A escrita de Carlos Gomes para a seção dos metais de Salvator Rosa

Autores

  • Isaac William Kerr UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas
  • Lenita Waldige Mendes Nogueira IA/UNICAMP
  • Marcos da Cunha Lopes Virmond

DOI:

https://doi.org/10.5965/2525530401022016156

Palavras-chave:

Instrumentação e Orquestração, Musicologia, Antônio Carlos Gomes, Ópera

Resumo

Após retumbante sucesso de Il Guarany e a polêmica gerada por sua ousada Fosca, Antônio Carlos Gomes, agora bem experimentado em dois modelos distintos, a tradição da primeira e a inovação da segunda, termina por colocar nos palcos seu Salvator Rosa (1874), valendo-se de procedimentos bem comuns de estrutura e composição musical. Apesar desse retorno às convenções, percebemos maior liberdade de escrita do compositor campineiro à seção dos metais, atribuindo-lhes funções pouco comuns para a antiga escola do melodrama. Primeiramente elucidando a função dos metais nas orquestras de teatro a partir dos principais tratados de instrumentação e orquestração estudados na Itália em finais da primeira metade do século XIX, o trabalho também busca apresentar o cimbasso – termo comum nas obras de Gomes e representante da tessitura grave dos metais em sua orquestra. Utilizando como metodologia a análise de tratados de instrumentação, orquestração e textos da Gazetta Musciale de Milano, o trabalho contextualiza a tradição instrumental acionada por Gomes para composição de seu Salvator Rosa, ao mesmo tempo que apresenta um modo de escrita eloquente para a seção dos metais, aproximando o aparato instrumental daquele costumeiro vocal. Devido a discrepância das edições encontradas, o manuscrito autógrafo do compositor foi a principal fonte consultada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isaac William Kerr, UNICAMP - Universidade Estadual de Campinas

Isaac William Kerr é aluno regularmente matriculado no programa de pós graduação em música da UNICAMP orientado pela profa. Dra. Lenita Waldige Mendes Nogueira e pelo prof. Dr. Marcos da Cunha Lopes Virmond. Possui bacharelado em regência pela UNICAMP e formação em tuba pelo CEFAR – Centro de Formação Artística do Palácio das Artes - na classe do professor Eleilton Cruz. Isaac é bolsista FAPESP (Mestrado e I.C.).

Lenita Waldige Mendes Nogueira, IA/UNICAMP

Lenita Waldige Mendes Nogueira é professora do Instituto de Artes da UNICAMP e professora orientadora do Programa de Pós Graduação em música do mesmo instituto. É também curadora do Museu Carlos Gomes de Campinas.

Marcos da Cunha Lopes Virmond

Marcos da Cunha Lopes Virmond é doutor em música pela UNICAMP, professor do departamento de música da USC, Bauru, e professor colaborador do departamento de pós graduação em música da UNICAMP.

Referências

ADLER, Samuel. The study of orchestration. New York: W. W. Norton & Company, Inc., 2002.

ASIOLI, Bonifazio. Il maestro di composizione. Milano: Ricordi, [ca. 1836], v. 3.

BERLIOZ, Ettore, PANIZZA, Ettore. Grande Trattato di Istrumentazione e d’Orchestrazione moderne. Milano: Ricordi, 1912.

GAZZETTA MUSICALE DI MILANO. 31 de março de 1844 p. 52 (Ano III, Nº 13).

GOMES, Carlos Antônio. Salvator Rosa. Melodramma em quatro atos (partitura). Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional, 1874. Disponível em http://objdigital.bn.br/objdigital2/acervo_digital/div_musica/mas617636/mas617636.pdf; Acessado em 29/03/2016.

MEUCCI, Renato. Il cimbasso e gli instrumenti afini nell’ottocento italiano. In: Studi Verdiani. Parma: Istituto Nazionale di Studi Verdiani, 1989. v. 5, 1989/90, p. 109-162.

NOGUEIRA, Lenita Waldige Mendes. Maneco Músico Pai e mestre de Carlos Gomes. São Paulo: Editora Arte & Ciência, 1997.

NOGUEIRA, Lenita Waldige Mendes. Museu Carlos Gomes – Catálogo de Manuscritos Musicais. São Paulo, Arte e Ciência, 1997.

NOGUEIRA, Marcos Pupo. Muito além do melodramma: os prelúdios e sinfonias das óperas de Carlos Gomes. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

REICHA, Anton. Corso di composizione musicale. Milano: Ricordi [ca. 1839].

RONQUI, Paulo Adriano. O naipe de trompete e cornet nos prelúdios e sinfonias das óperas de Antônio Carlos Gomes. Campinas, 2010. 222 p. Tese (Doutorado em Música). Instituto de Artes. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2010.

VIRMOND, Marcos da Cunha Lopes. Construindo a Ópera Condor: o pensamento composicional de Antonio Carlos Gomes. Campinas, 2007. 332 p. Tese (Doutorado em Música). Instituto de Artes. Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 2007.

Downloads

Publicado

2016-07-12

Como Citar

KERR, I. W.; NOGUEIRA, L. W. M.; VIRMOND, M. da C. L. A escrita de Carlos Gomes para a seção dos metais de Salvator Rosa. Orfeu, Florianópolis, v. 1, n. 1, p. 156-174, 2016. DOI: 10.5965/2525530401022016156. Disponível em: https://www.revistas.udesc.br/index.php/orfeu/article/view/7526. Acesso em: 2 fev. 2023.