A imagem-ficção como estratégia de ação para mundos possíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234612272020199

Palavras-chave:

mundos possíveis, imagem-ficção, fingere, arte contemporânea, teoria da imagem

Resumo

Neste artigo, propõe-se uma aplicação das teorias dos mundos possíveis no estudo da imagem e de seus efeitos. Após uma breve introdução a esse universo teórico, passa-se para o contexto das artes visuais, no qual não existem ainda muitos trabalhos publicados a respeito. Desenvolve-se um pensamento dos modos de fazer mundos, que emerge de uma imagem-ficção ativa, instaurada pelo fingere. A atitude de autodenunciação dessa imagem permite ao espectador encontrar evidências de sua qualidade de manipulada, o que acaba por permitir uma mudança cognitiva em relação às construções e mudanças que podemos realizar no nosso mundo dito real. Após um estudo de caso, conclui-se que, como a imagem, a realidade é matéria manipulável, e a compreensão disso abre vias para a construção de novos contextos na atualidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOILLAT, A. Cinéma, machine à mondes: essai sur les films à univers multiples. Chê-ne-Bourg: Georg, 2014.

CARVALHO, J. D. Artes e mundos possíveis. Aisthe, v. 6, n. 10, p. 120–137, 12 out. 2012.

DOLEŽEL, L. Heterocosmica: Fiction and Possible Worlds. Baltimore: Johns Hopkins Universi-ty Press, 1998.

DUBOIS, P. De l’image-trace à l’image-fiction. Le mouvement des théories de la pho-tographie de 1980 à nos jours. Études photographiques, n. 34, 4 jun. 2016.

FROGIER, L.; Parc de la Villette. Li Wei. Arles/Paris: Actes Sud, Parc de la Villette, 2012. Catálogo de exposição, 20 mars-19 août 2012.

GOODMAN, N. Manières de faire des mondes. Paris: Gallimard, 2006.

GUELTON, B. Archifiction: quelques rapports entre les arts visuels et la fiction. Paris: Publications de la Sorbonne, 2007.

KRIPKE, S. Semantical considerations on Modal Logic. In: LINSKY, Leonard (Ed.). Re-ference and Modality. Oxford: Oxford University Press, 1979, p. 63–72.

KRIPKE, S. La logique des noms propres. Paris: Éd. de Minuit, 1982.

LAVOCAT, F. Fait et fiction: pour une frontière. Paris: Seuil, 2016.

LAVOCAT, F. (Org.). La théorie littéraire des mondes possibles. Paris: CNRS, 2010.

LEIBNIZ, G. W. Essais de théodicée: sur la bonté de Dieu, la liberté de l’homme et l’origine du mal. Paris: Flammarion, 1969.

LINDE, U. Image and Dimension. In: ALLÉN, S. (Org.). Possible Worlds in Humanities, Arts and Sciences: Proceedings of Nobel Symposium 65. Berlin; New York: De Gruyter, 1989, p. 312–318.

OWENS, C. Beyond Recognition: Representation, Power, and Culture. Berkeley: Uni-versity of California Press, 1992.

PAVEL, T. Possible Worlds in Literary Semantics. The Journal of Aesthetics and Art Criticism, v. 34, n. 2, p. 165–176, 1975.

PAVEL, T. Univers de la fiction. Paris: Seuil, 1988.

RYAN, M.-L. Possible Worlds, Artificial Intelligence, and Narrative Theory. Blooming-ton: Indiana University Press, 1991.SCHAEFFER, J.-M. Pourquoi la fiction? Paris: Seuil, 1999.

SCHMUTZ, J. Qui a inventé les mondes possibles? In: BARDOUT, Jean-Christophe; JULLIEN, Vincent (Eds.). Les mondes possibles. Cahiers de philosophie de l’Université de Caen. Caen: Presses Univ. de Caen, 2006, p. 9–38.

SOURIAU, É. La correspondance des arts: éléments d’esthétique comparée. Paris: Flammarion, 1969.

Downloads

Publicado

2020-05-01

Como Citar

BETHONICO, Marina Romagnoli. A imagem-ficção como estratégia de ação para mundos possíveis. Palíndromo, Florianópolis, v. 12, n. 27, p. 199–213, 2020. DOI: 10.5965/2175234612272020199. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/13338. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigos Seção aberta