Bromélias: exercícios de percepção da natureza com base em estudos de Goethe e Holdrege

Autores

  • Daniela Vicentini UDESC - Universidade Estadual de Santa Catarina - Programa de Pós Graduação em Artes Visuais

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234612262020039

Palavras-chave:

caminhada, natureza, Goethe, observação, proposição artística

Resumo

O artigo apresenta uma proposição artística que inclui caminhada e exercícios de desenho, escrita e corpo para a percepção de uma planta. A concepção da natureza parte de estudos científicos de Goethe e de reflexões acerca da pesquisa de Craig Holdrege. Buscamos explorar as possibilidades de nos colocarmos abertos para conhecer fenômenos da natureza, tendo a planta como guia no processo.

Biografia do Autor

Daniela Vicentini, UDESC - Universidade Estadual de Santa Catarina - Programa de Pós Graduação em Artes Visuais

Daniela Vicentini formou-se em bacharelado em Pintura pela Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP, 1995); fez mestrado em História Social da Cultura, na PUC-Rio, em 2000. É doutoranda no programa de pós-graduação da UDESC (ingresso em 2019), na linha de pesquisa em Processos Artísticos Contemporâneos. Participa do Grupo de Pesquisa “Articulações Poéticas”. De 2001 a 2005, lecionou na Universidade Tuiuti do Paraná (UTP) e na UniBrasil, em Curitiba. Em 2006, foi uma das vencedoras do prêmio editorial Iberê Camargo, publicou “Tríptico à Iberê” (Cosac Naify, 2010) e, em parceria com Fernando Burjato, “Arte brasileira nos acervos de Curitiba” (Segesta, 2010). Em 2014, realizou a exposição individual, Ma r, no Centro Cultural Badesc, em Florianópolis; e, em 2015, Vai vem ver, no Museu da Gravura, em Curitiba. Em 2009 e 2010, realizou o Treinamento em Goetheanismo, em 2019, concluiu a formação em Terapia Artística Antroposófica, ambos na Associação Sagres, Florianópolis. www.danielavicentini.com.br

Referências

ALAIN OF LILLE [Alanus de lnsulis], d. 1202. The complaint of nature, Yale Studies in English, v. 36 (1908), Translation of De planctunatura. by Douglas M. Moffat. Pagination preserved in text form. Disponível em: <http://www.fordham.edu/halsall/basis/alain-deplanctu.asp>. Acesso em: 29/10/2019.

CLARK, Kenneth. Paisagem na arte. Lisboa: Ulisseia, 1949.

ERTHAL, Mateus Duque. Traduzindo Clássicos: Gefunden, de Goethe – o trabalho do Barão de Paranapiacaba. Revista Tradterm. São Paulo, USP, v. 18, p. 68-88, 2011.Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/tradterm/article/view/36755> . Acesso em: 26/10/2019.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Doutrina das cores. São Paulo: Nova Alexandria, 1993.

GOETHE, Johann Wolfgang von. A metamorfose das plantas.4. ed.São Paulo: Antroposófica, 2005.

GOETHE, Johann Wolfgang von. Ensaios científicos. São Paulo: Barany/Ad Verbum, 2012.

HOLDREGE, Craig. Thinking like a plant. Tradução livre de Manika Bebhinn Ramsay. New York: Lindisfarne, 2013.

ROSENTHAL, Dália. Joseph Beuys: o elemento material como agente social. São Paulo: ARS, São Paulo, v.9, n.18, 2011. Disponível em 29/10/2019 <:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-53202011000200008>. Acesso em: 29/10/2019

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

Downloads

Publicado

2020-01-01

Como Citar

VICENTINI, D. Bromélias: exercícios de percepção da natureza com base em estudos de Goethe e Holdrege. Palíndromo, Florianópolis, v. 12, n. 26, p. 039-050, 2020. DOI: 10.5965/2175234612262020039. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/16448. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos Seção temática