoamericano: conceptos políticos fundamentales, 1770-1870: [Iberoconceptos – II]: tomo I (civilización). Madrid: Centros de estudos políticos y constitucionales, 2014. p. 25-75.

Downloads

Publicado

2019-04-15

Como Citar

RAMOS, A. da S. Reinhart Koselleck e a análise das metáforas: sobre as possibilidades para além do conceitual. Revista Tempo e Argumento, Florianópolis, v. 11, n. 26, p. 431 - 455, 2019. DOI: 10.5965/2175180311262019431. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/tempo/article/view/2175180311262019431. Acesso em: 1 dez. 2022.