Arte Ambiental: Formas Relacionais na Modelagem dos Lugares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234604082012030

Palavras-chave:

Arte relacional, esfera pública, formas de saber, comunidade

Resumo

Apresentam-se as perspectivas de desenvolvimento de um projeto de intervenção artística cujo sentido se constitui pela criação de uma zona aberta e colorida no morro da Mangueira no Rio de Janeiro. Nessa modelagem do lugar, gesta-se um trabalho de arte relacional na proposição de momentos de encontro e produção de objetos para troca e contato interpessoal. Abrimos terreno para a colaboração mútua em processos criativos e reflexivos, ambos calcados na consciência ambiental pelo enlace afetivo amplificado com o espaço e a coletividade ao entorno. Seus participantes estão envolvidos na integração comunidade/escola/universidade praticando a aproximação entre o saber acadêmico, especializado, o saber docente, amplo e escolarizado, e os saberes comunitários, enraizados nas formas vitais do cotidiano e preservado em sua memória local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, E. Arte Lúdica. São Paulo: EDUSP, 1997.

BACHELARD, G. A Terra e os Devaneios da Vontade. São Paulo, Martins Fontes, 2001. BOURRIAUD, Nicolas. Arte Relacional. São Paulo: Martins Fontes Ed., 2005.

BRANDÃO, C.R. (Org.). Pesquisa Participante. 3ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1981.

CASTRO, Manuel Antônio. ARTE: Corpo, Mundo e Terra. Rio de Janeiro, Ed. 7 Letras, 2009.

FRADE, Isabela, HENCK, Joice e SARAIVA, Leticia. Da Esfera Relacional à Arte Pública – o projeto Terra Doce na Via UERJ – Mangueira. Belo Horizonte, Editora C/ Arte, 2011. p. 509 – 518.

FRANGE, Lucimar Bello. Cidades desenhantes – um desnorte. In Entre Territórios. Salvador: UFBA, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1996.

GUERRA FILHO, Willis Santiago. A última aventura humana sobre a terra. In A fidelidade à terra. FEITOSA, Charles et alli. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2003. p. 155 - 162.

KINCELER, José. As noções de descontinuidade, empoderamento e encantamento no processo criativo de “Vinho Saber – arte relacional em sua forma complexa in Anais XVII Anpap. Florianópolis, UDESC, 2008.

MATURANA, Humberto e VERDEN-ZOLLER, Gerda. Amar e Brincar – Fundamentos esquecidos do humano. São Paulo: Palas Atenas, 2009.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao Grande Labirinto. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 1986.

RANCIÉRE, Jacques. A Partilha do Sensível. São Paulo: Editora 34, 2005.

Downloads

Publicado

2013-06-18

Como Citar

FRADE, Isabela. Arte Ambiental: Formas Relacionais na Modelagem dos Lugares. Palíndromo, Florianópolis, v. 4, n. 8, 2013. DOI: 10.5965/2175234604082012030. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/3452. Acesso em: 29 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção temática