Episódio Queermuseu: reflexos do despreparo social em torno da Arte

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5965/2175234609192017013

Palavras-chave:

alfabetismo visual, arte contemporânea, estética, política, censura

Resumo

Este artigo propõe uma abordagem crítico-reflexiva acerca do analfabetismo visual na sociedade contemporânea, considerando que o despreparo permitiu que a manipulação protagonizada por grupos com interesses políticos levasse ao fechamento da exposição Queermuseu. A análise documental e revisão bibliográfica sugerem que mesmo entre frequentadores e apreciadores de espaços expositivos, há um desconhecimento acerca do papel da Arte. Em um eixo transdisciplinar, autores como Dondis, Cocchiarale, Eco e Hobsbawm fundamentam as investigações acerca dos conceitos e definições sobre Arte contemporânea e a abordagem sobre o processo de construção de linguagens visuais, que vem se desenvolvendo, muitas vezes, distante da formação do público. Foucault, Marcuse, Berman, entre outros na linha da crítica cultural, amparam as considerações a respeito do papel político da Arte e dos instrumentos de alienação que se valem do desconhecimento das massas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra Paula Rech, University of Caxias Do Sul

Doutora em Letras - Literatura Brasileira pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), com tese sobre a obra de Hilda Hilst (Agudíssimas Horas - Imagens do Tempo na Poesia de Hilda Hilst). Professora dos cursos de Comunicação Social e Pós-Graduação em Letras e Cultura da Universidade de Caxias do Sul (UCS), desenvolve pesquisa, com financiamento do CNPq, sobre a ocupação da Casa do Sol. 

Danielle Schutz, University of Caxias Do Sul

Mestranda em Letras e Cultura da Universidade de Caxias do Sul. Especialista em História e Cultura Indígena e Afro-Brasileira (Ulbra, Porto Alegre). Licenciada em Artes Visuais pela Ulbra/Canoas). Docente na Faculdade da Serra Gaúcha - FSG, Campus Caxias do Sul, nos cursos de Design e Conservação e restauro.

Referências

ARCHER, M. Arte contemporânea. Uma história concisa. São Paulo: Mundo da Arte, 2012.

BARBOSA, A. M. ‘A Arte ajuda a criar um ensino ativo’, diz Arte educadora pioneira. Gaúcha ZH. Porto Alegre, 29 de outubro de 2016. Disponível em <https://gauchazh.clicrbs.com.br/porto-alegre/noticia/2016/10/a-Arte-ajuda-a-criar-um-ensino-ativo-diz-Arte-educadora-pioneira-8046706.html>. Último acesso em 31.10.2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Organização de Alexandre de Moraes. 16.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

BERMAN, M. Tudo que é sólido desmancha no ar. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BOURRIAUD, N. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BRUM, E. Gays e crianças como moeda eleitoral. El País: São Paulo, 18.09.2017. Disponível em <https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/18/opinion/1505755907_773105.html>. Acesso em 31.10.2017.

BRUNO, M.C.O. Definição de curadoria: os caminhos do enquadramento, tratamento e extroversão da herança patrimonial. Ibermuseus.org, Brasília, 2015. Disponível em http://www.ibermuseus.org/wp-content/uploads/2015/07/Unidad1Texto_Definicao-de-Curadoria.pdf. Último acesso em 4 de novembro de 2017.

COCCHIARALE, F. Quem tem medo da Arte contemporânea?. São Paulo: Massaganda, 2009.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo e Comentários sobre a sociedade do espetáculo. Trad. bras. Estela dos Santos Abreu. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DONDIS, D. A. Sintaxe da linguagem visual. São Paulo: Martins Fontes: 2003.

ECO. U. História da beleza. São Paulo: Record, 2015.

____________. História da feiúra. São Paulo: Record, 2015.

____________ Obra aberta. São Paulo: Perspectiva, 2007

FERREIRA, W. A agenda secreta da reforma do ensino: o analfabetismo visual. Revista Fórum: São Paulo, 25 de setembro de 2016. Disponível em https://www.revistaforum. com.br/cinegnose/2016/09/25/1763/. Acesso em 30 de novembro de 2017.

FIDÉLIS, G. In MENDONÇA, H. Queermuseu: o dia em que a intolerância pegou os expositores para Cristo. El País: São Paulo. 13.09.2017. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2017/09/11/politica/1505164425_555164.html. Acesso em 31 de outubro de 2017.

FIORAVANTE, C. Marc Quinn dá sangue à escultura. Folha de S. Paulo. São Paulo, 23 de fevereiro de 1998. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq23029829.htm. Acesso em 5 de novembro de 2017.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. São Paulo: Edições Graal, 2003.

GASPARI, E; HOLLANDA, H. B; VENTURA, Z. Cultura em trânsito. Da repressão à abertura. Rio de Janeiro: Aeroplano, (2000).

HOBSBAWM, E. A era dos extremos. Companhia das Letras, São Paulo, 1995.

KANT, I. Crítica e estética na modernidade. São Paulo: Editora Senac, 1999.

LONGMAN, L. D. Conformity and the arts. I: 1. Artforum: Nova York, 21 jun. 1962.

MARCUSE, H. Cultura e sociedade. v1. Tradução de Wolfgang Leo Maar, Isabel Maria Loureiro, Robespierre de Oliveira. São Paulo: Editora Paz e Terra, 1997.

___________. A Arte na sociedade unidimensional. In LIMA, L. C. (org). Teoria da cultura de massa. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2005.

PAVIANI. J. Estética mínima. Notas sobre Arte e literatura. Porto Alegre: Edipucrs. 2003.

PEDROSA, M. Norma e percepção estética. São Paulo: Edusp, 1997.

STEPHANOU, A. A. Censura no regime militar e militarização das Artes. Porto Alegre: Edipucrs, 2001.

Downloads

Publicado

2017-12-13

Como Citar

RECH, A. P.; SCHUTZ, D. Episódio Queermuseu: reflexos do despreparo social em torno da Arte. Palíndromo, Florianópolis, v. 9, n. 19, p. 13-30, 2017. DOI: 10.5965/2175234609192017013. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/palindromo/article/view/11051. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Artigos Seção temática